Candidato ao governo do estado pelo PSTU, Altino Prazeres defende a estatização da ViaMobilidade

Conhecido pela atuação no Sindicato dos Metroviários, candidato defende uma atuação plena do estado no sistema metroferroviário e a estatização total do transporte sobre trilhos
Altino Prazeres e vice, Flavia Rosa (Tacito Chimato)

O período de eleições gerais é um importante momento para refletir e decidir os destinos da gestão em âmbito federal e estadual. Quando se fala do sistema sobre trilhos a decisão dos candidatos pode ter grande impacto no desenvolvimentos de projetos de ampliação e gerenciamento da rede.

Em uma série de artigos, iremos nos dedicar a expor os planos de governo dos candidatos ao governo de São Paulo para o setor metroferroviário. A ideia é apontar as ideias dos pretendentes ao Palácio dos Bandeirantes exclusivamente sob a visão do transporte sobre trilhos. 

Altino de Melo Prazeres Júnior é candidato pelo Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU). Altino é ferroviário e bastante influente por sua atuação no Sindicato dos Metroviários de São Paulo.

Obras públicas para expansão da rede

A defesa de grandes obras públicas para a geração de emprego também encontra caminho no setor metroferroviário. Existem uma série de projetos a serem elaborados neste sentido. O plano de governo não especifica nenhum projeto específico, mas menciona o investimento na rede de transporte ferroviário.

“Precisamos de um plano de obras públicas sob o controle dos trabalhadores que gere empregos e, ao mesmo tempo, respeitando o meio ambiente, resolva problemas estruturais como o déficit de saneamento básico, escolas e hospitais, rede de transporte ferroviários com metrôs e trens, financiado com os recursos que hoje vão ao pagamento da dívida pública e as isenções fiscais às grandes empresas.“

Privatização das Linhas 8 e 9

O plano de governo critica de forma aberta a privatização das linhas 8 e 9 da CPTM. Segundo o documento, a concessão dos dois ramais visa aumentar os lucros da ViaMobilidade. Ainda há menção ao início de operação conturbado com a ocorrência do óbito de um funcionário e piora das condições de trabalho.

“Privatizou as linhas 8 e 9 da CPTM, para aumentar os lucros da Via Mobilidade. Em pouco tempo, aumentaram a superlotação, atrasos, cortes de energia, acidente com morte de trabalhador e piora das condições de trabalho. “

Plano de governo critica a ViaMobilidade (Jean Carlos)

Reestatização

O plano de governo destaca a reestatização das empresas privatizadas. Na malha metroferroviária, a Linha 6-Laranja deverá ser operada pela LinhaUni, enquanto a ViaMobilidade e ViaQuatro, empresas do grupo CCR, operam cinco linhas das regiões oeste e sul da grande São Paulo. 

“O PSTU defende a estatização do sistema financeiro e a reestatização das empresas privatizadas, como a Via Mobilidade em São Paulo.

Opinião deste site

Reverter todas as concessões já realizadas é uma proposta claramente inviável do ponto de vista jurídico. Seria preciso algum tipo de intervenção estatal que não encontraria eco em tribunais, gerando processos contra o governo do estado requerendo indenizações vultosas. A ideia de estatizar todo o sistema sobre trilhos vai de encontro ao perfil do partido, o que não surpreende. Pode se argumentar que uma empresa estatal seria capaz de entregar um bom serviço à população, como faz o Metrô, mas o custo talvez fosse proibitivo já que o Sindicato dos Metroviários é contra o uso do sistema de automação de nível GoA4, que dispensa operadores nos trens e se reflete em um efetivo menor de funcionários.

Ricardo Meier

O documento completo pode ser acessado através do portal do Tribunal Superior Eleitoral.

Total
0
Shares
Antes de comentar, leia os termos de uso dos comentários, por favor
7 comments
  1. Como não temos investimento federal e o federalismo leva quase todo nosso dinheiro, cerca de 92%, vão tirar dinheiro de onde? O programa de concessões do governo do estado fez com que São Paulo tenha disparado a melhor malha rodoviária do país. 18 das melhores 20 estradas estão aqui. A segunda pista da Imigrantes foi construída pela concessionária. A malha metroferroviaria já se tornou a maior e melhor do país graças a concessões, como visto nas linhas amarela e lilás, que também teve problemas no início. Este partido citado não tem a menor noção de como administrar o estado. No mundo moderno de hoje, São Paulo precisa mais de um CEO do que de um político.

  2. A única linha que está sendo expandida pela iniciativa privada é a 6. As 5 linhas existentes tiveram participação do metrô de sp e o Estado.

  3. nem precisa de ser do PSTU para entender que a privatização é o pior caminho. esse papo que o estado não tem dinheiro, é furada. só de renuncia fiscal do ICMS do combustivel foi 4,4 bilhoes. a verdade que o serviço publico virou balcao de negocios para que esses politicos injetam dinheiro publico facil nas maos de empresas rpivadas.

    sobre o tucanete que defendeu a concessao de rodovias, o preço que pagamos por essa tal competencia, é altissimo. a mesma imigrantes q vc citou tem um pedagio absurdo de mais de 40 reais ida e volta. vc vai pra maranhão e gasta menos com pedagio do que essa descidinha do litoral. e detalhe, a concessao engloba tambem as estradas da baixada, como domenico rangoni e manoel da nobrega. ambas sao estradas horriveis.

  4. ainda bem que esta criatura politica não tem a menor chance de ser eleito com estas ideias de dois séculos atrás ! São Paulo precisa sim privatizar todas as linhas e cobrar firmemente das concessionários a prestação de servicos e melhorias contratadas !

Comments are closed.

Previous Post

Em sabatina, governador Rodrigo Garcia erra dados sobre a Linha 18 e BRT-ABC

Next Post

Treliça lançadeira torna-se “primeiro veículo” a acessar estação Morumbi, da Linha 17

Related Posts