Atual quadro de funcionários da CPTM é adequado para operar apenas suas cinco linhas, diz Moro

Presidente da companhia evitou polêmicas a respeito de uma possível devolução das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda, hoje nas mãos da ViaMobilidade, mas deixou claro que empresa reduziu sua força de trabalho após a concessão
Trem da ViaMobilidade (Jean Carlos)

O presidente da CPTM, Pedro Moro, foi questionado sobre os problemas da ViaMobilidade com as linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda na sexta-feira, 31. Em entrevista coletiva, o executivo evitou responder às acusações da concessionária sobre a susposta entrega de trens e vias em más condições e sobre uma suposta encampação dos ramais pela companhia do estado.

Moro, no entanto, deixou claro que a CPTM não tem atualmente condições de reassumir as linhas 8 e 9. “Depois da concessão, ela [CPTM] fez um plano de demissão voluntária para reduzir o seu quadro de funcionários dentro do esperado. Hoje a CPTM opera com as condições para operar as cinco linhas que ela tem hoje”, disse.

O Ministério Público de São Paulo afirmou na semana passada que irá à Justiça para tentar romper o contrato entre o estado e a ViaMobilidade, após mais um trem sofrer um descarrilamento durante a operação.

Segundo a CBN, o promotor responsável pelo caso “sugeriu” que os serviços voltem a ser realizados pela CPTM, mas Pedro Moro disse desconhecer esse detalhe no processo.

Pedro Moro, presidente da CPTM (GESP)

Ao ser questionado sobre as afirmações da concessionária, de que ela herdou falhas e problemas da CPTM, o presidente da companhia preferiu evitar o confronto. “A ViaMobilidade tem feito um trabalho para proporcionar as viagens dentro de um padrão de qualidade que é exigido pelo edital, tem investimentos a fazer e a gente espera que esses investimentos sejam feitos dentro do prazo estipulado no edital”, afirmou.

Siga o MetrôCPTM nas redes: Facebook | LinkedIn | Youtube | Instagram | Twitter

“Acredito que em breve as operações estejam todas normalizadas e que eles possam produzir tudo que está dentro do edital, conforme eles assinaram”, concluiu Moro.

Com reportagem de Jean Carlos.

Total
0
Shares
Antes de comentar, leia os termos de uso dos comentários, por favor
23 comments
  1. O edital trouxe concorrência nos lances, e R$ 980 milhões pela outorga fixa, com ágil de 202%, acrescendo o caixa do estado para viabilizar investimentos na expansão de Linhas verde e prata.

    Serão R$ 3,2 bilhões para:

    * Reforma de 30 estações;
    * Ampliação de seis estações;
    * Construção de um novo terminal;
    * Aquisição de 34 novos trens;
    * Renovação do pátio de Presidente Altino;
    * Implantação de novos sistemas de telecomunicação;
    * Repotencialização do sistema de energia;
    * Adequações nos sistemas de via permanente;
    * Novo Centro de Controle Operacional (CCO);

    Os investimentos estão sendo realizados, é apenas o 2° em um total de 30 anos, conforme forem chegando mais novos trens , e outras melhorias listadas forem executadas, a melhora da operação será notável, e beneficiará diariamente mais de 1 milhão de usuários.

    Acredito que essa concessão dentro de alguns anos será um exemplo de desenvolvimento para São Paulo, melhoria da qualidade de vida, e ao mesmo que tende a melhorar as finanças do estado!

    1. Rapaz! Concordo plenamente contigo!
      Apenas aguarde os canhotos defensores do Estado Malvadão querendo dar lição de moral 😃

      O aparelhado ministério público enchendo o saco (como sempre).

      1. Enchendo o Saco??????

        Falhas atrás de falhas, sendo que várias graves, como abrir portas do lado oposto da plataforma.

        Acho cômico vocês a favor deste super liberalismo desenfreado, fingem não ver que a única coisa que há é uma criação nociva de um monopólio gerido pela máfia chamada CCR, a qual tem mais poder que o próprio estado pelo jeito, haja rabo preso de políticos com tal concessionária.

        1. Teve coisa gravissima pouco comentada, os vagões que asentraram à via principal em Osasco, sem locomotiva.
          O pátio de manobras esta em declive.
          Se houvesse um trem parado na estação Osasco teria colidido, ou pior, se um trem estivesse se aproximando do chave de saída do pátio de Altino, poderia ter sido atingido no “meio” pelos vagões.
          Quanto à manutenção, trens novos não resolve o problema. Isso é começar a reforma da casa pelo telhado.
          Precisa começar pela estrutura.
          Via permanente. (Trilhos/dormentes/drenagem…etc)
          Aparelhos de mudança de via.
          Rede aérea e subestações.
          Para raios em todo trecho.
          Empregados EXPERIENTES.
          Ainda veremos muitos problemas, inclusive, por falhas humanas, porque um ferroviário “começa” a demonstrar perícia e experiência mínimas necessárias após uns 3 anos de serviço.
          Acontece uma coisa intrigante em relação ao risco de erros e acidentes.
          Entre o início até 3 anos de trabalho, acorrem erros e acidentes por inexperiência ou imperícia.
          A partir dos tres anos de trabalho, muitas vezes, as falhas ocorrem por excesso de confiança, achar que já domina o seeviço.
          A verdade é que ferrovia é um sistema complexo, cheio de riscos… Trem não é um “elevador horizontal”…. Trem é TREM!
          Só nos resta torcer pelo melhor.

