Destaques Linha 15

Linha 15-Prata deve ser concedida à iniciativa privada em 2018

Reunião do Conselho de Desestatização definiu prazo para que o ramal operado por monotrilho seja licitado e operado em concessão

Trem do monotrilho da Linha 15: em 2018 nas mãos privadas

Depois de conceder as linhas 5-Lilás e 17-Ouro à iniciativa privada, o governo do estado já terá definido o próximo passo no programa de desestatização da malha metroferroviária da Grande São Paulo. Será a Linha 15-Prata, operada por monotrilho, que deve passar para as mãos de um ente privado no início de 2018, segundo divulgado na mais recente reunião do Conselho de Desestatização, realizada em dezembro do ano passado, mas cuja ata foi publicada no Diário Oficial apenas nesta semana.

A apresentação do secretário de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, detalhou parte do projeto, que prevê a operação, conservação e manutenção pelo vencedor do certame, por meio do maior valor de outorga. O consórcio receberá como pagamento parte da tarifa dos usuários do ramal cuja previsão de movimento diário beira os 500 mil passageiros quando completa.

A novidade revelada pelo secretário é a fase II das atuais que acrescenta a estação Iguatemi às dez paradas hoje em operação ou construção. Com ela, o ramal terá 15,3 km de extensão, faltando então cerca de 10 km até a futura estação terminal Hospital Cidade Tiradentes. Esse novo trecho não faz parte do escopo do concessionário que tem apenas a obrigação de operá-lo caso o governo decida seguir com sua expansão.

O presidente do Metrô Paulo, Menezes Figueiredo, também presente, acrescentou a possibilidade de incluir alguns terrenos ao lado das estações para que o concessionário possa explorá-lo comercialmente como forma extra de receita.

De acordo com o cronograma apresentado, a assinatura do contrato ocorrerá dentro de um ano, ou seja, no início do ano que vem, quando parte das novas estações deverá estar perto de ser entregue.

Metade da rede privada

Caso as licitações de concessão sejam concluídas, é possível que a rede de metrô e trens metropolitanos esteja dividida da seguinte forma no início da próxima década:

Linhas 1, 2 e 3 – Metrô
Linha 4 – ViaQuatro
Linha 6 – MoveSP (caso o consórcio retome as obras)
Linha 5 e 17 – Vencedor da concessão
Linha 15 – Vencedor da concessão
Linhas 7, 10, 11, 12 e 13 – CPTM
Linhas 8 e 9 – Vencedor de possível concessão (ainda em análise)

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

2 Comments

Leave a Comment