Trem da Linha 8-Diamante atinge plataforma na estação Júlio Prestes

Composição operada pela ViaMobilidade ultrapassou ponto de parada e derrubou parte do concreto da plataforma. Segundo informações preliminares, duas pessoas se feriram sem gravidade
Trem da ViaMobilidade derrubou barreira de concreto no final da plataforma de Júlio Prestes (Reprodução/Youtube)

Um incidente bastante preocupante ocorreu no início desta manhã na estação Júlio Prestes, no centro de São Paulo. Um trem da Linha 8-Diamante ultrapassou os limites da via e atingiu parte da plataforma da antiga estação, destruindo parte da estrutura de concreto.

Imagem compartilhadas em redes sociais mostram o que um trem da Série 7000 já sem as marcas da CPTM na altura da rampa de saída da plataforma. O primeiro vagão da composição aparece apoiado nos escombros, fora dos trilhos.

Segundo nota da concessionária, “Por volta das 6h desta quinta-feira (10), um trem que circulava pela Linha 8-Diamante na estação Júlio Prestes colidiu no limite de parada da estação. Os passageiros foram desembarcados em segurança e embarcaram em outros trens“.

A estação Júlio Prestes é terminal da Linha 8 e por isso sua plataforma possui uma barreira de concreto para segurar um trem em caso de movimento em baixa velocidade. Como mostra a imagem exclusiva do site, havia um jardim no local, que foi destruído no choque.

Barreira de concreto na plataforma da estação Júlio Prestes (Jean Carlos)

Na situação de hoje, no entanto, a violência do impacto sugere que a composição ainda mantinha uma velocidade mais significativa para provocar um estrago substantivo.

A ViaMobilidade assumiu as linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da CPTM no final de janeiro em uma concessão de 30 anos. A empresa tem entre suas atribuições a reforma e modernização de toda a infraestrutura herdada da companhia de trens metropolitanos.

No entanto, nas primeiras semanas à frente dos dois ramais muitos problemas têm acontecido, causando indignação e reclamações dos passageiros. Tem sido frequente relatos de situações perigosas durante a operação, como abertura de portas do lado oposto da plataforma, velocidades praticadas acima do recomendado e falhas de alimentação de energia, por exemplo.

Morte de funcionário durante a madrugada

A quinta-feira apresentou outro problema grave para a ViaMobilidade. Durante a madrugada, um funcionário da empresa morreu em uma atividade de manutenção na região da estação Pinheiros, da Linha 9-Esmeralda.

As causas não foram reveladas, mas aparentemente ele estava numa sala técnica e teria sido eletrocutado. “A ViaMobilidade lamenta informar o falecimento de um de seus colaboradores nesta quinta-feira, 10. O acidente ocorreu durante atividade de manutenção de rotina em uma sala técnica na região da Estação Pinheiros da Linha 9-Esmeralda, por volta de 2h50. A concessionária está apurando os detalhes do ocorrido e prestando todo o apoio à família do colaborador“, disse a concessionária.

O ramal teve mais uma falha de energia na quarta-feira durante boa parte do dia. Um trem acabou parando e seus passageiros tiveram que caminhar até a próxima estação.

Total
25
Shares
21 comments
  1. A CCR está de parabéns! Todo dia um problema novo.
    Se não fossem amigos do rei, devolveriam a concessão em tempo recorde.

    1. Tem que ir pra iniciativa privada pra funcionar direito! Opa, não, pera…. (ancaps desesperados me atacando em 3, 2, 1…)

  2. Nenhuma nota sobre o ferroviário que morreu hoje de madrugada durante a manutenção de serviços elétricos?

    Essa criançada acha que ferrovia de verdade é ferrorama. Uma área de extrema responsabilidade, perigosa, estressante, e muito mal remunerada pela CCR. Logo logo morre maquinista por atuar em circuitos elétricos sem reconhecimento da empresa, não pagam PLR, nem a periculosidade elétrica querem pagar para os funcionários, logo desmotiva todo o quadro e o resultado está aí, falhas, desgosto, insatisfação, que resulta em prejuízos ao passageiro e estado. Lamentável tudo isso que vem acontecendo!

    Deveriam estatizar todas as linhas novamente, os funcionários teriam melhores condições de trabalho, salários dignos e escala que não ultrapassassem 46h semanais. Cadê o Sindicato da Sorocabana; cadê o TRT?

    1. Quando isso acontecia na CPTM, seus funcionários também eram “criançada”?

      E estou aguardando sua denuncia oficial ao TRT sobre as condições de trabalho dos funcionários, dado que você faz acusações graves e que precisam chegar ao poder judiciário.

    2. mimimi no mundo inteiro você só recebe pelos dias trabalhados. Não trabalha? não recebe, simples assim.

