Participantes da licitação de projeto básico da Linha 19 questionam julgamento técnico do Metrô

Licitação foi suspensa após recursos administrativos movidos por três dos quatro consórcios, inclusive o vencedor, apontando falhas na análise das informações
Licitação do projeto básico da Linha 19

A licitação que irá contratar o consórcio responsável por produzir o projeto básico da Linha 19-Celeste (Anhangabaú-Bosque Maia) já é conhecida pelos vários problemas apontados desde o ano passado. Após o TCE (Tribunal de Contas do Estado) obrigar o Metrô a refazer o edital para incluir a análise técnica e não apenas o preço, a concorrência seguiu em frente, tendo como vencedor o Consórcio MNEPIE, formado pela empresas Maubertec, Nova Engevix, Pólux, Intertechne e EGT.

Nesta quarta-feira (8), no entanto, o Metrô suspendeu o certame após três dos quatro concorrentes entrarem com recurso administrativo contra o resultado. Trata-se, é importante dizer, de algo previsto no edital e bastante comum quando algum dos participantes considera que há algo errado na decisão.

A surpresa em relação a essa licitação é que até mesmo o MNEPIE reclamou do resultado. O consórcio questionou as notas obtidas na avaliação técnica, considerando que merecia ter um valor mais alto enquanto outros dois concorrentes deveriam ter suas notas revistas para baixo.

O consórcio Sener Setepla – Future ATP – EGIS, segundo colocado na licitação, também contestou a decisão e para isso apontou diversos aspectos que em sua visão fariam o MNEPIE ser desclassificado, entre eles a experiência não comprovada de parte de seus profissionais.

O terceiro grupo é o consórcio SYSTRA-EBEI-Fernandes, que acabou desclassificada pela comissão de julgamento do Metrô e por isso não teve a pontuação contabilizada e apresentada. Ele pede que seja reconsiderada a sua desclassificação e que os consórcios MNEPIE e Linha 19 Celeste (o único que não entrou com recurso) sejam afastados da concorrência.

Trajeto prioritário da Linha 19

Análise técnica defendida pelo SINAENCO

Curiosamente, os questionamentos sobre as análises e notas atribuídas pelo Metrô às propostas técnicas foram justamente o motivo do atraso na licitação, lançada originalmente em fevereiro de 2020.

Foi o sindicato que representa essas empresas, o SINAENCO, que levou o caso ao TCE alegando que nesse tipo de concorrência é necessário levar em conta também a capacitação técnica dos participantes e não apenas o preço mais baixo, sob risco de selecionar uma empresa incapaz de produzir os documentos com a qualidade e exatidão necessária.

Mas se uma licitação comum, em que apenas o valor é levado em conta para apontar um vencedor (além é claro de vários requerimentos que comprovam de experiência à saúde financeira), o que dirá de um certame que se propõe a pesar a capacidade de várias empresas e seus profissionais e daí a apontar uma delas como mais indicada?

Trata-se certamente de uma situação bastante delicada para o Metrô, que já vive às voltas com diversas licitações importantes sendo discutidas por meses a fio na Justiça.

Por enquanto, a decisão de deferir os pedidos dos recursos cabe apenas à comissão julgadora do Metrô, mas diante da certeza que teremos inconformados não será surpresa se em breve o contrato seja questionado no Tribunal de Justiça de São Paulo, como quase sempre tem ocorrido.

Total
25
Shares
Previous Post

CPTM lança licitação para anteprojeto da extensão leste da Linha 13-Jade

Next Post

Até a nova estação de Franco da Rocha receberá intervenções por conta do Trem Intercidades

Related Posts