Metrô pode retirar trens da Frota E de operação

Únicas composições sem ar-condicionado na empresa, substituição pode ocorrer caso exista viabilidade de alugar 19 novos trens
Trem da Frota E estacionado no Pátio Jabaquara. Composições podem sair de operação | Foto: Renato Lobo – Via Trolebus

Os trens da frota E, atualmente os únicos sem ar-condicionado no Metrô de São Paulo, poderão ser aposentados. A companhia estuda retirar as 11 unidades de circulação caso o processo de leasing, que prevê 19 novos trens, se torne realidade. A declaração foi feita pelo presidente do Metrô, Silvani Alves Pereira, na noite desta terça-feira, 05 de fevereiro, durante encontro com páginas que abordam o setor dos transportes, com a presença deste blog.

Em dezembro de 2018, foi revelado que a operadora estuda a locação financeira de 19 composições. Os trens, segundo o presidente do Metrô, seriam operados nas atuais linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha, sendo que 11 deles substituiriam as unidades da frota E, únicas que ainda não dispõem de ar-condicionado.

Reforma inviável

As composições que correm o risco de serem baixadas foram fabricado pela francesa Alstom entre os anos de 1998 e 1999 para servir a até então projetada extensão do ramal Leste-Oeste, entre Itaquera e Guaianases, projeto que por sua vez foi repassado para a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM, que mais tarde se tornou o Expresso Leste da Linha 11-Coral.

O Metrô reformou trens mais antigos, das frotas A, C e D, fabricados entre as décadas de 70 e 80. A repaginação atualizou sistemas, além de dar um upgrade em itens de conforto, como ar refrigerado. Os trabalhos foram iniciados em 2009, e concluídos no ano passado.

A decisão, no entanto, ocorreu em um período em que a compra de novo material rodante era mais custosa. Tempos depois à decisão de reformar os trens, o preço de aquisição de novos comboios se tornou mais em conta, com novos pedidos feitos por diversas operadoras, como a CPTM, SuperVia, CBTU, entre outras.

O cenário pode dar pistas do por que a companhia opta por não reformar as composições da frota E. Hoje o Metrô possui um total de 169 trens, ou seja, apenas 6,5% deles não estão equipados com ar-condicionado, um cenário bem diferente de duas décadas atrás quando todas as composições não possuíam refrigeração.

 

Total
6
Shares
Previous Post

Governo de SP ainda não tem uma posição clara sobre os projetos de expansão de metrô

Next Post

Sindicato dos Metroviários aponta Bombardier como culpada pelo acidente com o monotrilho

Related Posts