Dois anos após assumir operação, ViaMobilidade vai dando nova cara à Linha 5-Lilás

Avatar
Concessionária tem realizado um trabalho de recuperação das seis estações originais do ramal de Metrô, além de padronizar sua sinalização
Estação Largo Treze: piso sendo trocado (STM)

Embora seja apenas um ramal, a Linha 5-Lilás oferece duas experiências diferentes aos seus usuários: há o trecho aberto entre 2014 e 2018, com estações modernas, com bastante iluminação natural, (algumas) portas de plataforma, além de sinalização mais clara e agradável. E existem as seis estações originais, inauguradas em 2002, e que ainda seguiam um padrão visual semelhante às primeiras linhas do Metrô, com pisos emborrachados na plataforma, iluminação deficiente e a conhecida falta de padrão em suas placas de sinalização da companhia.

Há dois anos recém completados como operadora da Linha 5, a concessionária ViaMobilidade vem aos poucos mudando de cenário e buscando trazer uma única identidade ao ramal. Além de já ter substituído a sinalização visual original por placas inteiramente na cor lilás, a empresa já substituiu nas estações Capão Redondo, Campo Limpo e Giovanni Gronchi o piso de pluriograma (a famosa placa em borracha) pelo porcelanato, de manutenção mais fácil e que também contribui por tornar os ambientes mais claros.

Isso ficará muito evidente na estação Largo Treze, a única subterrânea da primeira fase da Linha 5. Imagens divulgadas pela Secretaria de Transportes Metropolitanos nesta semana mostram parte do piso emborrachado já removido e sendo preparado para receber o novo acabamento. Restam ainda Vila das Belezas e Santo Amaro, mas esta última deverá passar por um processo diferente já que é alvo de uma obra de maior vulto, a ampliação do espaço de circulação dos usuários.

Parte dos requisitos da concessão, o projeto que ampliará as plataformas e túneis de conexão com a Linha 9-Esmeralda foi iniciado neste ano e deve começar a ficar mais evidente nos próximos meses. A ViaMobilidade já está levantando tapumes no entorno da estação para preparar as intervenções.

Outra obra já concluída foi a modernização e readequação da estação Capão Redondo, atual terminal sul da Linha Lilás. Executada no ano passado, a reforma possibilitou a melhoria do fluxo de passageiros, que chega a atingir 100 mil pessoas em dias úteis.

Portas de plataforma

Além do trabalho da concessionária, também o Metrô está na reta final do processo de instalação das portas de plataforma (PSD) no ramal. A cargo da Bombardier, o serviço já deveria ter sido concluído no trecho novo, mas acabou atrasando. Agora, a empresa já tem quatro estações com o equipamento sendo montado – Alto da Boa Vista, Campo Belo, Moema e Chácara Klabin – e outras quatro sendo preparadas para recebê-las.

Quando a instalação for finalizada em 2021, a Linha 5-Lilás terá mudado bastante do seu conceito original, projetado no final dos anos 90, e sobretudo, deverá apresentar um aspecto de linha única e não a tal experiência dupla atual.

Estação Largo Treze em 2013: ambiente escuro (CMSP)
Total
37
Shares
3 comments
  1. Ricardo, uma característica que também diferencia bastante a estação Largo Treze das demais, é a sua falta de ventilação que dá uma sensação de alta temperatura ambiente na plataforma. Talvez isso se deva pela forma como ela foi construída.

Comments are closed.

Previous Post

Futura estação Panamby da Linha 17-Ouro segue nos planos de megaempreendimento

Next Post

Com prejuízo de quase R$ 1 bilhão, Metrô de São Paulo vê situação financeira se agravar

Related Posts