Surgem mais detalhes sobre a proposta de concessão conjunta das linhas 2 e 20 do Metrô

Avatar
Estudo do grupo Ascendal considera implantação do trecho entre São Judas e Santo André “impraticável sem recursos públicos”. Linha 2-Verde serviria de compensação financeira para investimentos
O mapa de estações do estudo de concessão das linhas 2 e 20 (Reprodução)

O site obteve mais detalhes a respeito da proposta de concessão conjunta das linhas 2-Verde e 20-Rosa do Metrô de São Paulo feita pelo grupo britânico Ascendal. Em documento, a empresa apresenta aspectos importantes do estudo, que envolve vultosos números caso seja de fato viabilizado no futuro. No entanto, os dados mostrados deixam claro que algumas etapas do projeto seriam praticamente inviáveis, como a construção do trecho São Judas-Santo André, considerado deficitária sem a injeção de recursos públicos.

A implantação da Linha 20-Rosa no ABC Paulista foi usada pela administração Doria como compensação pelo fim da Linha 18-Bronze, extinta em troca de um acordo com a empresa Metra, cujos proprietários dominam o transporte por ônibus na região. Segundo o Ascendal, a chamada “Fase 4” do projeto exigiria uma participação do governo de 70% nos custos de implantação já que ela seria “impraticável sem recursos públicos, não importa o quanto se estenda a concessão. Isto é explicado pela baixa demanda da Linha, estimada em 500 mil passageiros/dia”.

Por outro lado, a empresa considera a Linha 2-Verde superavitária sobretudo se a expansão na ponta leste (estações Penha e Tiquatira) for postergada no planejamento. O documento também pontua que as fases 2 e 3 (Faria Lima-São Judas e a extensão leste) também seriam deficitários, exigindo uma contrapartida financeira de 50% do governo do estado. Não fica claro, mas a Ascendal parece considerar a fase 1 apenas o trecho entre Santa Marina e a estação Faria Lima, mais a extensão oeste da Linha 2 (estação Cerro Corá) para conectá-la à Linha 20.

Uma novidade é a previsão de construção de um pátio de manutenção para a Linha 20 na região da Lapa em local não detalhado. O estudo também prevê outro pátio na extensão para o ABC, porém, não cita a construção do pátio Paulo Freire, que servirá a Linha 2.

De acordo com o estudo, o trecho 1 da Linha 20 terá 15 estações e 16 km, 13,5 km dos quais escavados por tuneladoras. Haverá ainda dois terminais de ônibus, na estação Helio Pelegrino (vizinha do corredor Santo Amaro) e São Judas (onde existirá a conexão com a Linha 1-Azul). O trecho 2, por sua vez, contempla 10 estações e 12 km, dos quais dez também com escavação realizada por ‘tatuzões’.

Para o Ascendal Group, trecho da Linha 20 do ABC é impraticável sem pesados investimentos do governo (Reprodução)

Investimento total de R$ 44 bilhões

O cronograma de abertura dessas fases apresentado no novo documento, no entanto, causa apreensão. Embora deva se tratar de um prazo máximo, a Ascendal diz que o trecho 1 da Linha 20 seria entregue até o 12º ano da concessão após investimentos de R$ 16,2 bilhões. Já o trecho 2, chamado por ela de “opcional”, levaria até 17 anos para ficar pronto – o grupo ainda considera fundamental que o chamamento público do governo permita que a extensão possa ter seu trajeto alterado pelos interessados.

Numa hipótese em que um contrato seja assinado nesses parâmetros dentro de dois ou três anos, isso significaria que a Linha 20-Rosa poderia ser inaugurada apenas em 2035 e a extensão, em 2040. Em outro trecho do documento, entretanto, a Ascendal cita a primeira fase da Linha 20 passando a contribuir com a receita da concessão já no 6º ano de vigência, o que parece mais factível. Já a extensão até o ABC é incluída no 13º ano da concessão apenas.

A grosso modo, a proposta do grupo Ascendal prevê que a hipotética concessionária teria a operação (lucrativa) da Linha 2-Verde como compensação para os vultosos investimentos para tirar a Linha 20-Rosa do papel, excluindo-se aí as desapropriações de todos os trechos previstos, que ficariam por conta do poder público. Segundo os estudos, a Linha 2 geraria uma receita bruta anual de R$ 931 milhões com lucro líquido de até R$ 300 milhões com a atual infraestrutura, de 14 estações. Com a entrega da expansão bancada pelo governo, esses números seriam ampliados para cerca de R$ 400 milhões.

