Com tempo de viagem 55% superior à Linha 18 do Metrô, corredor BRT ABC será lançado nesta sexta-feira

Corredor de ônibus que será implantado pela Metra fará a viagem entre São Bernardo e o Sacomã em 40 minutos no serviço expresso. Ramal de monotrilho cancelado por Doria previa viagem mais longa em menos de 26 minutos até o Tamanduateí
Vendido como equivalente ao metrô, corredor da Metra demorará ao menos 15 minutos a mais que Linha 18 (GESP)

Vinte meses após anunciar o cancelamento da Linha 18-Bronze do Metrô, num retrocesso até então inédito em mobilidade urbana em São Paulo, o governador João Doria apresentará nesta sexta-feira, 7, o projeto do ‘BRT ABC’, corredor de ônibus que será implantado e operado pela empresa Metra.

A má notícia (entre tantas outras) para a população do ABC é que o prometido sistema de transporte “equivalente a um metrô” levará nada menos que 40 minutos para percorrer o trajeto entre os terminais São Bernardo e Sacomã, um dos destinos do corredor, que também deve atender a estação Tamanduateí, como faria o ramal de monotrilho.

O tempo de viagem é 55% superior ao estimado para a Linha 18-Bronze, que partiria de uma distância maior (estação Djalma Dutra) e levaria pouco menos de 26 minutos para percorrer 15 km. A grosso modo, serão perdidas cerca de 10 horas mensais, ou mais do que um dia de trabalho no caso dos usuários do futuro corredor que pretendem chegar à rede metroviária de São Paulo no modal substituto.

Mas pode ser pior: a viagem de 40 minutos, segundo o governo, é o tempo que levará o serviço expresso, ou seja, ônibus que venham a parar em mais pontos demorarão ainda mais para chegar ao seu destino.

Segundo a gestão Doria, o corredor exclusivo terá 18 km, 20 paradas, três terminais (ao menos dois deles existentes) e uma frota de 82 ônibus elétricos articulados com ar-condicionado. Pouco provável que se tratem de trólebus já que o custo de implantação seria mais alto, portanto é esperado que sejam modelos com baterias.

Linha 18-Bronze: viagens de 15 km em 26 minutos (Fernandes Arquitetos)

Nem tão capaz, nem tão barato

As diferenças entre os pretextos levantados pela gestão Doria e a realidade do projeto do corredor não se resumem ao maior tempo de viagem. No final de abril, o prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando, um dos maiores defensores do projeto, divulgou cifras maiores para tirar o BRT do papel, de “mais de R$ 1 bilhão” e que os ônibus transportariam diariamente 115 mil pessoas.

A despeito desse valor ser bancado exclusivamente pela Metra, trata-se de mais um argumento falso usado para justificar o cancelamento da linha de metrô já que na época estimava-se um custo de apenas de cerca de R$ 680 milhões.

Outra falácia dita em julho de 2019 era de que “O BRT pode ser implantado em 18 meses, a partir do início de sua construção, e tem capacidade para transportar até 340 mil passageiros por dia”, segundo comunicado do governo à época. Ou seja, somente 115 mil usuários equivalem a um terço da promessa de Doria.

Talvez esteja aí a única informação confiável sobre o BRT, o fato de transportar menos pessoas. Com mais tempo de viagem, num veículo menos confortável e seguro e não conectado à rede sobre trilhos, o corredor de Doria naturalmente deve atrair menos passageiros.

O monotrilho, ao contrário, teve sua capacidade estimada em 340 mil obtida por estudos oficiais e públicos, algo que nesses quase dois anos a Secretaria dos Transportes Metropolitanos, comandada por Alexandre Baldy, não ousou apresentar, apesar das seguidas promessas.

Sobre o prazo de implantação exíguo, mais perguntas do que respostas. Segundo Morando, o BRT ficará pronto em dezembro de 2022 (quando se encerra o atual mandato de Doria), com as obras “começando nas próximas semanas”.

Resta entender (se é que existe alguma explicação plausível) como um projeto que ninguém viu e que terá reflexos por onde passa pode começar a ser implantado de uma hora para outra. Além disso, ser concluído em apenas 18 meses já que a assinatura da extensão do contrato de concessão da Metra foi assinada no final de março, portanto há apenas 40 dias.

Será realmente bastante ilustrativo ver a partir de agora na prática o que governador tucano preparou para a população do ABC Paulista após tirar o metrô dos planos da região.

Total
32
Shares
10 comments
  1. SINCERAMENTE, isso tudo não passa de um teatro apenas para ganhar dividendos políticos, vão fazer um corredor de ônibus meia boca para a METRA expandir suas linhas e faturar mais só isso (fora todo o esquemão que montaram para as demais linhas de ônibus no ABC que se Deus quiser o MP vai conseguir anular), no fundo o projeto do metrô deverá ser desenterrado, quem está desenvolvendo esse projeto do BRT já sabe que a população não irá se utilizar desse transporte ridículo que será disponibilizado, vai levar uma hora para se chegar no terminal sacoman (com sorte e se não chover) com a linha convencional, nesse mesmo tempo você vai e volta de carro a esse ponto, ABSURDO, FORA DÓRIA SEU “JESTOR” DE M***A!!!!!

