Destaques Linha 13

CPTM estuda serviço expresso da Linha 13-Jade até o Brás

Apresentação do presidente da empresa em setembro do ano passado revela que linha do aeroporto pode ter serviços diferenciados, conforme a demanda

Projeção da linha de bloqueios da estação Aeroporto Guarulhos da Linha 13: viagem direto para o Brás

Em setembro, durante a 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária organizada pela AEMESP, a associação de engenheiros do Metrô de São Paulo, o presidente da CPTM, Paulo de Magalhães, fez uma apresentação que joga luz sobre como a empresa planeja operar a futura Linha 13-Jade, que ligará o Aeroporto de Guarulhos e imediações com a rede de trens e metrô. O documento revela algumas informações interessantes sobre o projeto final do ramal, que deve ter quase 37 km de extensão, 18 estações e atender 700 mil passageiros por dia.

Tudo isso, é claro, se os planos não mudarem nos próximos dez anos, prazo estimado pela CPTM para concluir a linha. Nesse projeto completo, os trens da Linha 13 sairão da futura estação Bonsucesso, próxima a Via Dutra e seguirão até Chácara Klabin, na região da Vila Mariana, onde farão conexão com as linhas 2 e 5 do Metrô. Mas é nos estudos mais palpáveis que estão alguns pontos importantes revelado por Magalhães, entre elas, um serviço expresso entre Guarulhos e a estação Brás.

Como se sabe, a Linha 13 terá na sua primeira fase 12,2 km e três estações – Aeroporto Guarulhos, ao lado do terminal 1 do aeroporto, Guarulhos-CECAP e Engenheiro Goulart, onde será feita a ligação com a Linha 12-Safira. Ou seja, nesses moldes, o percurso dos usuários será longo e cheio de baldeações.

As estratégias operacionais estudadas pela CPTM

Segundo a apresentação do presidente da CPTM, no entanto, a empresa estuda algumas estratégias operacionais, entre elas colocar trens entre o aeroporto e a estação Brás utilizando para isso as vias da Linha 12. Com isso, os passageiros poderiam fazer conexões com a Linha 3-Vermelha, 11-Coral e 10-Turquesa, ambas da CPTM. Também está nos planos da empresa algo hoje considerado inviável em outras linhas, a operação na madrugada.

Como o aeroporto funciona 24 horas e há vários voos saindo e chegando durante as primeiras horas do dia, haveria demanda para o trem. Porém, não ficou claro como esses usuários se deslocariam em outras regiões, cujas linhas estariam fechadas. Além disso, a CPTM avalia como integrar o uso do trem com o serviço de ônibus da EMTU e também com estacionamentos em regiões próximas às estações.

O percurso completo da Linha 13. em análise

Ligação mais barata

A inauguração da Linha 13-Jade, prevista para o final de 2018, enfim, colocará um dos aeroportos da cidade conectado ao transporte sobre trilhos, uma antiga demanda da sociedade. Isso significará ter um transporte integrado e por uma tarifa bem mais em conta do que hoje – a alternativa mais barata envolve a linha 257 além da tarifa do Metrô ou CPTM e sai por quase R$ 10.

Mas com o primeiro trecho limitado, estima-se que 120 mil pessoas usarão a linha por dia, uma demanda restrita e que deve somar moradores da região e funcionários do aeroporto, além dos passageiros do aeroporto. Com as estratégias especiais, é possível que a Linha 13 tenha uma utilidade mais efetiva, algo que só virá naturalmente após as próximas fases.

Veja também: Linha 13-Jade contará com trens de origem chinesa

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

Leave a Comment