Linha Universidade consegue captar R$ 1 bilhão para financiar obras da Linha 6-Laranja

Avatar
Concessionária controlada pela Acciona havia lançado debêntures no mercado no início do mês para pagar dívidas da MoveSP e bancar projeto até obter empréstimo do BNDES
Poço de onde partirão os tatuzões da Linha 6 (SP Sobre Trilhos)

A nova concessionária da Linha 6-Laranja, Linha Universidade S.A, conseguiu captar R$ 1 bilhão no mercado financeiro por meio da emissão de debêntures, títulos de dívida de curto prazo que servirão para que empresa financie o início das obras do ramal de 15 km.

A emissão dos papéis, revelada em primeira mão pelo site, ocorreu no dia 2 de outubro e foi concluída nesta semana, segundo informou o Valor Econômico. Ainda de acordo com a publicação, os títulos foram negociados com bancos em vez de pulverizados no mercado. O vencimento dessas debêntures é de um ano, quando a concessionária os comprará de volta. O motivo é que a Linha Universidade precisa concluir um financiamento de longo prazo com o BNDES com juros mais atraentes – os debêntures, por exemplo, têm remuneração do CDB+1,35%.

Quando fechar um acordo com o banco de fomento, a empresa resgatará esses debêntures. Como antecipou o site, a Linha Universidade usará esses recursos para quitar dívidas da Move São Paulo, a antiga concessionária, no mercado, que somam R$ 210 milhões.

Cinco anos de obras

O governo do estado oficializou a passagem da concessão da Linha 6-Laranja do Metrô para a nova concessionária no dia 6 de outubro. Por meio de um decreto estadual, a LinhaUni, como também é chamada, assumiu a posse dos terrenos desapropriados e que serão usados para a implantação do ramal subterrâneo. No dia anterior, a gestão Doria havia revogado o decreto de caducidade da PPP (Parceria Público-Privada), que venceria no mesmo dia 6.

Diagrama das estações da linha 6 Laranja
Diagrama das estações da linha 6 Laranja

A Linha Universidade ficará à frente da Linha 6 por 24 anos, ou seja, até 2044. A meta é que as obras sejam concluídas até 2025, restando 19 anos de operação, quando ela passará a recuperar o investimento, calculado em pelo menos R$ 6,5 bilhões. Mas cabe à empresa antecipar esse período e ampliar o tempo de operação. Se conseguir iniciar o serviço antes, o benefício é dela. Essa é a grande vantagem teórica da PPP, ao contrário de obras com contratos tradicionais em que as empreiteiras muitas vezes acabam recebendo mais em caso de atraso.

Com 15 estações, a Linha 6 ligará a Brasilândia à estação São Joaquim, com conexões com as linhas 1, 4, 7 e 8. A concessionária poderá ampliar o ramal até a região da Rodovia dos Bandeirantes se achar essa extensão viável. No entanto, o antigo trecho leste do ramal não faz parte do escopo. Ele foi substituído por outro projeto, o da Linha 16-Violeta.

Total
20
Shares
1 comment
  1. O trecho até a Bandeirantes é super viável. Hoje o trânsito das Avenidas Mutinga e Raimundo Pereira de Magalhães é terrível!

Comments are closed.

Previous Post

Tatuzão já construiu 700 metros de túnel da futura Linha Leste do Metrô de Fortaleza

Next Post

Desclassificada, Constran também questiona escolha da Coesa para obras civis da Linha 17-Ouro

Related Posts