  2. eu fico perplexo como nosso povo em geral está acomodado com tantos desmandos.

    já nao bastam os pedagios caros e lucros absurdos de concessionarias. os contratos que o governo de SP faz na area de transportes metropolitanos sao dignos de uma CPI que nunca saiu.

    o monopolio que está se formando com a CCR nos trilhos, com concessoes desnecessarias, com contratos de avó para neto, que causam prejuizo ao erario publico, com pagamento de multa bilionaria as vesperas de um leilao, q misteriosamente ninguem contestou, ainda tem a desculpa no imaginario de algumas pessoas da ideia de “privatiza que melhora”, visto o sucateamento proposital nas estatais, para causar tal impressao.

    no entanto a mudança de monotrilho para BRT causa mais estranheza ainda. primeiro porque o monotrilho já era uma PPP, ou seja, já teria investimento privado. segundo porque a desistencia vai cobrar do erario prejuizo uma multa bilionaria, praticamente o valor q se espera gastar com o tal do BRT. e terceiro, porque é um “downgrade” imenso, principalmente agora q já está se dominando a tecnologia de construçao e operaçao do monotrilho, q está tendo como cobaia a linha 15. um contrato de concessao estendido para a metra, q em troca de um investimento no BRT ganha o dominio de toda a regiao do ABC. sem explicaçao, sem estudo, sem nada. tudo na canetada, tudo debaixo dos panos. como se fosse uma mafia com a qual nao se pode mexer.

    tudo muito estranho nesse BRT, principalmente o silencio da grande maioria em nao questionar minimamente este absurdo: midia, ALESP, MP, oposiçao, populaçao, midia especializada …

  3. E lamentável. Dizer que o metrô, ou monotrilho, seria caro demais, ao passo que o BRT seria mais barato. Isso só me cheira um lobby para beneficiar um grupo que já dominava o transporte público do ABC, Agora com um presente para este grupo com a renovação da concessão por mais 30 anos e ampliação da área de atuação, podendo eles terceirizar o serviço. Jogou-se fora todo planejamento e estudo para implantação de um sistema de transporte que poderia ser muito melhor, só nao mais do que o metrô convencional. Agora tem-se uma multa que o governo terá que paga para o consorcio Vem. Essa conta não será fechada por menos do que o valor que o governo deveria investir nas desapropriações.

  4. É um erro atrá de outro.
    Quando pensamos que não poderia ficar pior, esse BRT fica.
    A linha 152 da EMTU, com todos os problemas possíveis, faz o trajeto Sacomã-Centro de SBC em 30 minutos.
    É impensável pensar que um trecho de 14km leve tudo isso! Meu Deus!

  5. Tudo não passa de pura armação e uma trapassa contra a população para privilegiar os empresários da Metra, amigos do João Dória, que não passa de mais um empresário ganancioso e ávido por poder que se mete na política apenas para defender os interesses de seus parceiros de negócios e passar a mão no erário público.

  6. Uma tremenda falta de respeito com a região do ABC, esse modal já vai nascer saturado e ineficiente naquilo que se propõe, o tempo de viagem deveria junto com a capacidade de trasportar pessoas ser o ponto de partida de qualquer projeto de mobilidade urbana. A implantação de um sistema com maior capacidade e velocidade de deslocamento agregaria qualidade de vida pois economizaria o tempo preciso de milhões de pessoas. Não sei se ainda é possível a alteração dess projeto espero que alguém tenha q desencia de rever a substituição do monotrilho por esse ônibus articulado que será batizado com um nome moderninho.

  7. Isso é só propaganda eleitoral dos tucanos Doria , Orlando e Carla Morando…. O prefeito de Santo André nem quis participar da apresentação do projeto , mandou o vice. Como obras podem começar em poucos dias se nem aquele favela da beira do Ribeirão dos Meninos foi retirado?

  8. Parabéns aos comentários. Muito lúcidos . Concordo plenamente, e acrescentaria a situação de caos que a construção e a operação deste BRT trará ao viário por onde será construído. Não sobrará espaço para carros ou demais linhas de onibus

  9. Vão pintar só as faixas e colocar os ônibus. E lamentável.. tudo muito obscuro…cadê o ministerio público pra investigar?

Comments are closed.

Previous Post

Metrô recebe 11 propostas para construção das estações Boa Esperança e Jacu Pêssego da Linha 15-Prata

Next Post

Obras da estação João Dias mostram ritmo surpreendente

Related Posts