      Esquerdista quer um monte de direitos que oneram os custos das empresas e depois não sabem pq não tem empregos….

      CPTMERDA teve 26 anos para resolver e não resolveu!

  3. Trem não é metrô, ele não para sozinho. As notícias de “quase acidente” são frequentes, que felizmente teriam sido tragédias terríveis. Evidentemente ninguém vai saber que um maquinista já andou sentindo contrário no horário de pico na estação Jandira, que outro maquinista entrou em um trecho onde a manutenção estava fazendo reparos e havia desligado a energia, sendo que essa ação do maquinista religou a rede. E outras bizarrices como abrir a porta do lado errado da plataforma. Uma hora vai acontecer coisa pior. Aguardem!!!!

    1. claro, claro, como se isso nunca tivesse acontecido na CPTM em seus mais de 20 anos de operação…

      O choro de esquerdista é sinal que tirar a mamata foi a decisão certa. Os problemas que a CPTM deixou e nunca resolveu (pq se tivesse resolvido, não ficaria dando problema de queda de energia, falha disso, falha daquilo, vai ver como é a operação dos trens metropolitanos do Japão para APRENDER o que é sistema robusto e bem administrado de VERDADE)

      1. Mas qualquer coisinha que acontecia com a CPTM vcs viviam dando chilique. Agora com a CCR vive dando m todo dia e vcs só passam pano… me dá a impressão que vcs não se preocupam com boa prestação de serviços, só em colocá-los nas mãos de empresas com ações na bolsa de valores. Interesses escusos?

      2. realmente tem que acabar com a “”””mamata”””””

        a mamata de nao pagar periculosidade, de pagar baixos salarios, de dar pouco ou nenhum treinamento, de nao dar uniforme e EPI correto (há fotos de funcionarios da CCR que trabalham em subestaçoes com camisetinha branca e colete, quando deveriam estar com uniforme anti-chamas)

        um maqunista da CPTM que recebe entre 2 e 3 salarios minimos é um puta de um mamador. onera muito o estado.

        quem nao onera o estado sao os 5,28 por passageiro q a via 4 recebe, a garantia de lucro mesmo com demanda reprimida, os mais de 3 bilhoes de subsidios q a prefeitura de SP paga para as empresas de onibus , e que ainda rodam abaixo da capacidade para nao pagar mais.

        é pelo fim da “”””mamata””””, pela reduçao de custo a “qualquer custo”, que tivemos esse acidente, a triste morte de um trabalhador haitiano, as inumeras ocorrencias que aumentaram drasticamente desde 27/12/22, o aumento dos intevalos dos trens, paralisaçao de linha por horas, e demais ocorrencias graves.

        é por pensamento como esse, que tudo isso ocorre. o triste é pensar q isso vem de pessoas do povo, q nao se reconhece como tal.

      3. Tudo vai contra sua opinião é ser esquerdista? Não sabia que criticar um serviço horrível da CCR, até o momento, é posicionamento político.

  4. Concordo que a CCR está fazendo uma péssima administração e que se não fossem amigos da tucanada já teria sido revista essa concessão, mas vir gente falando aqui que pra funcionar tem que estatizar de novo estão de brincadeira né???? era só o que faltava

        1. Nunca pegou a linha pra dizer que era lixo antes, depois da ccr assumir a linha mudou completamente, eu pego ela todos os dias desde 2014 e afirmo com propriedade q piorou e mto, intervalo super irregular, erros na operação, esse acidente é mto claro pra mim q desde ccr assumiu notei q os trens andavam mais rapidamente e freiavam de forma mais brusca doq com a cptm, e numa linha não automatizada q esse trabalho é uma pessoa q faz gera erros fatais como esse na Júlio Prestes, e vão continuar acontecendo, a supervia chegou em sp vamos comemorar (contém ironia)

  5. Concordo que a CCR está fazendo uma péssima administração e que se não fossem amigos da tucanada já teria sido revista essa concessão, mas vir gente falando aqui que pra funcionar tem que estatizar de novo estão de brincadeira né???? era só o que faltava

  6. Mal as linhas 8 e 9 da CPTM foram passadas para concessão e já acontecem estes problemas.

  7. O que preocupa não é o setor privado operar linhas de trem/metrô e sim é ter grande parte da infraestrutura de transporte do Brasil nas mãos da CCR, criando um grande monopólio sem de fato existir a livre concorrência no setor.

Comments are closed.

Previous Post

Alstom brasileira fabricará 37 trens para a Linha 7 do Metrô de Santiago do Chile

Next Post

Estação Vila Formosa da Linha 2-Verde recebeu quase ‘duas piscinas de concreto’ em menos de 30 horas

Related Posts