Metrô indeniza consórcio da Linha 17-Ouro em quase R$ 1 milhão

Valor será pago como resultado de um desequilíbrio econômico-financeiro apurado por conta do aumento do preço do aço. Consórcio Monotrilho Ouro tem avançado lentamente nas obras do ramal
Pátio Água Espraiada: embora obras andem devagar, consórcio já obteve R$ 26 mihões em aditivos (iTechdrones)

O Metrô assinou nesta quinta-feira, 7, o 4º aditivo contratual com o Consórcio Monotrilho Ouro, responsável pelas obras remanescentes da Linha 17-Ouro de monotrilho. Desta vez, a empresa do estado assumiu uma indenização de R$ 958,3 mil que será paga ao consórcio como parte de um desequilíbrio econômico-financeiro apurado.

Segundo o documento, o motivo seria o “aumento do custo do insumo do item Aço CA-50 – Fornecimento e Colocação – Preço nº 4.142.00, executado entre o período de julho de 2021 e janeiro de 2022, que totalizaram o quantitativo de 339,291 toneladas”.

O valor extra não onerá o contrato ou será considerado como um acréscimo dentro do limite de 25% previsto na legislação de contratações públicas. Além disso, o Metrô reajustou em R$ 2,55 milhões o contrato, que agora atingiu um valor de R$ 524,6 milhões, ou quase R$ 26 milhões a mais que o preço original, alta de 5%.

Finalização das coberturasteve início nesta semana (CMSP)

Execução do contrato longe do ideal

Se por um lado o consórcio tem visto suas demandas aceitas, por outro sua responsabilidade, entregar as setes estações e o pátio de manutenção, está longe de ser cumprida.

Segundo o contrato, assinado em novembro de 2020, a Coesa e a KPE, suas sócias, deverão concluir o escopo do projeto em junho de 2023, ou 30 meses após a emissão da ordem de serviço, que ocorreu em dezembro daquele ano, em evento presenciado pelo ex-governador João Doria.

Ou seja, já se passaram 19 meses (63% do prazo) e o que se vê nos canteiros gerenciados pelo consórcio definitivamente não condiz com o esperado. Enquanto o pátio de manutenção viu apenas obras menores sendo feitas, além da instalação de uma das coberturas metálicas (e que ainda não está finalizada) e fabricação de vigas-guia, as estações somente agora devem receber as coberturas metálicas, não por acaso um dos motivos apontados para o atraso causado pela alta no preço do aço.

A Coesa acabou apontada vencedora da licitação após conseguir desclassificar a rival Constran, que chegou a assinar contrato com o Metrô. Parte do grupo OAS, que mudou seu nome por conta da operação Lava Jato, a construtora foi acusada na época de não ter condições financeiras e técnicas para assumir o projeto já que apresentou como “ativos” valores devidos pela sua controladora.

Após um início lento, a Coesa ganhou o reforço da KPE, também pertecente à OAS, que passou a ser a líder do consórcio, mas nem isso parece ter resolvido a aparente falta de fôlego financeiro do grupo. Indaga-se se não seria o caso de um novo sócio entrar no consórcio para que as obras finalmente ganhem ritmo.

Total
19
Shares
2 comments
  1. Sugestões de pautas sobre o Metro-SP:
    a) falta de banheiros em diversas estações;
    b) falta de locais adequados para carga e descarga de passageiros nas vias adjacente às estações para veículos particulares, táxis e ônibus.
    Abraços.

  2. Além das obras estarem atrasadas 12 anos ainda recebem indenização por culpa de um aumento em um dedeterminado material. Só aqui nesse país mesmo.

Comments are closed.

Previous Post

Em reviravolta, Prefeitura do Rio de Janeiro irá substituir BRT por Veículos Leves sobre Trilhos

Next Post

Com operação integral, Mendes-Vila Natal deve receber 15 mil passageiros por dia

Related Posts