Veja como serão os edifícios de uso misto anexos às estações Tatuapé e Carrão

Empreendimentos bancados pela concessionária Unitah ficarão localizados sobre terminais de ônibus e oferecerão apartamentos de 20 a 45 m² além de espaços comerciais para uso corporativo, educacional ou hospitalar
Projeto do edifício de uso misto ao lado da estação Carrão (CBRE/Unitah)

A Unitah, concessionária que assumiu a operação de áreas comerciais em parte das estações do Metrô prepara a segunda etapa do projeto, que envolve a construção de empreendimentos de uso misto sobre esses terminais.

Apresentação publicada pela empresa CBRE, parceira da Unitah na comercialização desses projetos, revela que duas estações, Tatuapé e Carrão, na Linha 3-Vermelha, já contam algum detalhamento a respeito dos enormes edifícios que serão levantados nesses locais.

Quando arrematou a concessão de operação de vários terminais de ônibus, a Unitah também teve direito e investir em certas estações que possuem área condizente para esse tipo de empreendimento.

O caso de Tatuapé e Carrão é bastante ilustrativo. A empresa utilizará os terminais norte de ambas as estações para erguer edifícios de uso misto com área bastante generosa. A ideia é que as paradas de ônibus continuem no mesmo local, mas em vez de apenas a conhecida cobertura metálica elas farão parte desses conjuntos multimodais, que poderão receber empresas, instituições de ensino e da área médica, por exemplo.

Perfil do projeto para a estação Tatuapé

No Tatuapé, o edifício ficará em frente ao Shopping Boulevard Metrô Tatuapé e contará com três subsolos de estacionamento, seis pisos comerciais (incluindo o térreo) e 17 andares residenciais divididos em duas torres. Serão ao todo 386 vagas para veículos, 22,7 mil m² de área comercial e 21,1 mil m² de área residencial.

O projeto prevê a integração do atual corredor que liga as estações da CPTM e Metrô ao shopping. Os apartamentos terão quatro padrões de tamanho, com 20 m², 30 m², 40 m² e 45 m².

Shopping no Carrão

Se o edifício do Tatuapé terá como vizinhos dois imensos centros comerciais já existentes, o conjunto a ser construído no Carrão terá a vantagem de ocupar um espaço sem concorrência. Embora sem conexão com a CPTM, estação atrai cerca de 116 mil usuários por dia, um público bastante elevado.

A concepção do projeto é semelhante ao da estação vizinha da Linha 3, mas nesse caso os andares de estacionamentos ficam anxeos à parte comercial. Serão quatro pavimentos comerciais, incluindo o térreo, e outras duas torres residenciais de 17 andares, com 604 unidades habitacionais (mesmas opções de apartamentos do Tatuapé).

A área comercial será menor, de 12 mil m², mas que pode se beneficiar da ausência de um shopping vizinho.

As informações não revelam quando as obras serão iniciadas, mas acredita-se que a Unitah está em fase de aprovação do projeto junto à prefeitura. A concessão de exploração dessas áreas acabará em 2049, portanto, é interessante que esses empreendimentos saiam do papel o quanto antes.

O Metrô tem outras 11 áreas de terminais de ônibus que contarão com esse tipo de conjunto multiuso. A Unitah também prepara um projeto semelhante para o terminal de ônibus da estação Ana Rosa (linhas 1-Azul e 2-Verde). Uma imagem preliminar circula na internet há algum tempo mostrando um edifício no mesmo estilo de Tatuapé e Carrão.

A cessão desses terminais promete mudar o entorno de várias estações, oferecendo moradia, serviços e comércio conectados ao transporte de alta capacidade. É um modelo visto em outros países e que tem como vantagem reduzir o tempo e o custo dos deslocamentos além de promover um adensamento em regiões mais bem estruturadas.

Projeto preliminar para a estação Ana Rosa (Unitah)
Total
127
Shares
5 comments
  1. Perfeito. Este será o futuro das grandes metrópoles e com a mudança do plano diretor em SP, teremos muito mais empreendimentos como este. Ganha a população com menos tempo no deslocamento e trens menos cheios.

  2. Ótima solução habitacional e comercial seria caso o metrô comportasse o número de novos utilizadores! A linha vermelha é precária, vem lotada da Sé até o Carrão!

  3. E quem teve de sair do local recebendo umas moedinhas por sua propriedade há décadas atrás?
    Na época era só para obras de metrô, mas a exploração com COMÉRCIO gera milhões e os vereadores ,deputados, prefeito e governadores enchem os cofrinhos e riem muito.

Comments are closed.

Previous Post

Após 11 semanas, Metrô ainda não selecionou consórcio que fará as estações Boa Esperança e Jacu Pêssego da Linha 15

Next Post

Plataformas da estação Mendes-Vila Natal estão praticamente concluídas

Related Posts