Destaques Linha 9

Governo federal libera recursos para a Linha 9-Esmeralda

Mas obras civis seguem sem previsão de serem retomadas – governo do estado não divulga data de conclusão

Linha 9-Esmeralda (GESP)

Depois de um longo período sem receber um tostão do governo federal em suas obras metroferroviárias, o governo do estado assinou um contrato com o Ministério das Cidades nesta quinta-feira (19) que envolve o repasse de R$ 500 milhões de um total de R$ 790 milhões previstos na obra da extensão da Linha 9-Esmeralda da CPTM.

Com o acordo, a linha terá recursos do PAC Mobilidade que haviam sido previstas no início da obra, porém, acabaram emperrando por questões burocráticas. Nesta ocasião foram assinados os contratos de duas licitações, uma que prevê a implantação de sinalização das vias, vencida pelo consórcio Integração (formado pelas empresas Spavias Engenharia e Telar Engenharia e Comércio), com o valor de R$ 49,3 milhões e prazo de 18 meses, e outra que prevê a construção do Sistema de Integração ao Centro de Controle Operacional, que será feito pela Alstom Brasil por R$ 42,5 milhões e prazo de doze meses para execução.

Não se trata, no entanto, da retomada das obras civis, paradas desde o final do ano passado quando o governo do estado decidiu rescindir contrato com os dois consórcios responsáveis pela construção das estação Mendes-Vila Natal e Varginha. A razão é que elas não poderiam ser pagas com dinheiro federal porque a licitação havia seguido um padrão não aceito pelo PAC. A solução foi encerrar os trabalhos e relançar uma licitação com o que falta para concluir o projeto, que deve estender a Linha 9 por mais 4,5 km sentido sul da cidade.

Sem previsão, a gestão Alckmin não cita prazo para conclusão do trecho que deve acrescentar cerca de 120 mil passageiros por dia aos 570 mil que utilizam a Linha Esmeralda diariamente. O consolo é que ao menos agora as duas esferas de governo parecem alinhadas em resolver esses percalços.

 

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

Leave a Comment