Suspenso desde o início da quarentena do coronavírus, o serviço Airport Express, da Linha 13-Jade CPTM, não tem prazo de ser retomado, informou a companhia ao site nesta quarta-feira, 19. A empresa também esclareceu a repercussão de uma publicação no Diário Oficial do estado nesta semana que gerou interpretações distorcidas, que confundiram uma mudança no convênio Paese com a transformação do expresso em serviço comum.

O aditivo no contrato de convênio entre as operadores de trens e a SPTrans e EMTU para assistência do Paese em situações de falhas na operação alterou a condição do Airport Express no atendimento emergencial, que era feito com “ônibus diferenciados” e agora será realizado com ônibus comuns intermunicipais. Para isso, a CPTM modificou o status do serviço para “regular comum”.

A descrição do documento, no entanto, não era clara o suficiente para entender do que se tratava a mudança. Podia se interpretar o novo status de serviço comum como a cobrança do mesmo valor do sistema, R$ 4,40 em vez de R$ 8,80, e até mesmo sua integração gratuita com outras linhas, o que hoje não existe.

Por essa razão, o site questionou a Secretaria dos Transportes Metropolitanos no mesmo dia da publicação, mas só obteve uma resposta satisfatória nesta quarta-feira. Segundo a CPTM, “não há mudança no valor do Expresso Aeroporto. A mudança se refere apenas ao Paese, que é acionado caso ocorra alguma interrupção na circulação do trem. E se isso acontecer, nenhum valor é cobrado do passageiro. A circulação do Expresso Aeroporto, nem sua tarifa, encontram-se alteradas, mantendo-se a situação anterior (tarifa de R$ 8,80)“.

Baixa procura

Como mostrou o site meses atrás, o serviço Airport Express, lançado pela gestão Alckmin, sempre teve uma baixa procura que, segundo dados obtidos no ano passado, não chegava à média de 30 passageiros por viagem. Apesar disso, o serviço sem paradas entre Luz e Aeroporto Guarulhos trafegava por vias de duas linhas bastante movimentadas, a 11-Coral e 12-Safira, até chegar a Engenheiro Goulart, onde a Linha 13-Jade de fato começa.

Com apenas 130 mil passageiros passando pelo ramal em seu serviço normal em todo o mês de julho, a Linha 13 está distante da meta do projeto, que é de transportar 120 mil usuários por dia. Para tentar atrair mais pessoas, o governo Doria estuda levar o ramal da CPTM até a estação Barra Funda, mas não detalhou como isso será feito nem quando ocorrerá.