Estação da Linha 2-Verde> ramal é apontado como uma espécie de compensação pelo investimento na Linha 20 (CMSP)

Em contrapartida, seria necessário um investimento total de mais de R$ 33 bilhões durante 17 anos para implantar todo o projeto, sendo que R$ 14,4 bilhões (33%) ficariam a cargo do governo, além de custos financeiros da ordem de R$ 10,3 bilhões, o que elevaria o investimento total para quase R$ 44 bilhões em valores atuais. A Ascendal fez o cálculo baseado numa tarifa base de R$ 2,90 e utilizando demonstrações financeiras da ViaQuatro, concessionária que opera a Linha 4-Amarela, a primeira gerida pela iniciativa privada em São Paulo.

Com cerca de 54 km de extensão somada, as linhas 2-Verde e 20-Rosa têm potencial para transportar cerca de 3 milhões de passageiros por dia, praticamente o mesmo que a soma das linhas 1 e 3. Mas com um diferencial: tratam-se de dois ramais de trajetos perimetrais e que por isso contribuiriam significativamente para melhorar a dinâmica de transporte sobre trilhos em São Paulo. Vale relembrar que essa manifestação de interesse pode ser completamente ignorada pelo governo, que deve analisar outros projetos nos próximos anos antes de definir o caminho a ser adotado para viabilizar esses projetos.

Total
42
Shares
19 comments
  1. Ricardo, qual sua opinião a respeito dessa proposta?
    Pra mim, é preocupante a ASCENDAL desprezar o carregamento de 500 mil pessoas/dia no eixo São Judas-ABC.
    De fato, os valores para construir a linha são altíssimos.
    Se levarmos em consideração uma tarifa de R$ 2,90 e o transporte de 3 milhões de pessoas/dia, a uma concessão pelo período de 30 anos, estaríamos falando de uma receita bruta na casa de R$ 93,8 bilhões de reais.
    Isso seria mais do que suficiente para a operadora destravar o projeto e ter lucro no investimento?

    1. Desculpa pelo comentário porque não entendo muito sobre transportes
      Mas para mim o transporte da grande são está ótimo trem metrô e ônibus.
      Precisa ter mais preocupações com todos municípios vizinhos pois as conduções são bem mais cara e a espera pelo ônibus intermunicipal chega durar uma hora dependendo do local

      1. É justamente nesse ponto que ele toca, a ligação entre SP e ABC.
        E ainda não é o ideal, é necessário desafogar as linhas principais, tendo em mente que novas ligações serão feitas.

        1. Essas grandes concessionárias, querem moleza como sempre o governo constrói tudo com o nosso dinheiro (dinheiro público) depois entregar de mão beijada pra eles administrar sem gastar nem centavos com a construção, o certo é eles construir do zero (investir) e não pega pronto e ficar na promessa de investir X por um período.

  2. Se realmente é deficitário deste jeito então é melhor dizer a Ascendal que vamos extender a linha verde até Santa Marina e engavetar a linha Rosa. Se a Ascendal estiver dizendo a verdade então é melhor que eles nem entrem, mas se estiverem manipulando os números vão ter que enfiar o rabo entre as pernas e oferecer uma condição mais vantajosa ou vai aparecer outra empresa que tope fazer o empreendimento.
    Quanto a proposta do BRT do ABC ao terminal Sacomã, alguém sabe se existe algum planejamento de conectar ele ao Expresso Tirandentes?

  3. Já vi sugestões em comentários aqui que, ao invés de prolongarem a linha 2 até Cerro Corá, talvez fosse melhor a linha 20 ir da Purpurina pra Vila Madalena, conectando com a linha 2 lá, e depois seguir pra Cerro Corá. Até que eu achei essa ideia melhor também, acho que aceleraria as obras sem deixar nenhum dos locais previstos sem estação.

    1. Realmente, parece ser mais interessante levar a L2 até a Lapa e fazer a L20 ir de Purpurina (nesta estação poderíamos ter o terminal da L16) à Palmeiras-Barra Funda

      1. Não, na verdade minha ideia seria a L20 ir até Santa Marina e a L2 terminar na Vila Madalena, conectando com a L20 nessa estação. Mas, claro, tendo uma ligação direta entre Vila Madalena e Barra Funda, além de uma linha até a Lapa, seria melhor ainda.

    2. Seria interessante, mas imagino que o problema disso é que desse jeito o Pátio Lapa serviria a linha Verde ao invés de servir a linha Rosa.

  4. Aquele estudo dos monotrilho da JICA já diziam que o trecho não foi feito pra metro pesado, mas o governo e os próprios especialistas negligenciam isso né.

