Linha 15-Prata volta a transportar mais de 2 milhões de passageiros em um mês

Ramal de monotrilho superou a marca em agosto, o que não ocorria desde fevereiro do ano passado, quando houve o incidente com o pneu avariado
Linha 15-Prata (GESP)

Ramal de metrô “caçula” de São Paulo, a Linha 15-Prata voltou a transportar mais de 2 milhões de passageiros em agosto. A marca é a melhor desde fevereiro do ano passado, e que é também o recorde de demanda, com quase 2,5 milhões de usuários embarcados.

Desde então, o ramal de monotrilho sofreu dois reveses, o primeiro o incidente o equipamento chamado de runflat, que fez com pedaços de um dos pneus fossem arremessados para a avenida – felizmente sem feridos.

O segundo ocorreu logo em seguida: a pandemia do Covid-19, que fez o movimento de passageiros despencar. A Linha 15, no entanto, permaneceu fechada do final de fevereiro até meados de junho de 2020.

A partir daí, a recuperação foi lenta, com pico de 1,69 milhão em dezembro do ano passado. Já em julho de 2021, a Linha 15 quase chegou a 1,8 milhão de usuários no mês, número superado em agosto.

Até hoje, o ramal de monotrilho só transportou mais de 2 milhões de passageiros em seis ocasiões, por conta da inauguração do trecho até São Mateus.

Movimento havia crescido bastante em janeiro e fevereiro de 2020, logo antes do incidente

Longe da capacidade

Apesar do crescimento, a Linha 15 ainda bastante aquém da capacidade projetada. A média de usuários em dias úteis de 80 mil em agosto equivalen a 25% da demanda prevista para o trecho entre Vila Prudente e São Mateus – 313 mil usuários, segundo o Metrô.

O tempo previsto de intervalo entre os trens é de 90 segundos, mas a companhia operou com headway médio de 210 segundos no mês passado, por conta da redução da demanda na pandemia.

Além do amadurecimento do projeto, que tem levado mais tempo para ocorrer, também pesa contra o ramal o fato de o chamado carrossel de trens depender de aparelhos de mudanças de via menos eficiente do que o desejado.

Área de manobras após Vila Prudente (iTechdrones)

Em Vila Prudente, a troca de plataformas ocorre antes de o trem chegar à estação, já em São Mateus, está sendo usada a plataforma central, destinada originalmente para trens de estratégia, ou seja, que percorrerão um trecho mais movimentado do ramal.

A solução para isso só dever ficar pronta em 2022. Trata-se de dois novos “track-switches” externos, que estão sendo construídos após Vila Prudente e a futura estação Jardim Colonial. Quando estiverem operacionais será possível inserir mais composições e de forma mais rápida na linha.

Espera-se que a partir de então, o monotrilho possa calar muitos críticos que duvidam da sua capacidade de transporte.

Total
32
Shares
4 comments
  1. Artigo bem interessante, como todos desse portal. Porém, no gráfico de demanda, acho que as cores da legenda estão invertidas entre os anos de 2019 e 2021

Comments are closed.

Previous Post

Com Campo Limpo em operação, restam apenas três estações sem portas de plataforma na Linha 5

Next Post

Estação Várzea Paulista ganhará passarela de acesso e dois novos elevadores

Related Posts