Linhas 11, 12 e 13, da CPTM, não funcionarão nesta terça, 24, devido a greve

Ramais 7-Rubi, 8-Diamante, 9-Esmeralda e 10-Turquesa funcionarão normalmente, assim como todas as linhas do Metrô
Mesmo parcial, greve na CPTM teve efeitos mais graves do que o Metrô (GESP)

Após assembléia do Sindicato dos Trabalhadores das Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil, que reúne os funcionários das linhas 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade na noite desta segunda-feira, 23, foi decidida a realização de uma greve nesta terça, 24.

As linhas 7-Rubi, 8-Diamante, 9-Esmeralda e 10-Turquesa, cujos trabalhadores são filiados a outros sindicatos, funcionam normalmente assim como as linhas do Metrô.

De acordo com a entidade, a decisão de greve se dá por “falta de respeito por parte da CPTM que não chegaram à acordo nas negociações do Acordo Coletivo de Trabalho 2020/21e 2021/22”. A greve já havia sido aprovada em assembléia no dia 04 de agosto de 2021.

A Justiça determinou que pelo menos 70% dos trens estejam em operação no horário de pico, que vai das 5h às 9h e das 17h às 20h. Nos demais horários os grevistas devem manter 50% da operação.

Status da greve

7h25 – Ônibus estão fazendo percurso Calmon Viana-Tatuapé na Linha 12 e Aeroporto Guarulhos e Engenheiro Goulart na Linha 13.

7h00 – Metrô liberou integração gratuita com a CPTM nas estações Itaquera e Tatuapé. Companhia informa que reforçou número de trens da Linha 3-Vermelha.

4h30 – A Linha 11-Coral funciona entre Luz e Guaianases, enquanto o trecho até Estudantes está paralisado. As linhas 12-Safira e 13-Jade estão paralisadas. Demais ramais funcionam normalmente.

Total
31
Shares
5 comments
  1. Sempre existe um momento mais adequado para se reivindicar reajustes, com a pandemia de Covid-19 em queda, mas ainda em um patamar elevadíssimo no Brasil, á redução do número de passageiros com a consequente queda expressiva na arrecadação, e milhares de desempregados, os sindicalistas demonstram desprezo e ou indiferença com a população ao exigirem benesses em tempos difíceis.
    Se já estava difícil se manter o distanciamento mínimo e evitar-se as inconvenientes lotações e aglomerações em plataformas e em transportes coletivos, esta atitude só veio a agravar ainda mais a situação da transmissão da pandemia, lembrando que quem se utiliza de transporte coletivo é normalmente o pessoal de baixa renda.
    Quanto mais greves e reivindicações, algumas talvez até justas, mas no momento inoportunas e inadequadas do funcionalismo, mais o povo responderá nas urnas votando em propostas que têm como parâmetro as concessões e privatizações. Será que os sindicalistas não vislumbram isso?

  2. Façam mais greves servidores/funcionários públicos, a população e o governo os apoiam majoritariamente e assim vocês vão se fortalecer cada vez mais. Por favor façam mais greves!!!

  3. Olá Amigos
    Endosso tudo o que o Sr.Leoni falou, convivo com esses “Sindicatos” desde 1967 e eles não estão ai para o que esta acontecendo, eles nunca perdem o emprego e quando a corda aperta eles te mandão procurar a justiça do trabalho como aconteceu comigo, pra minha sorte um grande amigo me socorreu , Dr. Edgard Grosso que livrou a minha barra. Para mim foram duas grandes lições que tomei e fora outras que eu vi acontecer com muitos outros que tomaram um pé na b….. e ficaram pedindo ajuda nos cruzamentos.Bom senso nunca é demais

  4. A metra fez greve em março e ganhou o ABC todo de brinde + o brt abc. Os onibus de SP fizeram greve , inclusive com sabotagem (o que não é permitido pela lei de greve) varias vezes, e vão receber 4 bilhões em subsídio. Milhares de empresas de ônibus tiveram greve durante todo esse período e em nenhum momento foi cogitado quebra de contrato , encapaçao ou intervenção. Terceirizadas e fornecedores da CPTM e metrô já entraram de greve e nem por isso houve quebra de contrato ou multa. Então porque quando a greve é de funcionários de uma estatal sempre esse discurso de privatização, demissão, etc?

    A greve é um direito garantido por lei. Quem determina se é abusiva ou não é o TRT. Tem que separar uma coisa da outra. O estado quer conceder a CPTM porque precisa satisfazer o mercado empresarial para qual representa . Inclusive o secretário sr. Baldy deveria ser processado por assédio moral ao relacionar a greve a concessão das linhas
    . entendo que o sindicato da zona central do Brasil perdeu o timing e cometeu um erro ao querer negociar em separado aos demais e entrar de greve agora quando o governo já negociou e havia fechado acordo com os outros sindicatos. Mas aí uma coisa não tem nada a ver com a outra e se o juiz que julgar a greve entender q ela foi ilegal, q o sindicato seja punido como se manda a lei. E vida q segue

Comments are closed.

Previous Post

Projeto básico da Linha 19-Celeste custará R$ 93 milhões ao Metrô

Next Post

Obras da Linha 17-Ouro na Marginal Pinheiros voltam a ganhar ritmo

Related Posts