Move São Paulo recebe proposta de empresa pela Linha 6-Laranja

Consórcio terá 60 dias para discutir negócio enquanto governo aguarda mais uma vez uma solução
Fábrica dos anéis dos túneis da Linha 6-Laranja, em Perus
Fábrica dos anéis dos túneis da Linha 6-Laranja, em Perus
Fábrica dos anéis dos túneis da Linha 6-Laranja, em Perus
Fábrica dos anéis dos túneis da Linha 6-Laranja, em Perus: obras paradas há quase um ano

O imbróglio da Linha 6-Laranja ganhou mais um capítulo nesta semana. Às vésperas do último prazo do governo do estado para que a Move São Paulo, concessionária responsável pela linha, retome a obra, a empresa comunicou existir uma proposta de uma empresa estrangeira interessada no negócio.

O grupo, mantido em sigilo, pode ser o espanhol Cintra-Ferrovial ou uma empresa chinesa de origem desconhecida. Ela terá dois meses para aprofundar as negociações para compra da participação da Move São Paulo na PPP (Parceria Público-Privada). Com isso, a linha segue parada, embora algum movimento tenha sido visto em alguns canteiros.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, que revelou a proposta, a expectativa é que, se concretizada, a venda possa permitir a retomada dos trabalhos ainda neste semestre.

Esperança de celeridade frustrada

A Linha 6-Laranja foi a primeira PPP integral no setor ferroviário no Brasil. A ideia do governo Alckmin era acelerar a execução das obras e a operação nas mãos de um grupo privado – ao estado restou cuidar das desapropriações.

Mas, na prática, a obra não andou nem de perto no ritmo esperado – a primeira previsão era que ela começasse a funcionar em 2018. Problemas jurídicos em relação às desapropriações fizeram com que o processo demorasse muito mais do que o imaginado.

Do lado da concessionária, tudo ia bem à medida que os canteiros eram liberados, mas o surgimento da operação Lava Jato acabou afetando nada menos que três dos sócios da Move SP, Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC. Sem crédito na praça, o esperado financiamento com juros baixos do BNDES não veio e em setembro do ano passado o consórcio decidiu parar as obras.

Caso não consiga passar o projeto para outro grupo, é provável que a Move SP perca a concessão e reste ao governo do estado relicitar a obra.

Mais linhas paradas

O caso da Linha 6 não é único. Outras três linhas estão em compasso de espera no momento. O monotrilho do ABC, outra PPP plena, aguarda que o governo resolva o impasse a respeito dos custos de desapropriação há vários anos. Já a extensão da Linha 2 até Guarulhos foi suspensa por falta de recursos – o pouco que havia sido obtido com o BNDES foi repassado para a Linha 5. Já a Linha 9 da CPTM teve parte dos trabalhos licitados, mas ainda aguarda novo certame para finalizar as duas estações na região do Grajaú, na Zona Sul.

Total
29
Shares
Previous Post
Monotrilho da Linha 18: linha do ABC é que mais tem chance de romper os limites da capital

VEM ABC descarta BRT no lugar do monotrilho da Linha 18

Next Post
Reprodução

Primeiras estações da expansão da Linha 5-Lilás abrem no dia 30 de agosto

Related Posts