Com o fim da Linha 18-Bronze, cancelada pelo governo Dória em julho, o Metrô estuda levar a Linha 20-Rosa até a estação Prefeito Saladino, da CPTM. A informação apareceu no relatório mensal de empreendimentos da companhia em novembro e foi notada pelo site ViaTrolebus. Sem trazer mais detalhes, a apresentação apenas cita que o ramal irá da Lapa até a estação da Linha 10-Turquesa.

Até então, a previsão era de que a Linha 20 começasse na divisa entre São Bernardo e Santo André, possivelmente na futura estação Afonsina, uma das paradas planejadas para o ramal de monotrilho. Sem a Linha 18, no entanto, o Metrô optou por avaliar uma extensão de cerca de 3 km para levá-la até o ramal da CPTM, já bem próximo do centro de Santo André. Com isso, o acesso à Zona Sul da capital será facilitado também por passageiros que utilizam a Linha 10 e que na configuração anterior precisariam fazer uma baldeação extra para chegar até a nova linha de metrô.

Curioso notar que o corredor BRT, escolhido para substituir o monotrilho, não parece ser suficiente para dar conta da futura demanda de passageiros que buscariam chegar à conexão com a Linha 20 na região de Rudge Ramos. A capacidade de atrair usuários da Linha 20 é certamente imensa afinal a viagem do ABC até regiões como Moema, Itaim e Pinheiros, além de conexões com outros ramais, é enorme.

O novo trecho comportaria de uma a duas estações intermediárias ao cortar o bairro do Campestre, próximo à divisa com São Caetano do Sul, mas essa definições só virão com a conclusão do projeto funcional, previsto para ser contratado em 2020.

Por falar nele, uma emenda ao orçamento 2020 do governo do estado proposto pela deputada estadual Carla Morando destinou R$ 5,4 milhões para elaboração do projeto funcional da Linha 20-Rosa – contra R$ 20 milhões antes estimados. Com isso, a secretaria dos Transportes Metropolitanos poderá remanejar os valores necessários para lançar a licitação que aprofundará os estudos para a implantação do ramal de metrô subterrâneo nos próximos anos, de acordo com os planos da atual gestão.

Mais 3 km ao projeto da Linha 20

Cerca de 28 km de extensão

Se não houver grandes alterações no traçado, a Linha 20-Rosa deverá ter cerca de 28 km de extensão total, uma das maiores de São Paulo. E também custará muito caro não só por ser longa, mas passar em regiões de alto poder aquisitivo como o eixo da avenida Faria Lima. Nos planos originais, o projeto seria feito em duas etapas, a primeira dentro capital, entre Lapa e Moema, e a segunda chegando à região de Rudge Ramos. Agora, Doria tem dado a entender que o trecho dentro do ABC Paulista será priorizado.

Caso isso ocorra, o custo inicial deverá ser menor, mas também os benefícios para a rede, dependendo de onde a Linha 20 chegará. Se terminar na estação Moema, da Linha 5, o novo ramal terá apenas mais uma conexão, com a Linha 1, em São Judas. A grosso modo, seria uma forma mais eficiente de ir até o extremo Sul da capital e também uma alternativa para chegar ao centro, mas continuaria sendo tortuoso chegar a pólos geradores de emprego como Vila Olímpia, Itaim e Pinheiros.

A escolha da estação Prefeito Saladino, por sua vez, evitará uma saturação da parada principal da Linha 10 em Santo André, a estação Prefeito Celso Daniel, no centro do município, e que já conta com um enorme terminal de ônibus do Corredor ABD.

Vale ressaltar que a Linha 20 ainda está num horizonte muito distante, cuja chance de vê-la aberta na próxima década é remota.