Destaques Linha 17 Metrô de São Paulo

Moradores pedem a governo que leve Linha 17-Ouro até Paraisópolis

Ramal de monotrilho está a duas estações de chegar à região, mas extensão dependeria da resolução de conflitos e de mais verbas
Trecho da Linha 17 na região do Morumbi está atualmente suspenso (Borelli & Merigo Arquitetura)

Após a morte de nove jovens que participavam de um baile funk na favela de Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo, após ação da Polícia Militar no dia 1º de dezembro, moradores da região fizeram uma lista de pedidos para a prefeitura e o governo do estado para melhorar as condições de vida dos moradores. Entre elas, houve a cobrança para a retomada das obras da Linha 17-Ouro, de monotrilho, que tem duas estações previstas nas proximidades.

Embora o governo do estado ainda não tenha se manifestado a respeito, trata-se de uma demanda extremamente importante e válida. Encravada em uma região de alto poder aquisitivo, a favela de Paraisópolis, com mais de 100 mil habitantes, carece de infraestrutura das mais variadas, mas uma delas é, sem dúvida, a mobilidade deficiente – problema, aliás, que afeta tanto ricos quanto pobres devido à ausência de transporte de massa e de vias mais adequadas.

Ao projetar a Linha 17, no entanto, o Metrô de São Paulo enxergou uma oportunidade de facilitar os deslocamentos dos habitantes de Paraisópolis, além de ligar a região Oeste à Sul de forma perimetral. No entanto, como se sabe, as obras de construção do ramal de monotrilho se arrastam há quase oito anos, com sucessivos problemas.

Hoje focadas no trecho central, as obras do monotrilho não possuem uma previsão de abertura clara, mas que deve se situar em torno de 2022, caso não surjam novos imprevistos. Somente após resolver esse dilema, o governo deverá pensar em avançar com o ramal, a princípio. É o que afirmou o secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, quando foi questionado sobre o assunto no início do ano: “Quero responder também, reiterando a transparência do Governo João Doria, a respeito da Linha 17-Ouro, o monotrilho que chegaria e passaria pela comunidade Paraisópolis. Nós não vamos mentir para ninguém. Qual é o nosso desejo? Acabar aquela obra que está iniciada e que hoje está paralisada. Nós queremos acabar a Linha 17-Ouro, que é uma obra do monotrilho que é motivo de vergonha para o setor público. Nós provavelmente não iniciaremos a obra de extensão, que vai atender, ou que iria atender a comunidade Paraisópolis”, afirmou.

A fase suspensa que um dia atravessará o Rio Pinheiros

Vários conflitos

De fato, com o que há ainda para fazer nesse projeto, é pouco viável pensar em novas extensões dentro do atual mandato do governador João Doria. As obras civis remanescentes deverão ser iniciadas em breve e se estender até o último ano da administração. Mas é a parte de sistemas que hoje é o fiel da balança da Linha 17. O Metrô está analisando os documentos do consórcio Signalling, responsável pela melhor proposta para fabricar 14 trens de monotrilho e fornecer todos os sistemas e equipamentos necessários para implantar o serviço.

Assim que der seu veredito (e caso seja positivo), a companhia deverá providenciar o contrato e, após todas as etapas burocráticas, emitir a ordem de serviço, o que pode ocorrer no primeiro semetre de 2020. O consórcio tem dito que será capaz de entregar o primeiro trem em apenas 12 meses, o que faz crer que os testes poderiam começar na virada de 2021 para 2022.

Ou seja, mesmo que a gestão Doria aceite o pedido dos moradores de Paraisópolis, será preciso contratar o serviço para a extensão bem como pensar num possível aditivo para os sistemas – para imaginar a hipótese mais rápida. Nada disso, no entanto, deve ocorrer num prazo curto.

Ainda que resolvesse essa situação, o Metrô também depende da solução de outros impasses. Anunciada no começo da década, a Linha 17 causou várias polêmicas e protestos de entidades e grupos contrários ao seu projeto. Entre eles está o fato de a linha passar por dentro do terreno do Cemitério do Morumbi. Por essa razão, para que o monotrilho chegue à Paraisópolis será preciso resolver como cruzar o local, que fica algumas centenas de metros antes da futura estação Paraisópolis.

Em tese, não chega a ser um trecho tão grande. São cerca de 1,7 km para incluir mais duas estações – além de Paraisópolis, há também Panamby logo após cruzar o rio – que inclui a ponte nas proximidades da Linha 9-Esmeralda, da CPTM.

No entanto, o impacto da chegada da linha à região deve ser significativo. Estrangulados por pontes sempre carregadas de trânsito e com viagens demoradas por ônibus, os moradores sofrem para chegar ao local de trabalho, estudo e mesmo lazer. Com um modal veloz e de qualidade, ganharão todos, mesmo aqueles que não utilizarão o ramal.

Pilares do monotrilho e ao fundo da região do Panamby, vizinha de Paraisópolis: tão perto, tão longe (GESP)

Com informações do site Ferroviando.

 

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

7 Comentários

Click here to post a comment
  • É o mínimo que o governo tem que fazer depois da ferida que foi aberta com o massacre perpetrado pela polícia. Mas pelo visto vai demorar ao menos dois anos, típico da morosidade tucana.

    Aproveitando a iminente inauguração do monotrilho linha 15 até São Mateus, seria interessante vocês fazerem, se já não o fizeram, uma comparação dos dois monotrilhos. Por que a linha 17 deu tão errada enquanto a linha 15 por mais contratempos que tenham ocorrido, terminará o ano com 10 estações funcionando plenamente? Vale lembrar que a extensão Vila Prudente-Sao Mateus tem basicamente a mesma extensão da linha 4 amarela enquanto não há nenhuma estação da linha 17 em funcionamento e ainda demorará na melhor das hipóteses mais dois anos para ter sua primeira fase entregue.

    Vale lembrar que já há outra estação da linha 15 em obras a todo vapor e possivelmente mais duas ou três estações poderão ser licitadas ano que vem.

    Esse paralelo seria interessante, mas já dá para prever que o problema não é o modal como alguns cantavam anos atrás, mas sim as especifidades político-geográficas de cada projeto, a meu ver, claro.

    Enfim, parabéns pela cobertura que vocês fizeram esse ano, o site de vocês é sensacional e junto com o Via Trólebus formam os melhores portais sobre mobilidade urbana do país.

    Um ótimo ano de 2020 a todos nós.

    Abraços.

  • Vão abrir mão das invasões pro metrô passar?
    Ou vão querer super valorização da área invadida pra dar passagem pro metrô?
    Um enorme favelão desses precisa de três linhas, uma só não dá

  • Estão certo de fazerem a cobrança, se prometeram tem que cumprir, uma pena o pessoal do ABC, São Bernardo sobretudo, não ter tido atitude semelhante quando o “gestor” enterrou o monotrilho em prol do corredorzinho de ônibus mequetrefe.

    • Tomara que essa história do BRT do ABC tenha ficado na geladeira para nunca mais sair de lá, pq quem sabe outro governador esqueça essa história e volte com o projeto do monotrilho que é o mais certo a se fazer.

      • Eu estava pensando justamente nisso. Caso o Doria alegue falta de recursos, como alegou ao cancelar a Linha 18 – Bronze de monotrilho, como justificativa para o atraso do início das obras do BRT ABC Paulista e quem sabe até a não realização de tal obra, é possível que um futuro governador retire do papel a linha de monotrilho tão importante para a região e para a malha metroferroviária paulista.

Airway