Justiça adia mais uma vez decisão sobre contrato dos trens da Linha 17-Ouro

Processo na 2ª instância do Tribunal de Justiça de São Paulo tem um voto a favor da BYD e outro do consórcio Signalling. Desembargador Evaristo dos Santos voltou a pedir vista, postergando decisão para 27 de setembro
Disputa entre BYD e Signalling

O imbróglio do contrato de sistemas da Linha 17-Ouro do Metrô na Justiça voltou a ser postergado na 2ª instância nesta segunda-feira (13) após o desembargador Evaristo dos Santos pedir vista do processo até o dia 27 deste mês.

A ação julga a apelação do consórcio Signalling em relação à decisão do Metrô de desclassificá-la e apontar como vencedor a BYD SkyRail. Em jogo está um contrato de quase R$ 1 bilhão que envolve a implantação de vários sistemas e a fabricação de 14 trens de monotrilho para o ramal.

O processo está na Justiça desde o ano passado e chegou a interromper os trabalhos após o Signalling conseguir um efeito suspensivo que impedia a BYD de seguir em frente. No entanto, o Metrô apelou para o Superior Tribunal de Justiça, em Brasília, onde obteve uma liminar que manteve o contrato em execução até o trânsito em julgado do processo original.

Em suma, a BYD só deixará de produzir os trens caso perca na 2ª instância e possíveis recursos no STJ sejam todos julgados. A situação mais delicada, no entanto, foi afastada, que seria uma decisão colegiada unânime da 6ª Câmara de Direito Público, onde o processo corre.

Estação Campo Belo em junho de 2021 (CMSP)

Entretanto, dos três desembargadores, uma, a relatora Silvia Meirelles, votou a favor da Signalling enquanto a magistrada Maria Olívia divergiu, colocando-se contra a apelação. Portanto, o voto do desembargador Evaristo dos Santos decidirá o processo no dia 27, caso não hada novo adiamento.

Um placar de 2 a 1 abre espaço para mais contestações da parte derrotada, mas enfraquece os argumentos sobretudo da Signalling mesmo que vença já que a decisão em 1ª instância não lhe foi favorável. Caso houvesse unanimidade a seu favor, o contrato do Metrô com a BYD correria riscos maiores, segundo um advogado consultado pelo site.

Independentemente de quem vencer, é bastante esperado que o derrotado apele ao STJ, mas acredita-se que todo o rito de análise e julgamento poderá levar bastante tempo a ponto de a evolução do contrato atingir um ponto em que seria contraprodutivo cancelá-lo simplesmente e começar de novo.

Espera-se que dentro de duas semanas ao menos alguma decisão sinalize para onde esse imbróglio seguirá.

Total
26
Shares
Previous Post

ViaMobilidade diz aguardar estudo sobre o desabamento de estrutura na estação Santo Amaro

Next Post

Estação Botujuru ganhará mezanino centralizado e dois novos elevadores

Related Posts