CPTM Destaques Linha 13

Novo trem da Linha 13-Jade terá recursos inéditos no Brasil

Produzido pela gigante chinesa CRRC, composição da Série 2500 da CPTM introduzir no país o mapa de estações digital, bagageiros para malas volumosas e botão de abertura das portas
As novidades do novo trem da CPTM: bagageiros para malas volumosas (esquerda), mapa de estações digital e os botões de abertura de portas (círculo amarelo) | CRRC

Com embarque previsto na China para o dia 17 de junho (segundo a colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de São Paulo), o primeiro trem da Série 2500 da CPTM trará alguns recusos inéditos ou raramente usados no Brasil.

A composição, que foi fabricada pela CRRC Sifang, gigante do setor ferroviário da China, é a primeira de oito unidades encomendadas pela CPTM com exclusividade para a Linha 13-Jade, que atende o Aeroporto de Guarulhos. Ao contrário dos trens mais recentes encomendas pela companhia, a Série 2500 é produzida totalmente no exterior e será a primeira vez que a CPTM terá em sua frtota um modelo chinês – antes a companhia havia herdado os trens asiáticos da Série 4800 fabricadas pelas japonesas Toshiba e Kawasaki e que foram aposentados em 2010.

Por essa razão, a CRRC acabará introduzindo algumas tecnologias e padrões desconhecidos na rede metroferroviária de São Paulo. Um deles foi pedido pelo governo do estado, a instalação de bagageiros para facilitar a viagem de passageiros oriundos do transporte aéreo, sobretudo. Serão dois tipos de bagageiros, para malas pequenas acima dos assentos e já vists em outros trens por aqui, e um compartimento para grandes malas perto da passagem entre os vagões.

Mas são duas tecnologias que prometem chamar a atenção dos usuários. A primeira é o mapa digital de estações acima das portas – que terão 1,60 metro de largura como nos novos trens da empresa -, que poderá mostrar várias informações em tempo real além de permitir alterações no layout de forma mais simples. Hoje os paineis existentes tanto no Metrô quanto na CPTM mesclam soluções por luzes de indicação sob mapas físicos ou apenas adesivos autocolantes como na Série 7000 da CAF. A solução da CRRC, no entanto, parece mais adequada do que a dos monitores de outras séries da CPTM, que ficam localizados acima dos assentos.

Botão da curiosidade

A outra novidade que o Série 2500 traz na bagagem é o botão de abertura manual das portas. Trata-se de um equipamento comum em metrôs e trens no exterior onde a abertura da porta fica a cargo do passageiro. Caso ele não acione o dispositivo, as portas permanecem fechadas evitando consumo de energia e o funcionamento desnecessário. No entanto, a CPTM não tem planos de disponibilizar essa possibilidade no Brasil: “Os trens da série 2500 serão equipados com dois modelos de abertura de portas: o automático e o acionamento por botão pelos passageiros após comando do maquinista.  A operação da CPTM trabalha somente com o modelo automático de abertura de portas“, afirmou a companhia em resposta ao site.

A decisão é compreensível afinal o uso do recurso dependeria de um período de adaptação para que o usuário aprendesse como manuseá-lo e, sobretudo, que esse acionamento fosse consciente. Quem sabe num futuro, a ideia possa ser implantada na Linha 13-Jade. Enquanto isso, o botão deverá chamar a atenção por um bom tempo.

O novo Série 2500 da CPTM: embarque para o Brasil nos próximos dias (CRRC)

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

4 Comentários

Click here to post a comment
    • Arlindo não sei que tecnologia e essa so sei que o VLT do Rio falta e integração com os outros moldais de transporte pois ele passa ão lado de todos os moldais e não tem integração tarifaria e os passageiros so pagam a pasagem se quiserem ai como vai se fazer a manutenção do mesmo que essa manutenção e cara gostei do VLT mais senti essa falha. as paradas todas abandonadas e sem funcionarios as catracas todas liberadas e a validação do cartão dentro do VLT e feito pelo passageiro so se ele quizer foi isso que eu senti mais o VLT achei perfeito muito bom.

Airway