Destaques Linha 17 Metrô de São Paulo

Quase pronta, estação Morumbi da Linha 17-Ouro deve ficar sem utilidade por pelo menos dois anos

Obras da estação, que ligará o ramal de Metrô com a Linha 9-Esmeralda da CPTM, tem avançado enquanto restante do projeto patina
Obras da estação Morumbi devem ser concluídas no segundo semestre, mas ainda levará muito tempo até receber um trem (CMSP)

Oito anos após serem iniciadas, as obras da Linha 17-Ouro do Metrô cada vez mais se tornam candidata a ser o pior exemplo de gestão de um projeto metroviário em São Paulo. E a ironia dessa situação inusitada está no fato de que um dos trechos mais atrasados no início é hoje talvez o mais adiantado deles, a estação Morumbi, que fará a ligação do ramal de monotrilho com a Linha 9-Esmeralda da CPTM.

A cargo da Camargo Correa, a obra avança sem grandes dificuldades e já atingia 82,8% de execução em abril, segundo a página da empresa na internet. O prazo de conclusão dos serviços está marcado para o dia 1º de julho, mas pode ser adiado já que ainda é visível que a estação possui mais trabalho pela frente. Neste fim de semana, o Metrô interdida a Marginal Pinheiros enquanto a CPTM interromperá a operação entre Santo Amaro e Berrini no domingo, 24, a fim de que sejam realizadas intervenções na ligação entre as duas estações.

Mesmo que demore mais alguns meses, a estação Morumbi será concluída bem antes do que o restante da obra, que vive de impasses e problemas pouco tempo depois ter sido iniciada, como o site tem mostrado há anos. O imbróglio mais recente envolve a fabricação dos trens de monotrilho, que deverão ser fornecidos pela empresa chinesa BYD SkyRail. Apesar disso, um dos consórcios derrotados na licitação, o Signalling, tenta barrar o contrato na Justiça pela segunda vez e pode, mesmo que não venha a reverter o processo, atrasar ainda mais a inauguração da linha.

Por falar em impasse, outra licitação, a de obras civis complementares, vencida pela Constran, está há mais de dois meses agurdando a análise de um recurso em segunda instância da Coesa Engenharia, que está em mãos dos desembargador José Orestes de Souza Nery desde o dia 16 de março.

A empresa, assim como o Signalling, não obteve sucesso em seu recurso em primeira instância, mas a Justiça brasileira prevê diversas manobras para travar contratos públicos e com isso chega-se a uma situação ruim para todos: o consórcio derrotado não vira o jogo, o que ganha  não leva, o governo não tira o projeto do papel e a população paga nas duas pontas, ao não ter a linha de metrô pronta e por ver seus impostos sendo consumidos à toa.

O resultado disso tudo é que está se tornando bastante improvável que a primeira fase da Linha 17-Ouro seja concluída até 2022, ou seja uma década depois de os primeiros trabalhos terem sido lançados. O mais absurdo é pensar que argumento do governo do estado é que o monotrilho seria uma obra barata e rápida além de bem mais inclusiva, ao atender bairros carentes como Paraisópolis, Vila Babilônia ou Cidade Leonor, mas essas regiões não serão atendidas tão cedo já que as fases seguintes estão suspensas indefinidamente.

Ou seja, a chamativa estação Morumbi da Linha Ouro será apenas um “enfeite” na paisagem na Marginal Pinheiros por pelo menos dois anos, caso não surjam novas surpresas indesejáveis nessa que é de longe a maior vergonha sobre trilhos da história.

Estação Morumbi da Linha 17-Ouro (CMSP)
Leia no Lulica
Miopia na infância: quarentena pode aumentar risco, afirma médico 28/5/2020

About the author

Ricardo Meier

É um entusiasta do assunto mobilidade e sobretudo do impacto positivo que o transporte sobre trilhos pode promover nas grandes cidades brasileiras. Também escreve nos sites Airway (aviação) e AUTOO (automóveis).

16 Comentários

Click here to post a comment
  • Bem sabendo-se d todo esse embrolio e falcatruas ond a tal d ”justiça” esta neste momento ( ahhh.ja sei estao lutando para arrazar o Nosso President), em chamar para depor e prisao os tais ALKMIN E SERRA , pois esses 2 sao os principais responsaveis por toda essa confusao e roubalheira.

  • O gozado é que não conseguem nem terminarem as que estão em andamento e já ficam lançando outras linhas. Terminem o que estão por aí andando as obras igual corrida de lesmas depois sentem e pense melhor qualidade localidade necessita com mais urgência. Ou o $$$$$$$ fala mais alto.

    • Não que a solução seja esperar terminar uma linha pra lançar outra. Imagina a Linha 19 ficar de escanteio até que a justiça resolva todos os “problemas” contratuais da Linha 17, isso travaria demais a entrega de ambas as linhas, o que não é benéfico pra ninguém. Quanto mais linhas em expansão, melhor

  • Mas não vai ser a primeira estação fantasma. Suzano está há 4 anos com obra concluída mas até hoje a Linha 12 Safira nunca chegou por lá

    • acho que voce esta enganado, pelo que li em diversos sites a obra para ligar a linha 12 Safira a Suzano nunca foi terminada e nao existe data para conclusao desta obra que precisa ser licitada novamente ! outra informaçao errada, estaçao SUZANO nova terminada em 2016 nao eh fantasma, pois eh utilizada hoje por mais de 40,000 pax por dia !

  • Certamente esta estaçao na termina em 01 de julho e vai ate o final do ano para estar tudo pronto conforme projeto de engenharia civil. Depois ainda falta finalizar a parte de equipamentos que leva pelo menos mais 90 dias. Entao tem muito chao pela frente ainda

  • Sem contar q essa obra bloqueou a ciclovia da marginal! Quase 10 anos sem a ciclovia, isso pq era só por 2 anos o bloqueio .

  • A linha 17 Ouro será um grande elefante branco para concessionária via mobilidade anotem aí, essa linha será de grande incompetência do governo que não fizeram um estudo detalhado da necessidade da população ela será de pouco uso me cobrem.

    • Partindo da sua visão, todas as linhas de metrô do mundo são elefantes brancos. Todas passaram por problemas nas obras, porém ninguém desistiu do metrô por meros obstáculos. Essa não é nem de longe a obra mais demorada do Metrô de São Paulo. As obras da Linha 2-Verde até Vila Prudente, por exemplo, foram contratadas em 1991 e só concluídas em 2010.

      Agora entre as dezenas de estudos públicos bem detalhados feitos pelo metrô para a Linha 17 e o seu achismo obscuro (pois não apresentou nenhuma evidência que corrobore sua opinião), qual será o lado escolhido pela sociedade?

      • Investimento de metrô pesado com capacidade de corredor de ônibus. Várias matérias em sites especializados apontam isso. Não tem demanda, a escolha do modal foi ruim. O planejamento falhou. Aceita que dói menos Ivo.

  • Essa linha quando pronta deve atender 185 mil passageiro, segundo projeções do próprio governo do estado. Não vale o investimento. Locais com mais necessidade não são atendidos e nem tem projetos para novas linhas. É muito mal planejado

  • Lamentavelmente teremos mais atrasos. É a perfeita incompetência de gestão do estado de São Paulo. Em tempo; vai ser “entregue” sem cumprir o projeto original. Uma vergonha

Airway