Metrô inicia remodelação da avenida Ragueb Chohfi para implantar Linha 15-Prata

Trecho de cerca de 250 metros receberá oito pilares do monotrilho e deve ser concluído nos próximos 12 meses
Pilastras do monotrilho na Ragueb Chohfi (CMSP)

O Metrô iniciou neste domingo, 11, a remodelação do viário da avenida Ragueb Chohfi para permitir a implantação de oito colunas das vias da Linha 15-Prata. A interdição, entre as ruas André de Almeida e avenida Forte de Leme, compreende um trecho de cerca de 250 metros e faz parte da área de manobras do monotrilho após a estação Jardim Colonial.

Os trabalhos devem durar 12 meses, quando a área será liberada pelo consórcio CEML, responsável pela construção das vias e do track-switch, equipamento que permite que os trens mudem de via. A estação Jardim Colonial deve ser inaugurada ainda no primeiro semestre de 2021.

Com a abertura da nova estação, a 11ª do ramal, a extensão da Linha 15 chegará a 15 km, ultrapassando momentaneamente a Linha 2-Verde. A Ragueb Chohfi deve receber novas intervenções do Metrô nos próximos anos a fim de permitir que a Linha Prata chegue à região de Cidade Tiradentes. Mais duas estações na região estão sendo planejadas para terem o edital lançado num futuro breve, Boa Esperança e Jacu Pêssego.

Ao mesmo tempo em que prepara o caminho para ampliá-la, a companhia iniciou o projeto para readequar outros trechos da Ragueb Chohfi, seguindo um acordo assinado com a prefeitura de São Paulo. Ao contrário de outras vias onde o monotrilho já foi implantado, a avenida é bastante estreita e sem o canteiro central onde as pilastras são fixadas. Por isso será preciso alargar esse espaço antes de os trabalhos da linha começarem de fato.

Os dois “rabichos” da Linha 15: já parte de futuras extensões

Movimento longe do pico

Após a retomada da operação em junho, quando foram resolvidos os problemas técnicos que a fizeram ficar fechada por vários meses, a Linha 15-Prata continua distante do patamar de demanda de fevereiro.

Em agosto, o ramal de monotrilho transportou apenas 1,333 milhão de passageiros, ou 53% do movimento registrado em fevereiro, quando passaram pela linha quase 2,5 milhões de usuários. A média diária de pessoas transportadas chegou a 52 mil usuários em dias úteis, menos da metade dos 116 mil que circulavam por ela em fevereiro.

Apesar disso, a Linha 15 é o ramal que mais recuperou movimento entre os operados pelo Metrô. As linhas 1, 2 e 3 seguem com movimento abaixo da metade em relação a fevereiro.

Total
139
Shares
3 comments
    1. Lugar nenhum? Isso é fundamental para a operação da linha quando Colonial abrir e é parte da expansão rumo à Jacu Pêssego

  1. A Linha Prata somente começará a ter grande movimentação quando a estação Jacu Pêssego for inaugurada.

    Para quem utiliza a Av. Ragueb Chohfi para ir ao trabalho (meu caso), não compensa ir para a estação São Mateus. Na verdade, é prejuízo. O trecho até São Mateus, e também a nova Jardim Colonial, diariamente apresenta congestionamento e faz o percurso demorar no mínimo 30minutos a mais. É muito mais rápido e seguro (para não chegar atrasado no trabalho) ir para a estação Corinthians-Itaquera.

    Somente quando a estação Jacu Pêssego estiver pronta que a Linha Prata será viável. Isto porque a referida estação ficará diretamente na travessia em direção a Corinthians-Itaquera. Até esta travessia o trânsito é excelente, após a travessia é rezar para não ter congestionamento.

Comments are closed.

Previous Post

Desclassificada, Constran também questiona escolha da Coesa para obras civis da Linha 17-Ouro

Next Post

Um sobrevoo pela futura estação Morumbi da Linha 17-Ouro

Related Posts