Gargalo da expansão da Linha 2-Verde, Complexo Rapadura já está sendo escavado

Canteiro de obras é crucial para que obra de oito estações não atrase mais. Local receberá o tatuzão que abrirá os túneis da extensão até Penha a partir de 2023
Vala sendo escavada no Complexo Rapadura (iTechdrones)

Embora o Metrô de São Paulo e o governo do estado se esforcem em mostrar avanços nas obras de expansão da Linha 2-Verde até a Penha, a maior parte das imagens e vídeos ignora o Complexo Rapadura, espécie de “epicentro” do projeto, e que teve sua execução postergada por um ano por conta de uma polêmica ambiental.

É nesse local que será montado o tatuzão responsável por escavar os túneis da extensão e cujo primeiro trecho inclui quatro estações – Vila Formosa, Anália Franco, Santa Clara e Orfanato. Por essa razão, a obra é atualmente o gargalo do projeto já que por mais que outros canteiros avancem é o cronograma de Rapadura que determinará se a entrega das oito novas estações será cumprido – hoje ele prevê tudo pronto em 2026.

A pedido do site, o parceiro canal iTechdrones sobrevoou o Complexo Rapadura nesta semana e a constatação é positiva. O consórcio CML2, responsável por esse lote, já avança na escavação da vala e céu aberto onde será posicionada a maior tuneladora já utilizada no Metrô de São Paulo. Como é possível conferir nas imagens e vídeo, as paredes do poço já começaram a aparecer em boa parte dos limites do terreno.

Segundo apuramos, a meta é que a vala tenha a escavação concluída até o final deste ano. Em fevereiro de 2023, está prevista a concretagem da laje de fundo, que servirá de “berço” para o tatuzão da fabricante CREG.

Nesse mesmo mês, o imenso equipamento de escavação deverá ser concluído na China, sendo então preparado para a viagem de navio até o Brasil, o que deve levar cerca de três meses. Após ser recebido no Complexo Rapadura, será então dado início à sua montagem, o que deve se estender por 90 dias. Se o cronograma for cumprido, a tuneladora deverá começar a perfurar o subsolo da região em meados do segundo semestre de 2023.

O canteiro então será preparado para comportar um estacionamento para oito trens, mas essa etapa só será finalizada após o tatuzão voltar ao local na segunda etapa de escavação, que partirá de um poço próximo à estação Penha e passará por Aricanduva, Guilherme Giorgi e Santa Isabel, estação também mostrada pelo canal e que já conta com um profundo poço circular.

Total
17
Shares
Previous Post

Metrô de São Paulo é um dos finalistas para operar linha metroviária no Equador

Next Post

CPTM implantará sistema de comunicação visual multimídia nas estações Brás e Palmeiras-Barra Funda

Related Posts