Doria rebatiza estação da Linha 6-Laranja como ‘FAAP-Pacaembu’

Parada localizada próxima à faculdade privada seria chamada originalmente de ‘Angélica-Pacaembu’ e ficou conhecida pela polêmica da ‘gente diferenciada’
Projeção do acesso da agora estação FAAP-Pacaembu (BVY Arquitetos)

O governador João Doria (PSDB) voltou a utilizar decretos para renomear estações de trem em São Paulo. Nesta terça-feira (28), o tucano publicou decreto que determina a alteração do nome da futura estação Angélica-Pacaembu da Linha 6-Laranja do Metrô para “FAAP-Pacaembu”.

A Fundação Armando Alvares Penteado fica localizada próxima de uma das saídas da estação, em construção pela Acciona, e que deve ser entregue até 2025.

O batismo de estações com referências à instituições de ensino também inclui Higienópolis-Mackenzie e PUC-Cardoso de Almeida e não é surpresa já que o ex-governador Geraldo Alckmin se referia ao ramal como a “linha das universidades”.

A localização da estação e no alto à esquerda, a FAAP (BVY Arquitetos)

Embora a mudança faça mais sentido em relação ao atual local da estação, causa surpresa que a atual administração tenha decidido incluir o nome de uma entidade privada já que ela tem buscado conceder esse privilégio por meio dos direitos de nomeação parcial, mais conhecido pelo termo em inglês “naming rights”.

O governo tinha grande expectativa em ampliar as receitas acessórias do Metrô com essa modalidade, porém, de seis estações oferecidas apenas três foram arrematadas e por valores pequenos.

Tanto a CPTM quanto as concessionárias que operam algumas linhas também poderão usufruir desse conceito no futuro, caso encontrem interessados.

Plataformas da estação FAAP-Pacaembu em ilustração de 10 anos atrás (BVY Arquitetos)

“Gente diferenciada”

A agora estação FAAP-Pacaembu ficoi conhecida em 2010 pela polêmica em torno da rejeição de parte dos moradores de Higienópolis à implantação da Linha 6-Laranja. A parada ficaria localizada onde existe um supermercado na avenida Angélica, esquina com a rua Sergipe.

Um abaixo-assinado da Associação Defenda Higienópolis que circulou na época pedia que a estação fosse construída em outro lugar por temor de atrair visitantes em dias de jogos e shows além de camelôs.

Em entrevista à Folha de São Paulo, uma psicológa moradora do bairro, contrária à estação, cunhou uma frase que se tornaria motivo de protestos: “Eu não uso metrô e não usaria. Isso vai acabar com a tradição do bairro. Você já viu o tipo de gente que fica ao redor das estações do metrô? Drogados, mendigos, uma gente diferenciada…

Por conta da resistência, o Metrô decidiu alterar o projeto e levar a estação para mais perto da FAAP e do estádio.

Total
6
Shares
6 comments
  1. Faz sentido a mudança, afinal será a LinhaUni.

    O certo seria mesmo ter uma estação no estacionamento do Pacaembu e outra estação na Av. Angelica mas tarde demais para isso.

    Agora que mudem o ridículo nome da estação Sesc Pompéia, afinal ter um Sesc do lado do Metrô não é novidade.

    Pensando no aluguel de nomes, Pompéia – Allianz Parque soa muito melhor!

      1. Já vai existir a “só Pompéia”, será da CPTM embaixo do viaduto Pompéia, entre Água Branca e Barra Funda.

  2. o problema são esses decretos para mudar nome de estação. isso deveria ser uma atribuição única e exclusiva do metrô e da CPTM.

Comments are closed.

Previous Post

CPTM repara veículo de manutenção com 80% de economia de investimento

Next Post

Governo de SP vai isentar de impostos ‘People Mover’ de Guarulhos

Related Posts