Destaques Linha 1

Estação Vila Mariana corre o risco de ter seu nome alterado

Projeto de lei de deputado estadual pretende acrescentar nome de “Enéas Tognini” à denominação atual da estação. Para isso, basta sanção do governador

Estação Vila Mariana do Metrô (reprodução Google Street View)

Estação Vila Mariana do Metrô (reprodução Google Street View)

Há exato um ano o deputado estadual André Soares, do partido DEM, decidiu criar um projeto de lei para que a estação Vila Mariana, da Linha 1-Azul, passe a ser chamada de “Enéas Tognini – Vila Mariana”. No último dia 9, o parlamentar conseguiu aprovar a mudança, que agora está nas mãos do governador Geraldo Alckmin para sanção.

Amparado numa interpretação da lei 14.707 que considera um bem público tudo que pertence a empresas públicas e de economia mista (caso do Metrô de São Paulo), o deputado considera que as estações são passíveis de ter seus nomes alterados para homenagear pessoas – no caso específico, um pastor evangélico fundador da Igreja Batista do Povo e que faleceu aos 101 anos em 09 de setembro do ano passado – o parlamentar, inclusive, usa o exemplo da estação Jardim São Paulo – Ayrton Senna, que ganhou o acréscimo do nome do piloto em 2009 por meio de um projeto semelhante.

Parece algo trivial, mas não é. Ao contrário de logradouros, normalmente utilizados em homenagens, uma estação de metrô passa por uma análise criteriosa da empresa para que sua denominação faça sentido com a região onde foi construída. Muitas vezes, inclusive, os nomes iniciais mudam ainda durante as obras ou mesmo depois de anos como ocorreu com a atual estação Armênia, que antes chamou-se Ponte Pequena.

Por isso, não deveria ser permitido que políticos pudessem usá-las para homenagear não importa quem, mesmo que essa pessoa mereça algo assim. É uma decisão técnica e não emotiva. Até mesmo no caso de Jardim São Paulo, o nome do piloto de Fórmula 1, por mais admirado que seja, não faz sentido em ter sido acrescentado à estação. Por mais que ele tenha raízes no bairro fato é que isso não contribui para que os passageiros identifiquem algum ponto de interesse no entorno dela.

Futebol

Até mesmo a alteração promovida há alguns em estações que estavam próximas de estádios de clubes de futebol pode ser polêmica. Embora seja relevante em alguns casos, pode não ser precisa. Pegue-se o caso da estação Palmeiras-Barra Funda, a mais próxima do Allianz-Parque. Com a abertura da estação Sesc-Pompéia da Linha 6 no futuro e que ficará a poucos metros do estádio, relacionar a estação Barra Funda acabará sendo uma referência enganosa.

As estações precisam ser batizadas, sim, com referências importantes como é o caso de hospitais (AACD-Servidor e Hospital São Paulo na Linha 5) ou avenidas (Paulista e Consolação) além de nomes de bairros por onde passam.

Espera-se que o governador tenha bom senso e vete o projeto, evitando abrir um precedente que pode causar um desserviço em várias estações caso outros parlamentares resolvam fazer o mesmo. Há outras formas de homenagear pessoas que merecem ser lembradas, mas longe do Metrô e da CPTM.

 

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

Leave a Comment