Destaques Linha 1 Linha 15 Linha 2 Linha 3 Linha 4 Linha 5 Metrô de São Paulo

Linhas de metrô de São Paulo começaram janeiro com novo recorde

Seis ramais citados como de metrô transportaram quase 4,5 milhões no mês passado, 4,4% a mais que em 2019
Estação da Linha 2-Verde (CMSP)

Apesar das férias, o mês passado teve o maior movimento de passageiros no Metrô de São Paulo para janeiro. Foram 4,464 milhões de usuários por dia em média, 4,4% superior ao mesmo período de 2019. Os dados, divulgados pelo Metrô e pelas concessionárias ViaQuatro e ViaMobilidade, chamam a atenção por mais um “encolhimento” na demanda das linhas 1-Azul e 3-Vermelha, as mais movimentadas do sistema.

Embora seja a recordista em passageiros transportados, a Linha 1-Azul teve uma queda de 3,5% se comparada à janeiro de 2019. Foram 1,214 milhão de passageiros contra 1,258 milhão no ano passado. A Linha 3-Vermelha teve uma redução um pouco menor, transportando 1,213 milhão ante 1,23 milhão, queda de 1,4%.

Como não poderia ser diferente, as três linhas mais novas da capital continuaram a ampliar seu público. A Linha 4-Amarela atingiu uma média diária de 702 mil passageiros, alta de 8,8%, enquanto a Linha 5-Lilás saltou de 456 mil para 535 mil usuários/dia, ou 17,3%. O número só não é maior porque o ramal está no limite por falta de trens.

Novamente, a Linha 15-Prata apresentou os percentuais mais elevados. O ramal de monotrilho transportou em média 98 mil passageiros por dia, um número bem distante do esperado por conta de falhas que afetaram seu funcionamento no mês passado. Ainda assim, a linha ampliou seu movimento em 165% se comparado a janeiro de 2019, primeiro mês em que operou em horário pleno até Vila União.

A boa notícia, no entanto, é o crescimento da Linha 2-Verde. Assim como a Linha 4, ela também transportou 702 mil usuários em dias úteis, uma elevação de 8,3% influenciada pelo fato de o ramal passar a ser fundamental para o deslocamento de passageiros oriundos sobretudo das linhas 5-Lilás e 15-Prata que a utilizam para chegar em regiões mais centrais. Trata-se de um difícil teste para a Linha Verde, que ainda não teve o sistema de controle de trens CBTC definitivamente entregue. A Alstom, responsável pela tecnologia, já havia tentado entregar a versão final do software, porém, ele segue em aprimoramento, segundo relatório do Metrô.

2020 começa com aumento no movimento de passageiros no Metrô

Mais recordes

Com o fim das férias, o sistema sobre trilhos de São Paulo deve bater novos recordes. No ano passado, as seis linhas bateram a marca de 5 milhões de passageiros diários em vários meses, atingindo 5,3 milhões em novembro, a mais elevada marca considerando as somas de cada ramal. A Linha 15-Prata, por exemplo, deve ampliar sua demanda de forma significativa já que são esperados mais de 300 mil usuários por dia com a atual infraestrutura. Já a ViaMobilidade poderá contar com um reforço de frota em breve, o que possibilitará reduzir o intervalo entre eles e com isso ampliar a oferta. As linhas Amarela e Verde também têm algum espaço para crescer por enquanto.

A grande dúvida de 2020 cabe mesmo às duas linhas mais antigas que estão passando por um processo de modernização. Essas intervenções, que incluem a instalação do sistema CBTC e de portas de plataforma, podem prejudicar o funcionamento de ambas em alguns períodos. Além disso, elas já estão no limite de operação e tendem a estabilizar ou mesmo reduzir sua capacidade à medida que a rede cresça, como ocorreu nos últimos anos.

Leia no Lulica
O que esperar ao mudar-se para a “terra da rainha” 26/8/2020

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

Airway