      2. Quero ver se o senhor vai continuar com essa opinião, quando um trem desses aí descarrilar e acertar em cheio em outra composição. Apesar de a CCR-Imobilidade ter reduzido a velocidade dos trens, claramente assumindo a incompetência para gerir o sistema ferroviário, uma colisão vai deixar uma cicatriz terrível, com prejuízos aos passageiros. Graças a Deus ainda não aconteceu, porém não podemos ficar a mercê da sorte. Os maquinistas da CPTM tem no mínimo 10 anos de condução de trem, eles sabem exatamente onde precisa de um reparo urgente, infelizmente os funcionários da CCR não tem esse know-how e isso não se aprende da noite para o dia. Trem não é metrô e não anda sozinho. Essa conceção foi muito boa, não para o estado, ao contrário do que deve observar o administrador público. Só mais um adendo, hoje o metrô concedido recebe mais de R$ 6,00 por passageiro que usam o sistema. Imagina de onde sai essa parte além dos 4,40?

    2. Você acha um bom negócio a gente pagar R$4,40 para adentrar ao sistema metroferroviário e a CCR receber o triplo disso, cobrando por linha? Esqueça ideologia, direita, esquerda e use só matemática básica da 4ª série para resolver esse enigma. Vai ser sustentável isso? Alguém que embarca na estação Faria Lima e desce no Capão o estado malvadão recebe R$4,40 e passa para a Supervia mobilidade mais ou menos R$12.

    3. Gostaria de entender essa matemática liberal dos tempos modernos tentando passar pano em algo indefensável.
      980 milhões? Sério? E os outros mais de 5 bi que o governo pagou pra ccr? Expliquem esse estado paternal de empresas. Assim fica fácil ser empresário, não acha? Me mostrem em que outro lugar no mundo acontece esse estado papai de empresários…

    4. Amigo, só as obras da péssima linha 17 (já fadada ao fracasso) custaram 300 milhões ao metrô em 2021.

      980 milhões por 30 anos dá 32,5 milhões por ano. Isso não paga nem a manutenção anual dos trens.

    5. Você possui algum cargo de gerenciamento na Via Mobilidade? Pois só alguém nessa posição tem a cara de pau de defender o indefensável

  2. Essa concessão foi muito mal gerida no que diz respeito a sua transição…É inadmissível a quantidade de falhas que está acontecendo na linha, visto que muitos dos incidentes não vem acontecendo com tanta frequência na CPTM…Vejo a galera falando que só “canhotos” defendem a volta pro Estado, mas o ponto é que as cagadas dessa empresa afetam tanto “canhoto” como “coxinha”. Isso pra mim é falta de visão sobre o que é a vida comum.

    A CCR precisa ser mais transparente nas suas ações, principalmente no curto prazo. Não é possível a empresa falar 1 semana antes que tá fazendo revisão nos trilhos e ai chega agora e acontece um novo descarrilamento. Essa empresa precisa se mexer nesse sentido. Culpar a CPTM não resolve os problemas da linha!

    Vejo que a devolução pro Estado ainda assim será traumática, mas ela precisa ser uma opção válida pra que a CCR não faça o que bem entender e compreenda que precisa melhorar urgente o seu “atendimento”.

  3. Esperem só ela pegar a Linha 7-Rubi.

    Vem aí a “ViaMobilidade Linha 7”.

    Monopólio à vista! Linha 4-Amarela, Linha 5-Lilás, Linha 8-Diamante, Linha 9-Esmeralda, Linha 15-Prata (aguardando judiciário), Linha 17-Ouro, tudo isso já é da CCR, e ela quer mais!

