Destaques Linha 5

Durante inauguração de Moema, governo assina contrato para concessão da Linha 5

Concessionária Via Mobilidade assumirá a Linha Lilás no início de agosto quando outras quatro estações estarão entregues
Estação Moema: 12ª parada da Linha 5 (Fernando Galfo)

O governo Alckmin inaugurou nesta manhã (05) a estação Moema, 12ª parada da Linha 5-Lilás e localizada ao lado da Paróquia Nossa Senhora de Aparecida. Ela funcionará em operação assistida durante abril e no início de maio passar a cobrar tarifa e operar no horário integral como as demais.

Depois de Campo Belo, que começou mais tarde, a estação Moema era a mais atrasada, mas acabou passando à frente de AACD-Servidor e Hospital São Paulo que já estão prontas por um motivo não esclarecido pelo Metrô. Por isso a nova parada foi finalizada nos últimos dias e ainda exibia vários detalhes que deverão receber atenção do consórcio construtor, o mesmo de Eucaliptos.

Assim como ela, Moema segue uma concepção semelhante com pé direito alto no nível da plataforma e três pisos subterrâneos – além da cúpula em vidro e o prédio técnico externo. Mas, ao contrário de Eucaliptos, ela possui mais escadas rolantes talvez para dar vazão ao público quando a estação for ligada à Linha 20-Rosa, que terá uma estação ao lado no futuro.

A operação nesta quinta-feira começou da mesma forma que em Eucaliptos, com um trem operando de modo manual entre elas. De lá, o passageiro terá de desembarcar e pagar passagem. O blog não conseguiu descobrir como será feita a operação a partir da semana que vem: houve quem dissesse em estender os trens que chegam em plataformas alternadas de Eucaliptos, mas é provável que o Metrô e a Bombardier testem uma nova versão do controle de trens, o CBTC, utilizando um aparelho de mudança de via um pouco à frente de Moema. Seria a solução mais produtiva para que a linha funcione nessa configuração.

Agora, a Linha 5-Lilás passa a contar oficialmente com 12 estações e 16,2 km de extensão, o que faz com que a rede metroviária atinja 84,3 km e 75 estações.

Operação privada a partir de agosto

Por falar em Bombardier, o secretário Clodoaldo Pelissioni, ao ser questionado sobre a ausência de portas de plataforma na estação, disse que já multou a empresa canadense em R$ 50 milhões pelo atraso e que se até dezembro, quando contrato vencerá, elas não estiverem instaladas irá rescindi-lo. O blog conseguiu a informação de que apenas os equipamentos das estações Santa Cruz e Chácara Klabin chegaram ao Brasil e devem ser instalados nas duas estações até a abertura.

O governador Geraldo Alckmin, que deixará o cargo nesta sexta-feira, prometeu entregar as quatro estações restantes (sem contar Campo Belo) em “60 dias”, portanto, no início de junho. Será o momento decisivo em que a Linha 5-Lilás finalmente se ligará à outras linhas do Metrô.

Mas a empresa do estado deverá operá-la por pouco tempo: também durante a inauguração de Moema, Alckmin assinou o contrato de concessão das linhas 5 e 17 para a Via Mobilidade, vencedora do leilão. Durante a cerimônia, a empresa entregou um cheque fictício com o valor da outorga que será paga ao governo.

A Via Mobilidade terá agora 120 dias para assumir a linha. Nesse período, a concessionária acompanhará a operação do ramal e terá contato com seus detalhes. Enquanto isso deverá contratar e treinar a equipe responsável a partir de agosto, quando será repassada pelo Metrô.

Colaborou Fernando Galfo.

Veja também: Conheça Oscar Freire, a nova estação da Linha 4-Amarela

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

4 Comentários

Click here to post a comment
  • O acabamento interno da nova estação está parecendo tão pobre, fraco e inexistente quanto do trecho Alto da Boa Vista – Brooklin. Lamentável, anos e anos de atraso e bilhões de investimento para entregarem esse buraco de concreto.

    • Olha, José, concordo com você. O desenho geral das novas estações da Linha 5 é bacana, mas a ausência de um acabamento um pouco mais refinado estraga o resultado final. Ontem estive em Oscar Freire e as paredes de pastilhas e os elementos em aço escovado fazem diferença – e olha que não sou fã de pastilhas! Em Moema, a situação não é ruim como em Borba Gato, porém, a percepção é que falta algo. Quem sabe a concessionária resolve melhorar isso (duvido)..rs

  • O que falta para entregar as estações AACD e hospital, pois no último vídeo do metrô parecia estar em fase final?

    • Alessandro, as estações em si estão prontas, o que falta é a Bombardier, responsável pelo sistema de controle de trens, atualizar o software para que os trens operem com segurança no trecho. Segundo ouvi do presidente do Metrô hoje (na inauguração das estações do monotrilho), a ideia é abrir as quatro estações (AACD, Hospital SP, Santa Cruz e Chácara Klabin) ao mesmo tempo porque é mais eficiente do ponto de vista operacional. Ir até Hospital São Paulo, segundo ele, obrigaria os trens a manobrar antes de Klabin, obrigando a inserção de vários trens no trecho sem necessidade.

Posts mais compartilhados

Veja em AUTOO

AUTOO