LinhaUni ganha aval federal para obter R$ 1,2 bilhão em financiamento para a Linha 6-Laranja

Concessionária que irá operar o ramal de metrô de 15,3 km poderá buscar empréstimo no mercado com redução da alíquota de IR e IOF graças à autorização do Ministério do Desenvolvimento Regional
Estação Santa Marina da Linha 6-Laranja (iTechdrones)

A concessionária Linha Universidade (LinhaUni), responsável pela operação e manutenção da Linha 6-Laranja do Metrô, obteve nesta semana um importante estímulo para prosseguir com a implantação do ramal de 15,3 km. O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) concedeu autorização para que a empresa se enquadre nos incentivos federais para projetos de infraestrutura.

Graças a esse aval, a LinhaUni poderá contrair financiamento de R$ 1,2 bilhão com redução na alíquota de Imposto de Rende e de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Na prática, isso significa taxas de juros mais baixas em empréstimos de longo prazo, necessários para que o investimento possa ser viabilizado.

Assinado em outubro do ano passado, o acordo para assumir a concessão da Linha 6 das mãos da Move São Paulo pela construtora Acciona prevê que o ramal entre em operação em 2025. Para isso, o grupo espanhol tem criado diversas frentes de trabalho simultâneas.

No entanto, para manter o bom ritmo das obras será preciso obter financiamentos mais atraentes. Em dezembro, a empresa afirmou ao jornal Folha de São Paulo conversar com várias instituições financeiras nacionais e internacionais para levantar cerca de R$ 8 bilhões.

As frentes de trabalho da Linha 6-Laranja (LinhaUni)

Um dos acordos mais esperados é com o BNDES, o banco de fomento nacional e que apoia esse tipo de projeto. Havia inclusive previsão de empréstimo para a Linha 6 com a concessionária anterior, mas as tratativas emperraram após os sócios Odebrecht, UTC e Queiroz Galvão serem envolvidos na operação Lava Jato.

Até aqui, a Acciona tem recorrido a empréstimos ponte para reiniciar os trabalhos nos canteiros. Além do financiamento da obra em si, a LinhaUni precisará financiar a aquisição de 22 trens junto à fabricante Alstom, escolhida para fornecer o material rodante da Linha 6-Laranja.

Total
2
Shares
4 comments
  1. Sabemos o quão é caro construir uma linha de metrô, principalmente se ela for subterrânea.
    Agora se a cidade de São Paulo e sua região metropolitana fossem construídas de forma planejada cada qual bairro, comércio, indústria, áreas de lazer e vias de transporte tivessem seus locais de implantação pré determinados, com certeza o custo de tais obras seria menor.

    1. Seria o ideal, como ocorreu em outras grandes cidades pelo mundo. Mas como a urbanização no Brasil ocorreu de forma atípica, extremamente acelerada em poucas décadas, não foi possível fazer esse planejamento. E a cidade cresceu de forma desordenada e até certo ponto improvisada.
      Agora é correr atrás do prejuízo e fazer com que a cidade se torne mais viável, tanto do ponto de vista da mobilidade, quanto do urbanístico.

  2. São Paulo é hoje um Frankenstein fazendo uma cirurgia plástica reparadora. A desordem no planejamento da cidade apenas deu um freio quando começou a se projetar o transporte na cidade com seriedade a partir dos anos 80 do século passado. A concretização da linha laranja vem em boa hora, ao mesmo tempo que os projetos das linhas rosa e celeste começam a se tornar plausíveis em médio prazo. A cidade ganha em eficiência e investimentos.

  3. É impressionante como as obras da linha 6 são construídas tão rapidamente, quando a construtora é a pricinpal interessada em terminar a obra as coisas acontecem.

Comments are closed.

Previous Post

CPTM prorroga contrato sinalização no trecho Grajaú-Varginha

Next Post

CPTM prorroga em 5 meses obras de restauro da estação Luz

Related Posts