Linha 19-Celeste estreará novidades em projetos metroviários

Ramal de 17,6 km com 15 estações atenderá Guarulhos, com ligação até o centro da capital. Segundo governo, estações serão menos profundas que as atuais e um custo de implantação menor
Percurso da Linha 19 no centro de SP (Reprodução)

Durante a assinatura do contrato do projeto básico da Linha 19-Celeste, nesta terça-feira (21), o secretário dos Transportes Metropolitanos, Paulo Galli, revelou que o ramal será o mais moderno já projetado pelo Metrô.

Segundo o executivo, a companhia decidiu incluir várias inovações no projeto da linha que ligará Guarulhos ao centro da capital paulista, entre eles a adoção de túneis com uma rampa mais elevada, ou seja, com trens capazes de operar em ângulos mais pronunciados.

Por conta disso, será possível construir estações menos profundas, o que também se refletirá num menor custo de implantação. Galli não revelou outros detalhes, mas confirmou que a Linha 19 fará uso de energias renováveis.

A Linha 19 terá conexão com outros quatro ramais no futuro (Reprodução)

Em recente declaração, o titular da STM havia dito que a instalação de usinas de energia fotovoltaica pode ser capaz de suprir boa parte da demanda de operação de alguns ramais, gerando uma economia bastante significativa.

Todos esses detalhes serão revistos pelo consórcio MNEPIE, que fará o projeto básico nos próximos dois anos. A previsão do governo é que a Linha 19 fique pronta a partir de 2029.

Ela contará com 17,6 km de extensão, 15 estações e 31 trens, com início em Bosque Maia e fim na Praça da Bandeira, no centro de São Paulo. Serão quatro conexões com a rede metroferroviária, em Anhangabaú (Linha 3), São Bento (Linha 1), Pari (Linha 11) e Dutra (Linha 2).

O tempo estimado de viagem no percurso total é de 30 minutos, metade do que leva percorrer o mesmo trecho de ônibus atualmente.

As características provisórias da Linha 19-Celeste (Reprodução)

Caberá à próxima gestão, no entanto, decidir se a Linha 19 será construída de forma convencional, por meio de licitações por lotes fiscalizadas pelo próprio Metrô, ou uma Parceria Público-Privada, em que a construção e operação ficará a cargo da iniciativa privada.

Total
31
Shares
18 comments
  1. Uma coisa que não gostei nesse projeto foi renomearem a estação Correio para São Bento e Praça da Bandeira para Anhagabaú, somente por causa do melindre do paulistano com a história das estações Paulista e Consolação. A estação “Correio” ficará em frente à agência central de mesmo nome, e terão que chamar de São Bento, que fica ha uns 300 metro da outra que não tem mais nada a ver. Mas chamar estação de Carrão-Assai não sei o quê ninguém liga.

    1. Não há necessidade, o local da estação da L19 é 170m do centro da estação da L1, pouco mais de 30m do comprimento da plataformas do metrô, não estão distantes a ponto de renomear o mesmo acontece com Anhangabaú

  2. Como disse no outro artigo, o governo tem que fazer uma PPP, isso garante a entrega das obras o quanto antes pois a própria construtora é a maior interessada em entregar a obra.

  3. Como em quase todas as linhas metroviárias do sistema paulistano, esta linha já nasce com a possibilidade futura de extensão, neste caso até a Vila Olímpia. Nos próximos anos, tão importante quanto a construção de novas linhas, será a viabilização de extensões como da linha amarela até Taboão, da linha verde da Penha até a Dutra, da linha lilás até Jardim Ângela em um extremo e no outro até Ipiranga, mesma estação de extensão em andamento da linha prata, além da extensão da linha Jade da CPTM até Bom Sucesso. Sem contar a ainda indefinida extensão da linha laranja até Cidade Dutra. O sistema ganha cada vez mais uma estrutura orgânica, chegando a pontos distantes periféricos e de outras cidades da RMSP.

  4. Deveriam expandir esta linha até a estação Brigadeiro para servir a região da Avenida Brigadeiro Luis Antônio e fazer integração com a linha verde.

  5. Só achei estranho na parte que fala que terá 4 conexões conexão e com a Linha 11 no Pari,. Não seriam 5 conexões? Pois creio que a linha turquesa também para por ali…seria bem estranho os trens passarem direto pela estação.

    1. Também acho que esta linha deveria ser expandida até a rodoviária de Guarulhos e ser integrada a linha 13 Jade e com isto deveriam pensar em estender a linha 1 do Tucuruvi até o Terminal da Vila Galvão para reparar o erro histórico que foi a extinção do tramway da cantareira ao invés de transforma-lo em uma linha de
      metrô.

  6. A estação Brigadeiro está prevista na extensão da linha celeste até a Vila Olímpia, em conexão com a estação homônima da linha verde. Apenas acho que para melhor alcance social da linha celeste na zona sul ela deveria ser estendida até Paraisópolis. Com isto, a linha passaria pelo estádio do Morumbi e acabaria com a necessidade de se estender o monotrilho da linha ouro até Paraisópolis e o próprio estádio, sendo melhor atendidos por um modal de maior capacidade

  7. Sinceramente, não poderia existir projetos enquanto houverem obras pendentes!
    Vejam a linha amarela, era para ter sido entregue em 2014 completa.
    Deveriam fazer uma força tarefa e entregar todas que estão em andamento e que por sinal estão atrasadas e só depois pensar em novidades…..

  8. Moro bem perto da região do “entroncamento” Dutra… e NÃO HÁ NENHUM SINAL, de nada para tudo isso ocorrer… esperem por algo acontecendo em 2026, e funcionar em 2035 no mínimo…

  9. O atual Secretário dos Transportes Metropolitanos, Paulo Galli, usa dos mesmos artifícios dos anteriores, ou seja faz compromissos e se especula sobre o futuro do presente de algo imprevisível, ou seja padrão PSDB!!!
    Da mesma forma concordando com o sr. Paulo Meca quando diz; “Nós precisamos terminar os projetos. Não adianta a gente ficar bombardeando” (Se referindo a Linha 15-Prata). Mas se são os próprios dirigentes que ficam prometendo inumeráveis linhas novas sem concluir as iniciadas, ou seja se fala uma coisa mas na prática faz outra! Vejam o exemplo da Linha-15 Prata que está incompleta nos dois extremos, e esta Linha 17- Ouro, por que substituíram a Linha-18 Bronze por BRT, uma vez que considera o Monotrilho ótimo?
    Primeiro constrói uma linha de cada vez, concluam as que estão por incompletas e inacabadas, principalmente da CPTM, somente após isso que se comece novas implantações.
    NÃO PULAR ETAPAS! Um dos maiores erros crônicos persistentes do Metrô é fazer o uso político e tentar ludibriar a população com fantasias e construir várias linhas ao mesmo tempo, conhecendo a histórica instabilidade política econômica do nosso país.

  10. A linha aproveita parte do traçado previsto para uma das linhas iniciais do metrô em 1968 no trecho Pari até Vila Maria. Trará grande desenvolvimento para o entorno da Vila Maria e irá desafogar a linha 1

Comments are closed.

Previous Post

Tatuzão da Linha 6-Laranja já avançou ao menos 9 metros

Next Post

Confira como é a operação assistida da Estação Vila Sônia

Related Posts