Enquanto o Metrô perdeu passageiros, CPTM viu movimento crescer em fevereiro

Número de passageiros transportados nas quatro linhas administradas pelo Metrô caiu 20% no mês passado. Seis dos sete ramais da CPTM, no entanto, tiveram demanda maior mesmo com menos dias em fevereiro
Trem da CPTM na Luz (GESP)

O crescente número de casos de coronavírus em 2021 aliado às medidas de restrição social tiveram reflexos opostos no Metrô e na CPTM em fevereiro. Embora com três dias a menos que em janeiro, o mês passado apresentou alta no número de passageiros transportados na companhia de trens metropolitanos.

No total, as sete linhas da CPTM transportaram 2,4% mais usuários do que em janeiro. Foram 33,7 milhões de viagens realizadas contra 32,9 milhões no primeiro mês de 2021. Apenas a Linha 13-Jade viu seu movimento cair de forma marginal – de 218,5 mil para 217,8 mil passageiros.

Por outro lado, as quatro linhas administradas pelo Metrô tiveram um encolhimento expressivo. A Linha 1-Azul, por exemplo, realizou 4 milhões de viagens a menos que em janeiro enquanto a Linha 3-Vermelha perder cerca de 2,2 milhões de passageiros. Em termos percentuais, a maior queda ocorreu no monotrilho da Linha 15-Prata, com 38,5% de redução.

O movimento médio em dias úteis no Metrô voltou a cair após uma lenta recuperação iniciada em abril. Segundo esses dados, as quatro linhas estão com demanda cerca de 60% menor do que em fevereiro de 2020, mês anterior ao início da quarentena.

A Linha 4-Amarela, a mais afetada durante a pandemia, no entanto, também oscilou positivamente, com aumento de 4,4% em sua demanda de passageiros – a Linha 5-Lilás não havia disponibilizado os números de fevereiro até a publicação desse artigo.

O fenômeno pode envolver justamente o fato de que empregos de baixa renda, onde o trabalho remoto quase não é viável, estão motivando a lotação nas linhas da CPTM, de caráter mais pendular. Reforça essa impressão o fato de a Linha 3-Vermelha ter sido a com menor redução no mês passado, de 13%, praticamente metade da Linha 1.

As recentes medidas anunciadas pelo governo do estado, de escalonamento no horário de trabalho de três setores da economia não devem afetar a demanda, mas permitir que o fluxo de passageiros seja distribuído de forma mais equilibrada durante o dia, evitando acúmulo de pessoas nas plataformas e trens.

Confira os dados de fevereiro:

JANEIROFEVEREIROVariação
Linha 115.890.00011.870.000-25,3%
Linha 28.244.0006.334.000-23,2%
Linha 317.091.00014.848.000-13,1%
Linha 48.042.0008.395.0004,4%
Linha 58.033.000  
Linha 75.284.2125.373.9031,7%
Linha 85.355.9175.461.1762,0%
Linha 95.443.2645.643.8443,7%
Linha 104.619.9424.649.9990,7%
Linha 118.118.8588.342.5692,8%
Linha 123.879.7764.030.1303,9%
Linha 13218.477217.796-0,3%
Linha 151.571.000966.000-38,5%
Total
19
Shares
Previous Post

Com escalonamento de horários de trabalho, governo Doria espera reduzir lotação no transporte público

Next Post

Governo remarca leilão de concessão das linhas 8 e 9 da CPTM para 20 de abril

Related Posts