CPTM Destaques Linha 18 Metrô de São Paulo

BRT do ABC e outros projetos de mobilidade ainda “no papel” são congelados pelo governo Doria

Corredor de ônibus deveria ter seu projeto apresentado no primeiro semestre, mas situação fiscal delicada motivou reavaliação. Projetos de PPPs e concessões não teriam sido atingidos
Ônibus do corredor ABD, operado pela Metra (Igormartinez99/Wikimedia)

O projeto do corredor de ônibus “BRT” lançado pela gestão Doria no ano passado para substituir a Linha 18-Bronze do Metrô foi “congelado” para reavaliação diante da situação fiscal do estado após a crise causada pela pandemia do coronavírus. A informação foi revelada pelo jornal Diário do Grande ABC nesta segunda-feira, 24, e confirmada pelo site, que também apurou que apenas os projetos que envolvam a iniciativa privada, como concessões e Parcerias Público-Privadas, seguem ativos por enquanto.

Desde abril, o governo escalou o secretário Mauro Ricardo para analisar os investimentos do estado e estudar o que será possível manter ou suspender até que a arrecadação volte a subir e seja possível viabilizar esses projetos. A pasta de Gestão também tem revisto contratos em execução a fim de obter economias para reduzir o déficit fiscal, o que acabou afetando a obra de extensão das vias da Linha 15-Prata.

O BRT do ABC é responsabilidade da EMTU, empresa que Doria pretende fechar como parte do esforço para reduzir custos. As poucas informações disponibilizadas pela Secretaria dos Transportes Metropolitanos dão conta que o corredor de ônibus custaria entre R$ 700 milhões e R$ 800 milhões e ocuparia o mesmo trajeto da Linha 18, entre o centro de São Bernardo do Campo e a estação Tamanduateí, mas com uma extensão também até outra estação, Sacomã, da Linha 2-Verde.

Em documento sobre metas para 2020, no entanto, a EMTU revelou que os estudos do corredor contavam com a renovação da concessão de outro corredor, o ABD, operado pela empresa Metra. Com isso, afirmou a empresa, seria possível oferecer a construção e operação do BRT para a mesma concessionária.

Ou seja, o projeto aparentava utilizar poucos recursos do estado, em tese. Restaria saber qual valor seria necessário para as desapropriações no trecho e que, no caso do monotrilho, foram apontadas como um dos problemas do projeto.

Trem circula pela Linha 9: concessão para a iniciativa privada mantida (CPTM)

Projetos ameaçados?

Ainda de acordo com o que apurou o site, apenas os programas “carimbados” ou contratados serão mantidos por ora, como é o caso das licitações de projetos da Linha 19 e 20. No entanto, diante da gravidade da atual crise parece pouco provável que mesmo algumas obras hoje em curso poderão ser mantidas se a situação do caixa não voltar a melhorar.

O governo Doria, por exemplo, aguarda autorização do Cofiex para contrair um financiamento externo de US$ 550 milhões (mais de R$ 3 bilhões) para as obras de extensão da Linha 2-Verde até Penha, porém, o processo continua em análise pelo governo federal. Não se sabe como será possível oferecer garantias com a situação atual.

A própria Linha 6-Laranja, que deve ser retomada em outubro pela construtora Acciona, depende da contrapartida do governo, que tem um empréstimo de R$ 1,7 bilhão aprovado junto ao BNDES, mas que é suficiente apenas para um período curto da obra.

Já a concessão das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da CPTM, cuja publicação do edital tinha sido prometida pelo secretário licenciado Alexandre Baldy para a primeira quinzena de agosto, deve ser mantida já que pode trazer recursos para o governo por conta da outorga inicial. O projeto, no entanto, está sendo revisto para refletir os efeitos da pandemia na economia.

Informações não reconhecidas pela STM apontam uma capacidade baixa e um custo elevado do BRT (Reprodução)
Leia no Lulica
O que esperar ao mudar-se para a “terra da rainha” 26/8/2020

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

7 Comentários

Click here to post a comment
  • Cancelou o monotrilho da Linha 18 – Bronze para colocar esse BRT no lugar e agora ele é congelado, que tristeza para quem é do ABC.

    E pensar que o monotrilho já poderia estar em construção, e agora está tudo na estaca zero, pois a Linha 20 – Rosa demorará décadas até chegar o primeiro metro de trilho no ABC.

  • Aquele ditado “há males que vem para o bem” talvez possa ser aplicado aqui. Tomara que fique congelado até 2022 e que o próximo governador retome a nossa Linha 18.

  • Essa notícia sobre a porcaria do BRT acaba sendo muito boa, tomara que jamais saia do papel mesmo.Quem sabe com uma eventual mudança de governador o projeto original seja retomado.

  • Olá Sr. Ricardo, amigos
    Bem , pela protelação que vinha ocorrendo dava pra ver que esses projetos incluindo a extensão da linha 4 até o Taboão eram mais usados politicamente em épocas eleitorais do que realmente seriam executados. E uma pena que isso ocorra pois o atraso vai ser imenso e vai cair no popularmente “futuramente essas obras sairão”, assim como acontece com a linha laranja do metrô que de repente ficou tudo em silêncio.
    Abraços e todos na Fé.
    Gilberto

  • enquanto o governo alega não ter dinheiro, o mesmo repassa mais de 6 bilhões para o TJ-SP, alem de manter mais de 17 bilhões em renuncia fiscal do ICMS e já prever mais de 15 bilhões de renuncia para o ano que vem, o que representa mais de 10% do ICMS previsto a ser arrecadado. fica a conclusão para os senhores.

  • Quando se conhece o “Modus Operandi” do PSDB que está em prática em São Paulo a mais de 25 anos não deveria se surpreender com estas bravatas.

    Os gestores vem colecionando fracassos com sucessivos erros de planejamento, divulgando e iniciando novas linhas de forma concomitante sem concluir as que estão iniciadas, invertendo prioridades, fazendo politicagem com os projetos, desperdiçando o dinheiro público.

    Entendo que se deva focar na remodelação, reforma, ampliação e construção de novas estações das linhas da CPTM principalmente no trecho entre Ipiranga e Lapa, inclusive para receber um futuro Trem Intercidades antes de se ficar anunciando múltiplas novas linhas coloridas do Metrô como esta 20-Rosa que são projetos custosos e demorados, e que não podem ser planejados de forma aleatória.

Airway