A Prefeitura de São Paulo e o Governo do Estado decidiram revogar uma lei municipal de 2013 e um decreto estadual de 2014 que estabeleceram a gratuidade no transporte público para idosos de 60 a 65 anos de idade. Com isso, a partir de 1º de janeiro de 2021, idosos nessas faixas etárias passam a pagar tarifa comum de R$ 4,40 (caso não seja reajustada no ínicio do ano) nos ônibus da SPTrans e EMTU e nas linhas do Metrô e CPTM.

Apenas os idosos acima de 65 anos continuarão embarcando em trens e ônibus sem pagar tarifa. Uma nota conjunta foi publicada onde afirmam a reversão da gratuidade.

“Para acompanhar o Estatuto do Idoso, será mantida a gratuidade nas passagens dos ônibus municipais e intermunicipais (EMTU), Metrô e CPTM para as pessoas acima de 65 anos de idade. A mudança na gratuidade acompanha a revisão gradual das políticas voltadas a esta população, a exemplo da ampliação da aposentadoria compulsória no serviço público, que passou de 70 para 75 anos, a instituição no Estatuto do Idoso de uma categoria especial de idosos, acima de 80 anos, e a recente Reforma Previdenciária, que além de ampliar o tempo de contribuição fixou idade mínima de 65 anos para aposentadoria para homens e 62 anos para mulheres”, afirma a nota.

Durante a campanha eleitoral pela Prefeitura de São Paulo, o prefeito Bruno Covas, reeleito, não chegou a falar do tema, até onde se sabe. A pandemia do coronavírus tem derrubado a arrecadação tarifária no Metrô, CPTM e ônibus gerenciados pela SPTrans, por isso a medida não chega a surpreender já que deve reforçar o caixa de ambas as gestões.