Destaques Linha 9

Governo consegue financiamento federal para retomar obras da Linha 9-Esmeralda

Mas obras civis seguem sem definição após encerramento dos contratos de construção das duas estações e das vias

A Série 2100 da CPTM na inauguração da estação Autódromo: trens inadequados para serviço metropolitano

Inauguração da estação Autódromo da Linha 9: inauguração da ampliação deve ficar para o próximo governo

O governo do estado comemorou a aprovação do financiamento pela Caixa Econômica de recursos oriundos do PAC Mobilidade para dar sequência às obras da extensão da Linha 9-Esmeralda até Varginha. O empréstimo, cujo valor não foi divulgado, será usado para a implantação de suprimento de energia e do sistema de integração ao Centro de Controle Operacional (CCO) da linha.

É uma boa notícia para um projeto que estava andando lentamente até parar por completo no final do ano passado, quando a gestão Alckmin decidiu encerrar os contratos de obras civis com os antigos consórcios. A razão é que os valores de financiamento federal previstos no início da obra não foram liberados por conta de um problema burocrático: o estado contratou esses serviços por uma modalidade que o governo federal não admite em seus empréstimos.

Por isso,  a Secretaria de Transportes Metropolitanos optou por fazer uma nova licitação nos moldes do que pede a União e encerrar os trabalhos bancados apenas pelo próprio estado. No entanto, esse novo edital ainda não foi lançado, o que na prátia significa que a inauguração das estações Mendes e Varginha ainda deve demorar.

PPP a caminho

Alckmin disse durante o anúncio da publicação do edital de concessão das linhas 5-Lilás e 17-Ouro que o governo trabalha numa PPP que repassará a iniciativa privada as linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda, ambas da CPTM. Isso deve ocorrer entre junho e julho e pode ser o momento para que o governo lance também o edital de conclusão das obras, caso isso não ocorra antes.

Nesse cenário, é pouco provável que as duas estações sejam abertas até 2018, como prometido anteriormente. Hoje, existem algumas edificações levantadas nos dois canteiros além da via desempedida, porém, há várias obras de arte como viadutos que ainda precisam ser construídos, além de toda a parte de sistemas e energia.

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

Leave a Comment