Trens Metropolis da Frota F voltam à operação comercial na Linha 5-Lilás

Composições que estrearam no ramal em 2002 estavam afastadas de serviço desde março de 2017, quando o sistema de sinalização CBTC foi implantado
Trem da Frota F de volta à operação (STM)

Após mais de 3 anos e meio, os trens da Frota F voltaram à operação comercial da Linha 5-Lilás do Metrô neste sábado (12). Um vídeo da Secretaria dos Transportes Metropolitanos mostra a composição 505 chegando à estação Santo Amaro, em direção à Chácara Klabin.

É o fim de uma novela que dura desde 2017 quando a Bombardier concluiu a entrega do sistema CBTC no ramal hoje operado pela ViaMobilidade. Na época, embora os trens Metropolis fossem equipados com o novo sistema, o Metrô optou por usar a nova Frota P, fabricada pela CAF, e que só possuía o CBTC equipado. Mais numerosa (26 composições), ela facilitaria a expansão dos serviços à medida que mais estações fossem inauguradas.

Enquanto isso, a Frota F ficou parada à espera da finalização dos testes, porém, o processo foi longo e cheio de promessas de retorno. Apenas em junho deste ano, o Metrô e a Bombardier concluíram esse trabalho e repassaram as oito composições para a ViaMobilidade. No entanto, a concessionária também seguiu avaliando os trens em viagens durante a operação, mas sem receber passageiros.

A pandemia do coronavírus também fez a urgência pela entrada dos trens perder sentido já que o movimento de passageiros segue bem inferior a fevereiro, último mês de operação normal. Se nesse período, passavam em média pela Linha 5 quase 590 mil pessoas diariamente, em outubro esse volume foi de apenas 334 mil usuários.

Ao todo, a ViaMobilidade passa a contar com 34 trens operacionais, o que permitirá a redução do intervalo nos horários de pico assim que a demanda voltar ao patamar pré-surto. A volta da Frota F revela o constraste com os trens da Frota P. As composições, que não possuem salão contínuo, também carecem de um painel de estações eletrônico – em vez disso há um adesivo com as paradas acima da porta. Até mesmo o mostrador eletrônico de destino na frente dos trens continua desativado, substituído por um cartaz.

Total
28
Shares
12 comments
  1. Só por oferecerem uma maior oferta de lugares, seu retorno já é super válido! Estive presente e a sensação foi de nostalgia total!

    Interessante notar que os Operadores estão falando em inglês, mantendo o padrão da ViaMobilidade.

    Alguém sabe dizer quando abrirá novas vagas para Operador de Trem na L5?

  2. A ViaMobilidade tem mostrado muita competência desde que assumiu essa linha. Só precisa aumentar o salário dos Operadores de Trem, coitados. São primordiais para o funcionamento dessa linha, e merecem um salário compatível com a responsabilidade que possuem.

    Será que em breve veremos 30 trens no pico? Seria um sonho.

  3. Apesar da pandemia e numeros menores, nos ultimos 90 dias os trens da linha 5 lilas estavam cheios no horario de pico, o que demonstra claramente a necessidade de mais trens nos horarios de pico da manha e da tarde ! demorou demais esta entrada em operaçao da frota F e nao ha desculpa para isto, muito menos de pandemia !

  4. No texto e citado a entrega do sistema CBTC pela Bombardier, mas no vídeo dentro do trem é mostrado a placa da Alstom. Alguém explica essa questão!

  5. Tem placa da Altom porque eles construíram este trem. CBTC é um sistema dentro de outro tanto de sistemas que compõem um trem.

  6. Só uma observação (talvez irrelevante para alguns, rs): a adoção de assentos trasversais em um trem estreito como esse (assim como a frota P) deixa o corredor ainda mais apertado e desconfortável.

    As frotas novas da CPTM, cujos trens são mais largos do que esse, alternam assentos transversais com laterais frente a frente, a fim de melhorar o espaço do corredor. Mas o Metrô insiste com assentos transversais, um de frente com outro, mesmo em frotas com largura mais estreita (F e P). Resultado: conforto zero para quem vai em pé no corredor.

    🤷🏻‍♂️

    1. Boa observação, Victor.
      Assim como acontece nas indústrias automobilística, eletrodomésticos etc. vale ressaltar da inconveniência de um montador concorrente fazer esta troca de componentes, por questão de garantias o ideal seria seu próprio fabricante. Da mesma forma causa estranheza que os custos e a administração destas instalações e modernizações administradas pelo Metrô, e não pela concessionária.
      Vale lembrar que esta Linha-5 possui modais divergentes das Linhas-1, 2 e 3, e portanto suas composições possuem características próprias que bloqueiam a interpenetração com outras linhas, como bitola, forma de alimentação elétrica, largura de carruagem e finalmente a distância entre as portas, que deveram coincidir obrigatoriamente com o modelo das portas fixas nas plataforma que estão sendo implantadas. (Nesta situação mais uma vez fica clara a importância da padronização).
      A Linha-5 Lilás até poderia se interpenetrar na Linha 2-Verde sem transbordo com intuito de se evitar tumultos e aglomerações, mas infelizmente foi concebida em modais diferentes, porém a boa notícia é que existe um estudo avançado para se estender seu terminal da Chácara Klabin para a Estação Ipiranga da Linha 10-Turquesa da CPTM, assim como já foi confirmado para a Linha 15-Prata.

  7. Fiquei super emocionado com a matéria. Pura nostalgia e charme. Obrigado Via Mobilidade , aos poucos vai mostrando sua competência. Quando puder quero dar uma voltinha em uma destas composiçôes, pois nâo sou fâ da sala continua. Bola pra frente e sucesso… !!!

Comments are closed.

Previous Post

Após embate judicial, obras da Linha 17-Ouro do Metrô serão retomadas na próxima semana

Next Post

Ao contrário de tendência mundial, Metrô e CPTM passam a usar QR Code como pagamento eletrônico

Related Posts