CPTM Destaques Linha 13

Novo trem da Linha 13 atrasa novamente e agora deve entrar em operação em fevereiro

Testes com a Série 2500 da CPTM se prolongam a pedido do fabricante, informou o secretário Alexandre Baldy em entrevista
Trem da Série 2500: estreia tem novo atraso (GESP)

Quando recebeu o primeiro trem da Série 2500 em setembro, o governo do estado e a CPTM estimaram que ele entraria em operação na Linha 13-Jade em dezembro. O período de testes, no entanto, parecia curto demais para checar todos os requisitos necessários para que a composição, fabricada pelo consórcio Temoinsa-Sifang na China. E de fato era. No mês passado, este site antecipou que a estreia em serviço havia ficado para janeiro, mas o projeto foi postergado mais uma vez, segundo revelou o secretário Alexandre Baldy em entrevista dias atrás.

A previsão agora é que o novo trem passe a operar na Linha 13 dentro de um mês. “Era para ter sido colocado em operação em dezembro, mas por decisão exclusiva da empresa (a CRRC-Sifang), por segurança dos passageiros, foi de que nós pudéssemos postergar o início da operação dos trens da empresa chinesa da Série 2500 para a Linha 13-Jade. Acreditamos que em no máximo 30 dias este trem esteja em operação“, afirmou Baldy.

Segundo apurou o site, a CPTM deverá contar com o primeiro dos oito trens da Série 2500 até o início de fevereiro, assim que forem corrigidas algumas pendências detectadas, entre elas uma dificuldade de sincronização no sistema de mensagens aos passageiros além de ajustes na performance da composição para permitir que ela opere dentro do perfil requisitado pela companhia.

Por outro lado, as demais composições da encomenda já estariam em território brasileiro e sendo preparadas para receber as modificações testadas no trem número 1 e que será a composição que estreará na linha. Os dois últimos trens teriam desembarcado no dia 6 de janeiro em Santos.

O mapa digital, novidade na CPTM

Lentidão

O início de operação dos trens da Série 2500 será uma boa notícia para a Linha 13, mas não a solução para os vários problemas do ramal. A razão é que há pendências técnicas em várias áreas que impedem que a CPTM possa oferecer um serviço mais atraente aos seus usuários. Entre eles está o sistema de sinalização fornecido pela alemã Siemens e que não estaria ainda concluído, por isso os intervalos altos, de 20 minutos, e que impedem que o número de passageiros transportados cresça de forma mais significativa.

Outro gargalo diz respeito à incapacidade de inserir mais trens no trecho da Linha 12-Safira que vai da estação Engenheiro Goulart e Brás. A CPTM pretende modernizar essas vias para que sejam capazes de comportar um intervalo de trens de até 3 minutos, mas a licitação lançada para contratar a empresa para o serviço ainda não teria sido assinada. O certame teve a MPE Engenharia e Serviços S.A como vencedora em 14 de novembro do ano passado, porém, não conseguimos encontrar o contrato publicado. Há rumores, no entanto, que apontam um possível recurso de uma das participantes derrotadas, o que deve atrasar a implantação por mais algum tempo.

Até que essas melhorias sejam implementadas, a Linha 13 está fadada a ser um serviço inexpressivo dentro da rede da CPTM. Mas a boa nova é que o governo do estado tem dito que pretende seguir com a sua expansão, a solução definitiva para que o ramal tenha uma importância maior. Num primeiro momento, isso significa levá-la mais à leste, no sentido de Bonsucesso a fim de atender mais áreas carentes, mas sobretudo para permitir que seja construído um pátio de manutenção e estacionamento para as composições.

Quando essa etapa for concluída, será então o momento de decidir em que direção a Linha 13 seguirá no sentido da capital paulista. Os projetos mais antigos apontam para um trajeto que possa terminar na Mooca ou até mesmo numa eventual interligação com a Linha 5-Lilás na estação Chácara Klabin. No entanto, é um tanto cedo pra vislumbrar onde de fato haverá demanda e linhas mais indicadas para conectá-la.

As novidades do novo trem da CPTM: bagageiros para malas volumosas (esquerda), mapa de estações digital e os botões de abertura de portas (círculo amarelo) | CRRC

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

8 Comentários

Click here to post a comment
  • está atrasada a entrega porque é um trem problematico. cada nova frota que chega na CPTM, ao invés de evoluir, regride …

        • O trem está em testes programados. Os testes são necessários para garantir que o trem funcione conforme o planejado. Não existe previsão de conclusão para os testes, poi s como o nome diz são “testes” cuja possibilidade de darem certo ou errado é de 50/50.

          Até o momento a empresa chinesa tem entregue os trens em prazos razoáveis e com menos problemas, diferente de Caf e Rotem que atrasaram a entrega de trens quase 40 meses além do prazo contratual, que possuem defeitos que até hoje não sanados. Caf e Rotem fora multadas e mais de R$ 12 milhões por descumprimento contratual.

    • As demais frotas tb foram problematicas.

      CAF, ROTEM, Alstom….todos tiveram vários problemas e precisaram ficar mais tempo em testes.

      E tb ATRASARAM!

  • Expandir a Linha 13 para o “dentro” de Guarulhos não acho uma boa para o sistema nesse primeiro momento. Com certeza os trens vão chegar cheios de São João ou de Bonsucesso. O usuário terá que descer em Engenheiro Goulart e fazer integração pra Linha 12 que nesse ponto já está lotada vindo da ZL.

    Primeiro, julgo necessário expandir a linha rumo ao Brás, em definitivo, e de modo segregado da Linha 12, só depois disso expandir para os bairros de Guarulhos.

    • Mas a ideia da CPTM é essa mesmo. Levar os trens da linha 13 para o Brás em todos os horários justamente por causa dessa nova demanda.

      E assim, enquanto termina no Brás, a linha pode ser estendida para a região do Ipiranga sem sobrecarregar a linha 12.

Airway