    1. Não, não, não, tenho q descordar ai, a Viamobilidade não tem capacidade de operar o monotrilho, e ainda mias, se for como fizeram da última vez, é bem capaz q o MP cancele denovo

        1. Sim mas estamos falando de uma operação complexa, e usando um CBTC precário, falta de dispositivos de segurança, e nas mãos da Viamobilidade, é bem capaz q fique na msm situação das L-8 e 9

    2. Essa CCR e os políticos envolvidos nessa falcatrua não tem vergonha na cara mesmo, pega as linhas 8,9 por 980 milhões = dinheiro de pinga, água vista só de bilheteria as linhas dão mais de 340 milhões e além de tudo o estado sobre a gestão do calça apertada ainda deu 1 bilhão pra CCR, ou seja, deu de graça as 2 linhas e ainda deu mais 20 milhões de brinde pra seus amiguinhos comerem caviar na Europa, pq afinal quem não pode escolher o que comer são os pobres né calça apertada, daí se passa mais de um ano, com falha tudo dia, descarrilamento e a culpa é da CPTM, eles acham que trem é só arrecadar na bilheteria, não tem que fazer manutenção não, os caras foram tão na intenção de do lucrar que não tinham nem veículo de manutenção, numa fala da linha 9 estavam os técnicos perdidos o dia inteiro com escadinha no fio, nem veículo de manutenção com elevador os caras tinham, essa CCR é uma piada, muito em breve o povo paulista vai sentir na pele o que os cariocas passam, se agora que querem pegar todas as linhas eles prestam esse serviço lixo, imagine só quando for tudo deles.

  4. Pedro Moro está pisando em ovos porque ele é só um funcionário do GESP. Trocou o chefe esses dias, pode ser demitido, não sabe o dia de amanhã, se um operador privado pode chamar ele para um cargo diretivo.
    Ele não quer se comprometer, só isso.

  5. É bom ver que tirando os dois primeiros comentários, que são claramente passadores de pano para iniciava privada, e provavelmente concurseiros frustados com raiva de funcionários públicos, todos concordam que concessão não é tão simples assim como esses governantes pintam, que a CPTM tem know how de décadas para fazer o serviço e que a incompetência e a soberba da CCR causou todo esse transtorno à população.
    Não tem como defender esse modelo de concessão.

  6. Pedro Moro parece o Cerveró com esse olho aí kkkkkkkkkk
    Um amigo meu cantou essa bola sobre a CPTM não pegar de volta às linhas concedidas. Ou seja, em miúdos, mandou enfiar no fiofó.

  7. Como já disseram, o presidente é cargo comissionado, o dele e de outros grandões já está garantido. Ou vc acha q ele estaria defendendo tanto uma concessão que “acabaria” com o emprego dele?

    Sobre a CPTM reassumir, ela tem condições sim, a duras penas é claro, se for agora. A CPTM começou a mandar embora o pessoal ainda em junho. Nos últimos meses de gestão CPTM nas linhas 8/9, a CPTM operou com quadro mínimo. E ainda hoje há serviços da CPTM nas linhas 8/9, segundo aponta o documento do MP

  8. Nessa briga Via mobilidade x Gov SP x Mini Público não tem santo…Resta saber qual é o interesse de cada um no negócio..Uma coisa eu sei que nenhuma parte tem: preocupação com o contribuinte/usuário….

  9. As atuais Linhas 8 e 9 não possuem trens cargueiros em suas linhas, diferente ao que acontece com as da CPTM, esta facilidade não está sendo aproveitada, pois apesar disto, conforme descrito nesta reportagem a CCR, empresa que administra inúmeras concessões no Brasil com Itausa, Votorantim com participações da Andrade Gutierrez, Camargo Côrrea, CR Almeida, possuindo ações na Bolsa, renumera muito bem seus diretores, a maioria oriundos da CPTM e Metrô, o presidente é cargo comissionado, o emprego dele e de outros figurões já está garantido. Ou você acha que ele estaria defendendo tanto uma concessão que “acabaria” com o emprego dele, o mesmo não se pode dizer relação aos seus novos técnicos e operadores que embora receberam treinamentos com operação assistida não foram suficientes e adequados, tem como objetivo maior o lucro a seus acionistas, e não o bem-estar, qualidade e mobilidade dos usuários de serviços, gastando milhões em publicidade ilusória em matérias pagas em jornais, revistas especializadas em rádio, e TV, e investindo pouco na sua expansão e melhorias.
    Com relação segundo os diretores da ViaMobilidade aos “péssimos trens vindos da Zona Leste em péssimo estado de conservação” da série 7000 são os mais novos com 3,3m de largura com estribo minimizado, eles trafegaram em TODAS as linhas da CPTM sem exceção, sendo que esta composição descarrilhada Q088 formada por oito vagões, com as seguintes designações: 7087-R087-R088-7088-7086-R086-R085-7085, sendo o carro R086 afetado pelo descarrilamento em frente à plataforma da estação Domingos de Moraes, no sentido Itapevi, foi a mesma que se chocou em Júlio Prestes em março, e emprestada sem ônus e nenhum problema para concessionária não está se pagando pelo empréstimo.

Comments are closed.

Previous Post

Linha 15-Prata volta a operar normalmente após manutenção de via atrasar

Next Post

Linha 5-Lilás tem pane elétrica em trecho entre Chácara Klabin e Hospital São Paulo nesta segunda, 3

Related Posts