Nunca São Paulo transportou tantos passageiros pelos trilhos de suas linhas de metrô como em novembro. No mês passado, a média diária de usuários nas seis linhas que compõem o sistema foi de mais de 5,3 milhões pessoas, maior marca do ano e obtida por conta de recordes de passageiros em vários ramais.

É uma prova contudente da atração exercida pelo transporte ferroviário diante da queda regular nos números dos ônibus – embora estes ainda representem a maior participação na capital. Somados aos dados da CPTM que, em tese, devem mostrar crescimento semelhante, o transporte sobre trilhos avança no protagonismo e na importância fundamental para a mobilidade na Grande São Paulo.

O ano de 2019 marcou também o amadurecimento da rede sobre trilhos, expandida significativamente nos anos anteriores. Ramais como a Linha 5-Lilás ampliaram sua demanda enquanto as linhas 2-Verde e 4-Amarela atingiram patamares inéditos. De quebra, o monotrilho da Linha 15-Prata viu sua demanda crescer 160% de janeiro para novembro e já contribui com 2% do volume de passageiros das seis linhas. É ainda muito pouco, há de se reconhecer, mas um ramal que certamente vai multiplicar seus números em 2020 graças à expansão registrada neste ano.

Maiores e mais antigas linhas de metrô, a 1-Azul e 3-Vermelha seguem transportando diariamente quase 1,5 milhão de passageiros e só não levam mais gente porque estão no limite. Enquanto isso, as linhas 2-Verde e 4-Amarela viram sua participação crescer no sistema à medida que passaram a receber mais pessoas de outros ramais. O ramal administrado pela ViaQuatro, aliás, superou a linha 2 em vários meses e hoje pode ser considerado o terceiro mais movimento da rede.

O maior salto em número de passageiros, no entanto, veio mesmo da Linha 5-Lilás, a que mais cresceu em extensão e estações nos últimos tempos. Em novembro foram 622 mil usuários, quase 100 mil a mais que a média de fevereiro.

Movimento em dias úteis bateu a marca de 5,3 milhões de passageiros

Perto da saturação?

O crescimento do número de usuários das linhas de metrô, no entanto, faz surgir o temor da saturação do sistema num horizonte não muito distante. Atualmente, várias delas dependem de melhorias para transportar mais pessoas, caso das linhas 1 e 3 que estão recebendo o sistema de controle CBTC para reduzir os intervalos. Apesar disso, restam dúvidas se há espaço para ampliar as viagens caso a demanda seja muito grande.

A Linha 2-Verde, por exemplo, deverá receber muitos passageiros da Linha 15 além do crescimento orgânico causado pela expansão de outros ramais. Como deverá ser expandida a partir de 2020, a linha deverá ver seus números saltarem na próxima década tornando-se a mais movimentada da rede. Já as linhas 4 e 5 devem continuar a ampliar seus números sobretudo a primeira quando inaugurar a estação Vila Sônia, no extremo oeste da capital.

Mas é a Linha 15 que promete adicionar um número significativo de usuários no sistema. De 100 mil passageiros por dia, o ramal deve atingir 300 mil pessoas nos próximos meses e anos. Toda essa gente acabará distribuída pelos outros ramais de metrô e também da CPTM, tornando a rede ainda mais crucial para os deslocamentos diários.

A grande preocupação com esse crescimento está no fato de os planos de expansão mais factíveis não ampliarem as conexões da rede como seria desejado. Exceto pela Linha 2, que tirará passageiros da Linha 3, mas também acrescentará outros usuários, as demais tendem a trazer mais pessoas sem uma distribuição adequada. A própria Linha 6-Laranja, que deve movimentar mais de 600 mil pessoas, deve criar poucos pontos de conexão, sendo mais um ramal com tendência a um movimento pendular, desta vez vindo do noroeste da capital.

Já as linhas 19 e 20, que possuem trechos centrais que poderiam criar mais interligações no sistema, devem priorizar as pontas distantes em Guarulhos e São Bernardo do Campo, possivelmente trazendo mais passageiros para os mesmos eixos atuais.

Uma coisa é certa: os números do transporte ferroviário em São Paulo só tendem a bater novos recordes no futuro.

A Linha 15 deve adicionar milhares de usuários ao sistema em 2020 (GESP)