Em linha com o desejo da nova gestão, o Metrô de São Paulo lançou nesta terça-feira, 7, uma nova licitação de concessão de áreas comerciais, desta vez nas 14 estações da Linha 2-Verde. A ideia da companhia é expandir o espaço ocupado por lojas e serviços em 40%, o que significa oferecer 1.400 m² de áreas comercializáveis.

O vencedor da concorrência poderá explorar esse espaço durante 30 anos, mas terá que realizar em contrapartida alguns investimentos como a implantação de banheiros públicos em nove das 14 estações. O Metrô, no entanto, não esclareceu onde serão instaladas os espaços – se haverá lojas na área paga ou em ambas, por exemplo.

Curiosamente, a nova concessão terá um tamanho semelhante ao que foi licitado apenas na estação Brás. Feito em conjunto com a CPTM, a concessão foi vencida pela empresa Socicam, que fez uma oferta de R$ 31,5 milhões além de pagar uma mensalidade mínima de R$ 478 mil às duas operadoras de trens e que será acrescida de participação na receita se ela ultrapassar um valor definido em contrato.

Os detalhes do edital da Linha 2 serão divulgados nesta quarta-feira, 8, no Diário Oficial, quando será possível entender se a licitação seguirá um padrão semelhante ao de Brás. Caso isso confirme, é possível vislumbrar uma boa receita acessória para o Metrô, afinal a Linha Verde possui um movimento bastante grande, que em alguns meses passa de 800 mil viagens por dia.

Nos últimso anos, o Metrô tem buscado ampliar as receitas não tarifárias que envolvem “a exploração comercial, publicitária e de ativos imobiliários, possibilitando o aumento dos investimentos em benefício dos passageiros”. A sessão de recebimento das propostas será realizada no dia 16 de junho.

Estação Brás da CPTM: Socicam pagará mais de R$ 30 milhões para explorar espaços comerciais