O Metrô de São Paulo habilitou nesta segunda-feira, 24, a empresa Ductus Empreendimentos na concessão de uso de área comercial nas 14 estações da Linha 2-Verde. O consórcio havia feito a melhor proposta em sessão pública realizada no dia 14 de agosto oferecendo uma parcela fixa inicial de R$ 10.584.000,00.

Com a habilitação, a empresa terá de preparar sua documentação para assinatura do contrato com a companhia. Nesse período, no entanto, outras participantes podem contestar o resultado oficialmente se considerarem que há alguma suposta irregularidade. Só então a nova concessionária poderá iniciar a explorar do espaço por 30 anos.

A licitação de exploração comercial das 14 estações foi lançada em abril e teve a primeira sessão pública realizada em junho com a Ductus fazendo a melhor proposta. Porém, o valor máximo, de R$ 9 milhões, não atingiu a parcela inicial estimada pelo Metrô.

A empresa terá de investir ao menos R$ 4 milhões na adequação dos espaços que incluirão vestiários e copa além da manutenção dos sanitários públicos. A concessionária também deverá pagar uma remuneração mensal mínima de R$ 882 mil ou o equivalente a 58,35% do faturamento bruto obtido, o que for maior.

A concessão é mais uma das iniciativas do governo Doria para ampliar a receita acessória do Metrô e CPTM e assim reduzir a dependência da arrecadação tarifária. As duas empresas também têm um contrato conjunto para explorar áreas da estação Brás, entre outros projetos em andamento.

Em vermelho, os espaços comerciais da estação Vila Madalena. Concessionária terá de cuidar do banheiros também (CMSP)