A abertura em horário reduzido da estação AACD-Servidor, da Linha 5-Lilás, nesta sexta-feira (31), fez a rede de linhas de metrô atingir a marca de 90,9 km e 80 estações, segundo o governo do estado de São Paulo.

Operada pela ViaMobilidade, concessionária privada que assumiu a linha no começo do mês, a estação funcionará das 9 às 16 horas na chamada operação reduzida em que já há cobrança de tarifa, ao contrário da operação assistida onde o usuário acessa gratuitamente o novo trecho. O lado positivo dessa opção é não obrigar o passageiro a desembarcar de um trem e ir até os bloqueios para pagar a passagem.

Pelo nível de funcionamento em que a linha está no momento é provável que o período de operação reduzida seja curto, mas a concessionária não revela qual será esse período.

Como antecipado pelo site no ano passado, AACD-Servidor será a estação mais acessível da linha, com plataforma mais larga, maior número de elevadores (9) e que têm dimensões superiores às demais paradas. Não significa que ela seja ideal para os usuários com mobilidade reduzida, mas seu projeto antecipou essas necessidades, inclusive ao incluir um estacionamento subterrâneo em seu interior – nem todas as pessoas que frequentam os hospitais da região, incluindo a AACD, que dá atendimento a crianças com deficiência, poderá usar o metrô.

AACD também terá uma utilidade extra, a de ser hoje a estação mais próxima do Parque do Ibirapuera, mais conhecida área de lazer da cidade. Dependendo do portão, o passageiro precisará andar cerca de 1 quilômetro a partir da estação, uma distância bem razoável. A previsão do Metrô é que a estação tenha um movimento diário de 22 mil pessoas.

Ritmo melhorou mas deve cair no futuro por conta de obras paradas

Ritmo acelerado, apesar de não parecer

Segundo o governo, a Linha 5-Lilás tem agora 17,3 km de extensão, que a torna a terceira mais extensa do metrô e oferecendo uma estação a menos que a Linha 2-Verde – 13 contra 14 -, situação que deve mudar nas próximas semanas com a abertura das estações Hospital São Paulo, Santa Cruz e Chácara Klabin.

Embora a gestão Franca tenha dito que com ela chegamos à 80 estações, segundo cálculo do site ela seria a 79ª estação aberta. Mas, utilizando o critério do governo, esse foi o período mais veloz de ampliação da rede. Se para chegar à 70 estações o Metrô precisou de 2.681 dias para atingir 80 paradas foram apenas 220 dias – considerando que essa marca ainda não foi atingida ela certamente levará apenas mais algumas semanas.

Ou seja, nunca nem de perto o metrô teve tantas estações abertas num curto espaço de tempo. Em que pese muitas terem sido inauguradas de forma açodada e incompletas, é fato que o ritmo foi muito acima da média. E poderia ter sido melhor afinal também foi inédito que a região metropolitana tivesse tantas linhas em construção ao mesmo tempo. Isso mostra que a expansão da rede merece recursos de todos os níveis de governo e uma gestão mais profissional capaz de manter essa velocidade de expansão sempre alta.

Veja também: São Paulo precisa valorizar seus mais de 360 km de trilhos