Após 11 semanas, Metrô ainda não selecionou consórcio que fará as estações Boa Esperança e Jacu Pêssego da Linha 15

Licitação teve a sessão pública de recebimento de propostas realizada no dia 6 de maio com 11 grupos concorrentes. Segundo companhia, certame “está na fase de análise e julgamento das propostas”
Monotrilho da Linha 15: licitação de expansão em ritmo de espera (GESP)

Passados 76 dias até esta quarta-feira, 21 de julho, o Metrô de São Paulo ainda não se pronunciou a respeito da licitação de engenharia e obras civis do novo trecho da Linha 15-Prata. O certame envolve a construção das estações Boa Esperança e Jacu Pêssego além da implantação do pátio Ragueb Chohfi e é previsto para entrega em 2024.

Lançada em dezembro do ano passado, a licitação foi adiada por duas vezes até que a sessão pública de recebimento ocorresse no dia 6 de maio, com a participação de 11 consórcios, o que demonstra uma grande concorrência pelo contrato.

No entanto, a companhia continua sem declarar um desses consórcios vencedor a fim de seguir com o trâmite previsto, de homologação e posterior assinatura do contrato. O site questionou o Metrô sobre a demora e recebeu a seguinte resposta: “A licitação para a ampliação da Linha 15-Prata até Jacú Pêssego está na fase de análise e julgamento das propostas”.

Presunção de inexequibilidade

O menor valor proposto pelo conjunto da obra foi feito pelo consórcio Paulista Linha 15 (Heleno & Fonseca, Paulitec e Nova Engevix) que pediu R$ 319 milhões. No entanto, essa soma foi bastante inferior às demais propostas, que situaram-se entre R$ 450 milhões e R$ 590 milhões.

Planta da futura estação Boa Esperança

Parece algo positivo, mas em se tratando de licitações públicas nem sempre o preço baixo é um bom sinal. O exemplo mais recente do risco para o Metrô em contratar uma empresa que posteriormente pode não dar conta do projeto ocorreu com a construtora Isolux-Corsan.

A empresa espanhola venceu a concorrência das obras da fase 2 da Linha 4-Amarela, mas após entregar apenas a estação Fradique Coutinho, a Isolux teve o contrato rescindido por ter parado as obras por meses. O Metrô foi obrigado a relicitar a maior parte do projeto, o que atrasou o cronograma já bastante afetado.

Para evitar essa situação, o edital da Linha 15 estipula que a melhor proposta pode ser enquadrada no critério de presunção de inexequibilidade (ou seja, seja impossível de ser executada) caso os valores globais da proposta sejam inferiores a 70% do menor valor entre a média aritmética das propostas ou do orçamento estimado pelo Metrô.

PosiçãoConsórcioValor da proposta
Paulista Linha 15 (Heleno & Fonseca, Paulitec e Nova EngevixR$ 319.088.110,83
Engibras e EneplanR$ 449.857.315,84
KPE, OAS e PhegassusR$ 459.709.084,80
QG e MPO SoluçõesR$ 461.022.933,00
Telar, Gros, Consbem e CCIR$ 479.968.246,93
Expresso Tiradentes 3 (CLD, TMK e JB Construções)R$ 489.899.000,00
Nova Linha 15 (Constran, Colares Linhares e Cetenco)R$ 499.409.571,12
S/A Paulista e Benito RoggioR$ 506.780.053,68
Ferreira Guedes e ADTransR$ 509.936.728,02
10ºOECI e OengerR$ 518.197.019,42
11ºTTTP Linha 15 (Tiisa, Triunfo, TCE e Power China)R$ 589.574.019,90
 Soma de todas as propostasR$ 5.283.442.083,54
 Média aritméticaR$ 480.312.916,69
 Proporção do valor da menor proposta em relação à média66,4%

A companhia, no entanto, considera esse orçamento sigiloso, portanto não há como afirmar que a proposta tenha sido enquadrada nesse critério. Por outro lado, em relação ao outro critério, de fato o valor de R$ 319 milhões é 66,4% inferior à média aritmética das 11 propostas, que foi de R$ 480 milhões.

Se essa constatação ocorreu na licitação em questão, o consórcio Paulista Linha 15 teve a prerrogativa de demonstrar por meio de justificativas técnicas e financeiras que sua proposta é viável. Para isso é preciso comprovar pontos como coeficientes de produtividade e preços de insumos, por exemplo.

Caso não consiga esse intuito, o consórcio é desclassificado, sendo chamada a segunda proposta mais em conta, nesse caso do consórcio Engibrás e Eneplam (R$ 449,9 milhões).

A expansão da Linha 15 no sentido leste deve acrescentar mais 3 km ao ramal de monotrilho e ampliar significativamente sua demanda.

Total
15
Shares
4 comments
  1. Finalmente decidiram falar sobre esse tema, causa estranheza a demora na divulgação das análises. Acredito que parte da demora seja para a prefeitura de SP “ganhar tempo” em relação da ampliação da avenida Ragueb Chohfi, pois deverá ser ampliada logo após a estação J.Colonial, além de outros problemas presentes na região das futuras estações.

  2. Melhor que demorem alguns meses agora e garantam que a empresa é ou não capaz de entregar a obra, do que a empresa assumir rápido, largar a obra por não ter como entregar e tudo ficar anos abandonado.

Comments are closed.

Previous Post

Metrô inicia segunda etapa da pesquisa OD Digital

Next Post

Veja como serão os edifícios de uso misto anexos às estações Tatuapé e Carrão

Related Posts