Destaques Linha 5

Prevista para abril, estação Campo Belo será uma das maiores da Linha 5-Lilás

Quando em operação plena, parada movimentará cerca de 80 mil pessoas por dia, mas apenas quando o monotrilho da Linha 17 estiver funcionando
O único acesso próprio de Campo Belo

O imenso viaduto duplo que cruza a avenida Roberto Marinho e que foi inaugurado no final do ano passado praticamente a esconde. Ao seu lado, o esqueleto do monotrilho chama mais atenção de quem passa pela região a ponto de ser difícil para muitos saber que dezenas de metros abaixo da superfície existe uma estação de metrô da Linha 5-Lilás quase pronta.

Estamos falando de Campo Belo, 17ª estação do ramal e última a ser inaugurada da atual fase de expansão. A parada é a mais discreta da linha por estar justamente obscurecida pelo viaduto. O único acesso próprio fica ao lado da avenida Roberto Marinho, no sentido Marginal Pinheiros. Como o projeto previu a ligação subterrânea com a Linha 17-Ouro do monotrilho, passageiros que chegarem de outras regiões terão de passar pelas passarelas da estação elevada para chegar à linha de bloqueios.

Apesar da discrição, principalmente se comparada a paradas como Eucaliptos ou Brooklin, a estação Campo Belo é imensa, uma das maiores da Linha 5. Tudo isso por conta da previsão de que essa conexão atrairá muitos passageiros, mais de 80 mil quando o monotrilho estiver operando em sua capacidade plena. Com ela, o ramal, operado pela concessionária Via Mobilidade, também preencherá uma enorme lacuna que hoje existe entre a região da avenida Roque Petroni Júnior e o bairro de Moema.

Não é, diga-se de passagem, a melhor posição para atender o bairro de Campo Belo, mas um alento para quem hoje se desloca para essa região. Segundo o Metrô, a última estação da Linha 5 em construção deverá ser entregue em abril, concluindo um projeto iniciado há cerca de uma década.

Assim como outros blogs, o site MetrôCPTM teve a oportunidade de visitar o local no sábado, dia 16, em companhia do presidente do Metrô, Silvani Alves Pereira. Veja a seguir os principais aspectos da nova estação.

Buffet do atraso

A estação Campo Belo já deveria ter sido entregue há bastante não fosse um imbróglio judicial envolvendo o Buffet Grécia. O estabelecimento, localizado na época na avenida Santo Amaro, acabou emperrando o início das obras em dois anos por conta da discussão sobre sua desapropriação. Sem o terreno, o Metrô acabou postergando o cronograma por muito tempo, o que acarretou em problemas como a necessidade de encher dois poços escavados com um material especial para permitir que os dois tatuzões pudessem passar pela região. Sem isso, eles teriam de parar por duas vezes antes de serem preparados para o resto da “viagem”.

As obras tiveram interferências ainda de tubulações antigas de gás que tiveram de ser refeitas e até de uma árvore, uma falsa Seringueira que causou comoção na época pela sua derrubada.

Sem ponto de ônibus no viaduto

O projeto original da estação Campo Belo previa uma parada de ônibus no alto do viaduto, bem acima dela e nos moldes do ponto de ônibus do viaduto localizado na praça 14 Bis, na Bela Vista. Mas a administração anterior decidiu suprimir esse acesso alegando custos. Com isso, os passageiros que seguirem para os ônibus do corredor da avenida Santo Amaro terão de andar bastante.

Na parede branca está o túnel de ligação com a Linha 17

Conexão com a Linha 17

Os usuários que acessarem a nova estação a partir de abril notarão paredes brancas na lateral esquerda da estação. São os túneis de transferência para o monotrilho, um no piso das bilheterias e outro no piso inferior. A solução lembra a ligação das estações Vila Prudente da Linha 2 e 15.

Sem prédio técnico

Como foi construída exatamente no eixo da avenida Santo Amaro, Campo Belo não exibe um daqueles prédios vistos em Eucaliptos ou Moema e que abrigam equipamentos e cabos necessários para o funcionamento da estação. Em vez disso, eles ficam nos poços ao norte em áreas subterrâneas, algo semelhante ao que existe em Adolfo Pinheiro.

Iluminação natural menor

Essa característica descrita acima também influenciou na baixa iluminação natural, marca das novas estações da Linha 5. Em Campo Belo, há pouco espaço para a luz externa.

Túnel da Linha 5 em Campo Belo

Quatro pisos

Embora esteja num ponto mais baixo da linha, a estação também terá quatro pisos para chegar até a plataforma. O mezanino, bastante raso, é bem iluminado e agradável. Depois dele temos dois pisos intermediários bastante amplos e por fim o nível da plataforma, que é central.

Mudança de projeto

Logo que foi concebida, Campo Belo seria uma estação dupla: abrigaria a Linha 5, mas também sua homônima da futura Linha 19-Celeste, que chegará a Guarulhos um dia. Por essa razão seu formato era retangular originalmente para que as duas estações fossem paralelas. Porém, como o projeto da Linha 19 não avançou o Metrô acabou mudando seu formato para o de cinco poços secantes circulares. Já a estação da Linha 19 talvez nem exista já que se fala em mudança de trajeto na companhia.

Terceira linha com mais estações

Com a entrega de Campo Belo, a Linha 5 terá 17 estações em 20 km de extensão. Com isso ficará atrás apenas da Linha 1 (23 estações) e Linha 3 (18 estações), mas à frente da Linha 2 (14 estações) e Linha 4 (10 estações). No futuro, no entanto, ela poderá ganhar pelo menos cinco novas paradas, duas no sentido Jardim Ângela e mais três sentido Ipiranga, caso o projeto do Metrô de ligá-la com as linhas 10 da CPTM e 15 do monotrilho seja confirmado um dia.

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

Airway