Foi no dia 15 de setembro de 2011 que a Linha 4-Amarela teve sua última expansão em trilhos. Nesses sete anos que separam a data de agora o ramal ganhou novas estações como Fradique Coutinho (2014) e Higienópolis-Mackenzie e Oscar Freire este ano, mas permaneceu com os mesmos 9 quilômetros atuais. Essa situação deve mudar no dia 26 de outubro, data em que deverá ser inaugurada a estação São Paulo-Morumbi, décima parada da linha.

Serão acrescidos então cerca de 2,5 km à Linha 4, mas mais importante que isso, levando o movimentado ramal pela primeira vez para uma região mais carente – embora ainda não tanto quanto outros locais da capital. Construída na confluência das avenidas Francisco Morato e Jacob Salvador Zveibil, a estação deve aliviar Butantã, hoje terminal oeste da linha e que em agosto chegou a atender mais de 80 mil pessoas em alguns dias.

Com um terminal de ônibus incluído (mas que deve ser entregue numa segundo momento), São Paulo-Morumbi tem previsão de receber 27,6 mil passageiros por dia, segundo estimativa do Metrô. Parece pouco para uma estação que fica ao lado do corredor de ônibus da Francisco Morato e não muito distante de regiões com muitos moradores.

Véspera do segundo turno

A informação sobre a inauguração na próxima sexta-feira, 26 de outubro, antecipada pelo ViaTrolebus e confirmada pelo MetrôCPTM com uma fonte no governo, indica que novamente teremos uma abertura com viés eleitoral afinal trata-se da véspera do segundo turno das eleições e onde estão disputando dois “aliados” do ex-governador Geraldo Alckmin. Tanto para Márcio França (PSB) atual governador e que havia sido eleito como vice de Alckmin, como para João Doria (PSDB), ex-prefeito de São Paulo após ser indicado pelo tucano, a inauguração de São Paulo-Morumbi não deixa de ser um palanque eleitoral numa semana decisiva.

Entrada do acesso principal de São Paulo-Morumbi

Numa visita durante esta semana às imediações da estação, o site constatou que as obras estão correndo de forma apressada com diversas frentes de trabalho ao mesmo tempo. Os dois acessos, por exemplo, estavam com vários funcionários instalando pisos, revestimentos e vidros enquanto uma grande equipe corre para instalar a imensa estrutura metálica da cobertura e que envolverá também o terminal de ônibus.

Conforme mostrado pelo site Ferroviando, bloqueios, escadas e até a comunicação visual da plataforma já se encontram instalados. A ViaQuatro, concessionária que opera a Linha 4, tem interrompido o serviço em alguns domingos como no próximo dia 21 para permitir que os testes com os trens e a sinalização (incluindo as portas de plataforma) ocorram sem interrupções.

Veja também: Os problemas que o próximo governador de São Paulo terá de solucionar em mobilidade sobre trilhos