Obras após a estação Jardim Colonial mostram rapidez da implantação do monotrilho

Extensão está sendo construída para abrigar aparelho de mudança de via que permitirá a injeção de mais trens na Linha 15-Prata
Obras após Jardim Colonial: ritmo do avanço de acordo com a expectativa a respeito do monotrilho (CMSP)

Obra necessária para permitir o aumento da capacidade da Linha 15-Prata, a extensão das vias após a estação Jardim Colonial tem avançado rapidamente, como mostram imagens compartilhadas pelo presidente do Metrô, Silvani Pereira, e sobretudo pelo vídeo reproduzido abaixo, com um sobrevoo da região da avenida Rague Chohfi.

Revelada em primeira mão pelo site no final do ano passado, a obra, que deve acrescentar quase um quilômetro ao ramal em suas duas pontas, prevê a instalação de novos aparelhos de mudança de via (AMV) após Jardim Colonial e Vila Prudente. O trecho mostrado nas imagens possui 560 metros enquanto o que será construído na avenida Anhaia Melo terá 380 metros

A obras é realizada pelo consórcio CEML, formado pelas empresas OAS, Queiroz Galvão e Bombardier), por meio de um aditivo de R$ 66,3 milhões. Das duas frentes de trabalho, a de Jardim Colonial é a prioritária por permitir que os trens do monotrilho possam manobrar após a estação e retornarem na via sentido centro. Se fosse aberta hoje, essa parada não poderia funcionar conectada ao carrossel normal porque não existe um track-switch após a região de Jardim Planalto.

Além disso, com os novos aparelhos de manobra, será possível injetar mais trens e reduzir os intervalos do ramal, além de permitir loops internos a partir de São Mateus, ou seja, trens que partem vazios da estação, que possui duas plataformas separadas. Já em Vila Prudente, o AMV após a estação também facilitará essas manobras, que hoje são feitos num track-switch pouco antes da plataforma.

Fundações serão usadas para a estrutura que receberá o track-switch, aparelho de mudança de via (CMSP)

Embora o prazo de entrega seja 2022, é bastante provável que o trecho no extremo leste fique pronto já no ano que vem, a tempo de permitir que Jardim Colonial comece a funcionar como esperado. Nas imagens, é possível constatar que as fundações das colunas onde serão construídos os capiteis, as estruturas que suportam as vigas-trilho, já estão finalizadas.

Como o canteiro da Ragueb Chohfi nesse trecho é bastante espaçoso, a implantação tem sido veloz, uma das vantagens do monotrilho. Assim como as obras da estação Jardim Colonial, a extensão comprova que o modal possui um prazo de implementação bastante rápido, de cerca de dois anos, desde que não surjam problemas burocráticos ou falta de planejamento.

São justamente esses dois motivos que tornaram a primeira linha de monotrilho pesado no Brasil um projeto demorado e cheio de problemas. Em primeiro lugar porque o sistema era inédito e havia pouca expertise em sua construção, e o segundo porque o Metrô falhou em detectar a necessidade de desviar o córrego que passa pelo eixo da avenida Anhaia Melo, o que atrasou a obra em vários meses.

Para completar o “desastre”, o consórcio CEML tem mostrado dificuldades em conseguir fazer o ramal funcionar a contento, com falhas em sinalização, velocidade reduzida dos trens, vias irregulares, peças soltas e o principal problema, o estouro do pneu causada pelo contato com o sistema run-flat em fevereiro.

Como o site já cansou de demonstrar, nada desses fatores envolve o modal em si, que ainda merece uma chance para provar sua prometida eficácia.  Mas, como é comum no Brasil, a visão míope de dirigentes públicos leva a prejuízos e atrasos. Se a escolha do monotrilho como solução de mobilidade foi atropelada e sem o devido tempo de maturação do projeto, a decisão de não seguir com mais sistemas como esse, justamente agora que a curva de aprendizado se aproxima do seu ápice, é tão errada quanto. Espera-se que os próximos gestores do transporte sobre trilhos sejam mias sensatos.

Total
61
Shares
10 comments
  1. exatamente. agora q o know-how sobre o monotrilho está ganahndo corpo pelo METRÔ, os caras resolvem que o modal não vai ser mais utilizado. ou seja, bateu cabeça com uma linha e agora que a coisa flui melhor, é descartado.

    1. Pois é. Agora talvez seja a melhor hora pra prosseguir com os monotrilhos, já que podem finalmente se mostrar mais ágeis para ser construídos e o pessoal do metrô tá sabendo melhor como operar.

    2. Não resta dúvidas que tudo isso se trata de lobby do governador Dória pra beneficiar a Metra, vale tudo pra isso. Mas fazer o que, pelo menos a gente vai andar de BRT, o modal do Baldy agora é camburão.

  2. Concordo totalmente com o texto. Os erros, burocracias das gestões anteriores e todos os erros que o monotrilho teve nos últimos meses/anos não devem ser parâmetro para futuras implantações, com algumas ressalvas.

  3. A extensão até o Ipiranga também deveria ser tratada com total prioridade, pois através dessa a Linha ganhará uma conexão com CPTM, e por “tabela” desafogará a Estação Vila Prudente.

    1. A extensão para o Ipiranga depende de remoção e regularização fundiária/reurbanização da Favela de Vila Prudente. Parte das casas da favela terá de ser demolida para a construção das vias. Isso encarece as obras e “diminui” sua prioridade diante das demais.

  4. O monotrilho é extremamente caro sua operação, o mesmo custo do metrô, transportando 1/8 de passageiros, a implantação é rápida e mais barata que o metrô, mas não transporta a quantidade de passageiros e ainda poluem visualmente a cidade.

    1. Marcelo,

      Monotrilho transporta só 1/8 em relação ao metrô pesado/convencional? De onde vc tirou essa “informação”/desinformação?
      Há monotrilhos e monotrilhos, meu caro.

      O monotrilho da L15 pode carregar mais de 60% da capacidade de um trem convencional do metrô (composição com 6 carros), podendo chegar a até 3/4 (quase 67%) quando comparado às frotas com bitola padrão/internacional (linhas 4 e 5). E transporta cerca de metade do que leva um trem metropolitano atual (composição com 8 carros) da CPTM.

      Quanto ao custo total, 1 km de metrô convencional (subterrâneo), atualmente, não sai por menos de uns R$ 800 milhões pelo menos, valor este significativamente superior ao custo por km da L15-Prata.

      E quanto à integração urbana (poluição visual), particularmente (mas arrisco a dizer que seja a opinião da maioria) e honestamente, acho que, em linhas gerais, os locais por onde a Linha 15 passa ERAM degradados ANTES do monotrilho existir, NÃO AGORA!

Comments are closed.

Previous Post

Após prisão de Alexandre Baldy, Secretaria dos Transportes Metropolitanos segue sem mudanças

Next Post

Futura estação Panamby da Linha 17-Ouro segue nos planos de megaempreendimento

Related Posts