Linha 5-Lilás já transporta mais passageiros que a Linha 4-Amarela

Avatar
Ramais metroviários operados pela iniciativa privada perderam demanda em março, mas linha operada pela ViaMobilidade foi menos afetada. Já as quatro linhas do Metrô tiveram crescimento mesmo com restrições de circulação
Trens da Linha 5 e 4: movimento da primeira superou o da segunda em 2021 (MetroCPTM/CMSP)

As linhas de metrô de São Paulo tiveram um mês de março bastante atípico e que provocou situações inesperadas. A primeira constatação surpreende: a Linha 5-Lilás passou a transportar mais passageiros que a Linha 4-Amarela no acumulado do primeiro trimestre de 2021.

Trata-se de um fenômero raro e que havia ocorrido apenas em dezembro do ano passado, embora as duas linhas tenham se aproximado em demanda após o início da pandemia. Porém, no mês passado, o ramal operado pela ViaMobilidade superou a demanda da linha gerida pela irmã ViaQuatro em 370 mil passageiros no total – 7,43 milhões de usuários contra 7,06 milhões.

No acumulado de 2021, a Linha 5-Lilás transportou 23 milhões e 837 mil passageiros enquanto a Linha 4-Amarela recebeu 23 milhões e 497 mil usuários. Ambas são as únicas atualmente a serem operadas pela iniciativa privada, em concessões lideradas pela CCR.

Apesar disso, as duas linhas perderam passageiros em março, uma queda de 15,9% na Linha Amarela e de 11,3% na Lilás. É um cenário inverso ao que ocorreu nos quatro ramais operados pela Companhia do Metropolitano de São Paulo.

Total de passageiros transportados pelas seis linhas de metrô no primeiro trimestre de 2021

A despeito das restrições de circulação implantadas pelo governo do estado para tentar reduzir os casos de Covid-19, as linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata tiveram aumento de passageiros em março.

A que mais apresentou crescimento foi a Linha 15, do monotrilho, com demanda 50% maior que em fevereiro. Depois dela, a Linha 2-Verde teve um aumento de 18,3% enquanto a Linha 1-Azul subiu 15,4% – apenas a Linha 3-Vermelha, atualmente a mais movimentada do sistema, cresceu pouco, um ponto percentual.

Movimento diário também mostra mudanças

Curiosamente, as quatro ‘linhas estatais’ haviam tido um mês de fevereiro ruim, com queda significativa de passageiros em relação a janeiro e na contramão dos ‘ramais privados’.

A média diária de usuários em dias úteis apresentou crescimento em três ramais: a Linha 1-Azul (de 509 mil para 548 mil), a Linha 2-Verde (de 279 mil para 308 mil) e Linha 15-Prata (41 mil para 58 mil). A Linha 3-Vermelha, por sua vez, caiu de 635 mil para 599 mil passageiros em média durante a semana.

Na soma dos seis ramais, o movimento diário caiu 80 mil usuários, número modesto diante da necessidade de reduzir a circulação do vírus. Com 2,1 milhões de passageiros em média, o movimento está no mesmo nível de agosto de 2020, que representa o dobro do pior mês do ano passado, em abril.

A CPTM não havia divulgado dados de seus sete linhas até a publicação desse artigo.

Total
7
Shares
Previous Post

Metrô recebe propostas pelo projeto de adaptação da estação São Joaquim para a chegada da Linha 6

Next Post

Para levar Linha 13-Jade até Barra Funda, CPTM irá modificar a estação Brás

Related Posts