Ampliação da estação Santo Amaro ficará a cargo da iniciativa privada

Minuta da concessão das Linhas 5 e 17 prevê que vencedor resolva o gargalo até 2018
Estação Santo Amaro da Linha 5-Lilás (foto: Fulvio Souza)
Estação Santo Amaro da Linha 5-Lilás (foto: Fulvio Souza)
Estação Santo Amaro da Linha 5-Lilás (foto: Fulvio Souza)
Estação Santo Amaro da Linha 5-Lilás (foto: Fulvio Souza)

A rede metroferroviária de São Paulo possui algumas transferências caóticas, como muitos sabem. A maior parte segue sem solução à vista, mas pelo menos uma pode ser resolvida até 2018. A estação Santo Amaro, que hoje conecta as linhas 9-Esmeralda da CPTM e 5-Lilás do Metrô será ampliada nos próximos anos, de acordo com a minuta de concessão que o governo do estado pretende lançar no início de 2017.

O objetivo da gestão Alckmin é repassar à iniciativa privada a operação e manutenção das Linhas 5-Lilás e 17-Ouro, ambas com grandes trechos em construção. Mas o concessionário vencedor da licitação também precisará arcar com outras metas, entre elas resolver o gargalo que existe hoje em Santo Amaro. Como se vê na prática, não se imaginava que o fluxo entre as duas linhas fosse tão grande, causando hoje bastante dissabores nos usuários que precisam percorrer corredores apertados ou, então, fazer uma longa caminhada para chegar à outra plataforma.

A solução para o problema consta do edital da concessão e é um tanto desafiador. Segundo o texto, para dar conta da demanda projetada em 2018 será preciso construir duas extensões da plataforma sobre o rio Pinheiros, hoje feita por uma ponte estaiada. A ideia é construir duas outras pontes paralelas para aumentar o espaço de circulação além de permitir a instalação de mais elevadores e escadas (veja infográfico exclusivo).

Com isso, os passageiros terão sete metros a mais de plataforma em cada sentido – hoje, dependendo do horário, fica quase impossível caminhar no contra-fluxo de um trem que acabou de desembarcar. Não é só. Outro ponto crítico da ligação entre as duas estações também será alterado pelo concessionário, o corredor que liga os dois mezaninos.

Ampliação da estação Santo Amaro: mudanças serão bancadas pela iniciativa privada

Parte da estação Santo Amaro da CPTM, construída em 1988 e em processo de tombamento, esse corredor hoje é estreito e não pode ser ampliado porque ao lado ficam as salas técnicas da estação. Conforme consta no edital, será preciso construir novas instalações na outra ponta da estação, o que inclui também os banheiros, hoje no nível da plataforma. Após isso, será possível alargar a passagem entre as duas linhas, mas a linha de bloqueios também deverá mudar num esquema parecido com o da estação Pinheiros, deslocando essa parte para o outro lado da avenida Nações Unidas.

O edital até prevê quando isso deverá ficar pronto: 2018, ano em que a Linha 5 deverá começar a funcionar até a ligação com as linhas 1 e 2. Mas há desafios, como dissemos. Um deles é construir as duas plataformas auxiliares sobre o rio e ligadas à ponte estaiada. Elas terão suportes próprios e terão de ser construídas observando várias interferências, sobretudo no lado onde está a via da CPTM.

O resultado estético é impossível de ser previsto, mas o prático sem dúvida será positivo para quem utiliza a estação.

Total
1
Shares
1 comment
  1. Olá, Ricardo!
    Por gentileza, você saberia me informar como ficou essa questão da modernização e ampliação da Estação Santo Amaro? Me parece que realmente existe um entrave nesta questão, pois a Estação Santo Amaro esta tombada pelo Patrimônio Histórico de São Paulo e sua configuração não pode ser mudada. Outra questão: A iniciativa privada arcaria com os custos das obras na estação Santo Amaro somente nas dependências do Metrô, ou essas obras poderiam se estender para as dependências da CPTM?

Comments are closed.

Previous Post

Folha aponta falta de funcionários no Metrô, mas esquece das concessões

Next Post
Trem da Série 8500 da CPTM

Até que ponto vale a pena fabricar trens no Brasil

Related Posts