    1. Quanto aos trajetos, eu não me preocupo tanto. Mas os prazos, sim. 2035! Isto se não tiver nenhuma intercorrência. O modelo de concessões e construções de linhas férreas precisam mudar. A precariedade na mobilidade atual, não pode imperar por muito tempo. Isto prejudica demais a cidade.

  5. Talvez seja interessante levar a L2 até a estação Ceasa da Linha 9 da CPTM, caso o governo do estado realmente transforme o CEAGESP em um centro tecnológico

  6. Essa raça que domina o Estado desde 94, fez um cheque político para se perpetuar no poder. Virou moeda de troca. Falo do partido que domina São Paulo no Palácio dos Bandeirantes, mas como os políticos não pensam no povo, qualquer um que estivesse lá, faria a mesma coisa. Em pensar que Londres é cortada pelo Metrô. Uma vergonha, Brasil!

  7. Estão subestimando o fluxo de usuários do ABC que se serviriam da linha rosa, aliviando a linha coral e verde, sem contar os motoristas que sobrecarregam a Anchieta e avenida dos bandeirantes. O governo de SP deve assumir para a linha rosa o mesmo grau de importância da linha celeste. A empresa inglesa está apenas querendo levar o filé que é a linha verde, com um mínimo de investimento.

  8. Só para a iniciativa privada (que receberia por passageiro, independente de onde viesse) que a Linha 2 poderia gerar todo esse lucro. Afinal, boa parte (se não for a maior) dos passageiros que acessará esta linha será por transferência de outras linhas.

    Levar a Linha 2 até Lapa poderia aumentar a sua pendularidade de leste para oeste de manhã, e no sentido inverso no fim da tarde e início da noite. Portanto, inviável.

    O fato de ela ser perimetral não significa que não será mais carregada que as linhas radiais. Até porque será sim.

    A iniciativa privada acha que tudo são flores? Linha 2 lucrativa? 1,5 milhão de passageiros por dia?! Interessante! Mas eles sabem minimamente como seria operar uma linha saturada e superlotada? Sem uma rede densa, é exatamente isso que a Linha 2 será por muito tempo!

    Dessa forma, a expansão da Linha 2 será boa para a rede, mas menos para ela mesma. Analogamente, será como pagar as contas dos vizinhos, mas ficar sem água e luz por não poder mais pagar as próprias contas.

  9. No mapa está escrito na última estação da linha verde Ticoatira quando na verdade é TiQUAtira
    Mas minha opinião o primeiro estudo que tem que ser feito é o de ortografia.

  10. O importante é que, A linha 20 Rosa trará um investimento imobiliário altíssimo e o centro espandido se transformará em núcleos de socialização empresarial.

  11. Grupo Ascendal apresenta “proposta surpreendente” de concessão das linhas 2 e 20 do Metrô de 18 /12/ 2020
    Naquela postagem ambas extensões das linhas foram mutiladas se consideradas como NÃO prioritárias, apenas um investimento potencial que incluiria nove estações. Também não há quaisquer menção à extensão da Linha 2 após Tiquatira e sua exclusão até Dutra (Guarulhos), embora esse trecho esteja contratado pelo Metrô, mas sem previsão.”
    Neste texto também ficou explicito que além da supressão da Linha 2-Verde até Guarulhos, também a Linha 20-Rosa até Santo André finalizara em São Judas, e ficara nas promessas por conta daquele cambalacho feito para excluir a Linha 18-Bronze, caso se realizadas infelizmente as Linhas 2-Verde e 20-Rosa a se juntaram as inúmeras promessas vazias das dezenas de obras incompletas e as chegadas do Metrô com a Linha 2-Verde e Linha 13-CPTM para Guarulhos, assim como a linha 20-Rosa para Santo André / São Bernardo estará inviável nesta década.
    Guarulhos é o segundo mais populoso município do Brasil, com mais de um milhão de habitantes é outro caso em que ao invés de expandir a linha 13-Jade que hoje está ociosa com a construção e expansão de quatro novas estações para Bonsucesso onde se construiria um pátio e para aguardar a chegada da Linha 2-Verde por volta de 2028, desta forma a alegação de saturação não existirá, pois a Linha 13-Jade já estará lá, e o município finalmente teria uma linha da CPTM e uma do Metrô ainda nesta década, mas não, se preferiu anunciar uma nova Linha do Metrô 19-Celeste pra depois de 2034 para só após concluir a 2-Verde.

Comments are closed.

Previous Post

Metrô de São Paulo volta a ter um trem da Linha 2-Verde vandalizado

Next Post

Guinchos que içarão novas escadas rolantes chegam à estação Pinheiros

Related Posts