Destaques Linha 10 Linha 11 Linha 12

A exemplo do Metrô, CPTM também terá shopping ao lado da estação Brás

Empresa pretende ampliar receita não tarifária que hoje é apenas um quarto da obtida pelo Metrô
Estação Brás da CPTM: shopping e hotel ao lado (divulgação)
Estação Brás da CPTM: shopping e hotel ao lado (divulgação)
Estação Brás da CPTM: shopping e hotel ao lado (divulgação)
Estação Brás da CPTM: shopping e hotel ao lado (divulgação)

A CPTM pretende lançar nos próximos meses uma licitação para construção e operação de um shopping center e um hotel ligado à estação Brás, na Zona Leste. Os planos foram revelados pelo jornal Folha de São Paulo. O projeto segue os passos da experiência do Metrô, que hoje é parceiro em vários shoppings em São Paulo como Santa Cruz, Tucuruvi, Tatuapé e Itaquera.

A novidade é que o empreendimento também incluiria um hotel destinado às pessoas que frequentam a região do Brás, famosa pelas compras por preços mais atraentes. O terreno que deverá ser usado fica ao lado da estação, onde hoje há alguns prédios e áreas utilizadas pela CPTM, mas pertencentes à União.

Segundo a empresa, a inspiração veio de experiências semelhantes na Inglaterra e no Japão. Este blog já visitou esses complexos tanto em Tóquio quanto em Seul e considera a medida extremamente proveitosa tanto para o público quanto para a própria CPTM que assim dependeria menos das tarifas e de recursos do governo para fechar as contas.

A estação Brás é uma das mais importantes da rede metroferroviária, recebendo três linhas da CPTM (Linha 10, Linha 11 e Linha 12) além da Linha 3 do Metrô, que fica ligada à ela pela estação homônima. São cerca de 165 mil passageiros por dia, um público imenso e carente de serviços.

Assim como no Metrô, a construção e operação desses complexo ficaria nas mãos da iniciativa privada que repassaria uma parte do faturamento para a CPTM. Em 2015, a empresa teve apenas R$ 11,6 milhões de receita provinda de estabelecimentos comerciais, apenas 20% da receita não tarifária, e míseros 0,8% de participação na receita própria da empresa que precisou ainda de R$ 926 milhões de subvenção do governo para fechar as contas. Que o shopping do Brás seja apenas o primeiro de muitos projetos nesse sentido.

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

4 Comentários

Click here to post a comment

Airway