Um ano após ser implantado, o Expresso Aeroporto, ligação direta entre as estações Luz e Aeroporto Guarulhos, da Linha 13-Jade da CPTM, tem transportado em média somente 31 passageiros por viagem, segundo dados obtidos pelo site junto à companhia. Trata-se de um número de usuários que não chega a preencher os assentos de um ônibus comum, um contraste imenso com os trens utilizados nesse serviço e que têm capacidade para até 2.600 passageiros, contando quem viaja em pé.

Em outras palavras, é como se fosse necessário realizar apenas três viagens durante um mês inteiro para dar conta de toda a demanda do serviço, que teve seu melhor momento em julho quando 7.628 passageiros embarcaram nas dez viagens diárias – cinco em cada sentido.

Ao contrário da Linha 13-Jade como um todo, que tem apresentado uma demanda crescente (embora muito distante da capacidade nominal), o Expresso Aeroporto tem oscilado sempre em torno de 300 usuários por dia útil. A melhor média este ano foi obtida em janeiro com 338 passageiros, segundo dados da CPTM.

A falta de interessados em utilizar o serviço expresso pode ter diversas razões. Uma delas pode ser o fato de o trem parar longe dos terminais, mas esse problema também afeta o serviço normal e o Connect, extensão até o Brás.

A escolha da estação da Luz, no entanto, favorece a conectividade do serviço por ser mais fácil chegar ao local de partida dos trens. São quatro linhas operando na estação, duas delas de metrô, o que em tese torna a viagem rápida e com poucas trocas de trem. Por falar em velocidade, eis aí seu maior trunfo: o trajeto de cerca de 24 km é feito em 35 minutos mesmo com as restrições de velocidade em boa parte das vias. Ou seja, é uma forma muito mais veloz de chegar ao Aeroporto de Guarulhos, mesmo que seja necessário tomar um ônibus gratuito para chegar aos terminais.

A questão da tarifa, no entanto, pode ser uma das causas da falta de atratividade do serviço. Embora o custo seja bastante baixo comparado a outros modais (R$ 8,60), o bilhete só pode ser adquirido na bilheteria exclusiva na estação da Luz e com pagamento em dinheiro em espécie. Outra possível dificuldade é o fato de os trens não circularem em horários mais movimentados para não prejudicar as linhas 11-Coral e 12-Safira que “emprestam” suas vias para o serviço. Com isso, uma boa parte da demanda é desperdiçada, possivelmente – as partidas de Guarulhos ocorrem às 9h, 11h, 13h, 15h e 21h enquanto na estação da Luz os trens saem às 10h, 12h, 14h, 16h e 22h.

Serviço entre as estações da Luz e Aeroporto Guarulhos custa R$ 8,60 e possui 10 partidas, cinco em cada sentido

Outra hipótese pode estar ligada à falta de publicidade do serviço e de ações que incentivem seu uso. A venda de bilhetes integrados ao serviço comum em outras estações, por exemplo, facilitaria o planejamento e o tempo gasto para acessar o Expresso Aeroporto. A possibilidade de pagamento por meios eletrônicos como cartões de crédito também teria potencial de atrair turistas que visitam São Paulo.

E o futuro?

Lançado como bandeira eleitoral do ex-governador Geraldo Alckmin, o Expresso Aeroporto deveria ser a resposta tardia a diversos projetos ambiciosos de conectar o aeroporto internacional, o maior do continente, com a região central da capital e sua malha metroferroviária. Um desses projeto foi a finada Linha 14-Onix idealizada na década passada como um serviço expresso conectando a estação da Luz a uma futura estação em frente ao atual terminal 2 de Guarulhos. Com viagens realizadas em apenas 20 minutos, a linha seria uma concessão privada e teria um preço na época de R$ 30,00 e intervalos de somente 6 minutos, mas em 2013 Alckmin cancelou o projeto em favor da Linha 13-Jade.

Após a concessão do aeroporto para a iniciativa privada, os planos de levar a Linha 13 até uma estação próxima aos terminais foram alterados porque a GRU Airport preferiu não liberar a área pretendida. Em vez disso, se comprometeu a construir um “people mover” que levaria os passageiros até a atual estação Aeroporto Guarulhos, mas o projeto só ficou no papel. Neste ano, o governador João Doria anunciou a retomada desse projeto com recursos federais, mas até o momento não há informações sobre seu andamento.

Já a Linha 13 acabou sendo “desviada” no sentido centro para ampliar sua conectividade, porém, sem que obras de melhorias nas vias e sistemas fossem realizados, o que deve ocorrer nos próximos anos. Até lá, o Expresso Aeroporto pode continuar vivo, mas seria mais sensato que o governo implementasse alguma estratégia para que os trens possam ser melhor aproveitados em vez de desfilarem com apenas 30 pessoas a bordo.

Atualizado em 31 de outubro: nesta manhã, a CPTM enviou uma nota sobre a matéria, mas sem esclarecer quaisquer das dúvidas que o site encaminho na segunda-feira. A companhia apenas ressaltou o fato de ter transportado mais de 60 mil pessoas até setembro, número que representa menos de 2% do volume de passageiros que utilizaram a Linha 13-Jade no mesmo período.

Vale lembrar que cada viagem de um trem do Expresso Aeroporto gera de receita bruta para a CPTM em média R$ 267,00 (31 pagantes vezes a tarifa de R$ 8,60), pouco mais que uma corrida de táxi até o aeroporto.

Eis a nota da CPTM:

Mais de 60 mil pessoas utilizaram o serviço Expresso Aeroporto de janeiro a setembro e a CPTM prevê o crescimento gradativo da demanda, como já vem ocorrendo na Linha 13-Jade. 

Quanto à tarifa, vale lembrar que o serviço expresso é opcional. Os passageiros contam também com alternativas para chegar à Estação Aeroporto-Guarulhos. O serviço Connect disponibiliza trens partindo do Brás pelas linhas 11-Coral e 12-Safira e ainda é possível seguir para o aeroporto pela Linha 13, no serviço regular, a partir da Estação Engenheiro Goulart, usando as transferências gratuitas nas linhas do Metrô. São opções que levam ao aeroporto com a tarifa de R$ 4,30, ou seja, com apenas um bilhete.

Com relação à ligação da Linha 13 aos terminais do aeroporto, o projeto está sob a responsabilidade da GRU Airport“.

Área de embarque na estação da Luz: viagem em apenas 35 minutos