Pesquisa Origem Destino do Metrô testa uso de celular para colher dados de deslocamentos

Avatar
Experiência-piloto foi iniciada nesta semana com 10 mil participantes e visa validar eficiência do método de pesquisa
OD Digital (CMSP)

O Metrô de São Paulo deu início nesta semana uma experiência-piloto da Pesquisa Origem Destino que utiliza um aplicativo de smartphone para colher os dados de deslocamento dos passageiros.

A ideia é validar a eficiência desse método para substituir a tradicional pesquisa, feita a cada dez anos por meio de entrevistas presenciais. O aplicativo foi desenvolvido pelo consórcio Cittamobi-Oficin, que ficará responsável pelo trabalho de apuração.

Nessa primeira fase, a pesquisa ocorrerá em etapas com 10 mil pessoas a fim de apurar os locais para onde se deslocam, os motivos e modais utilizados. Segundo o Metrô, o intuito ainda não é gerar resultados estatísticos, mas a companhia crê que a tecnologia pode gerar ganhos inestimáveis.

“Se bem sucedido, o uso da tecnologia pode nos trazer diversos ganhos, como economia de tempo e de recursos financeiros. Essa é uma tendência que Paris, por exemplo, já vem testando e nós vamos buscar para achar o modelo ideal para São Paulo”, disse Silvani Pereira, presidente do Metrô de São Paulo. 

Os participantes, entre eles pessoas que foram ouvidas na OD 2017, a mais recente realizada, terão de instalar o aplicativo, autorizar a coleta de dados por GPS durante uma semana e informar em três dos dias o motivo e modo de deslocamento utilizado.

Para estimular a participação na pesquisa, o consórcio oferecerá créditos no Bilhete Único para uso no transporte público.

Segundo Luiz Antônio Cortez, gerente de planejamento e meio ambiente do Metrô, se for bem sucedida a experiência pode potencializar a agilizar as próximas edições da pesquisa: “na última OD o Metrô empenhou uma força de trabalho gigante que visitou mais de 100 mil domicílios e entrevistou 150 mil pessoas. Nós esperamos que essa tecnologia facilite e agilize a coleta dos dados, de forma segura, podendo servir de modelo para a Pesquisa de Mobilidade que será feita em 2022 e a Origem Destino em 2027”.

Total
9
Shares
1 comment
  1. Não seria mais fácil configurar os bloqueios para armazenar dados na entrada e saída dos usuários?
    Hoje já temos que passar o cartão para entrar, seria somente configurar os bloqueios para que as pessoas tenham que passar o cartão na saída. Com isso teria dados de deslocamento de milhares de pessoas.

Comments are closed.

Previous Post

Complexa, concessão das linhas 8 e 9 da CPTM flerta com risco de insegurança jurídica

Next Post

TCU adia decisão sobre implantação do People Mover do Aeroporto de Guarulhos

Related Posts